You are currently browsing the category archive for the ‘Atividade Física & Lazer’ category.

Há poucos anos as evidências da participação do cérebro no mecanismo da exaustão muscular ainda eram apenas indiretas. Os estudos usavam truques psicológicos que enganam os voluntários de que suas medidas fisiológicas ainda estão dentro da normalidade, criavam adversários virtuais com um desempenho melhor do que o esperado numa competição, etc.

 

Em 2011, pesquisadores da Universidade de Zurique realizaram um estudo que provocava a exaustão de ciclistas monitorizados por eletrencefalograma. Eles conseguiram demonstrar que pouquíssimo tempo antes da exaustão existia um aumento da comunicação elétrica entre duas regiões do cérebro. Essas duas regiões eram o córtex motor que planeja e controla o movimento e o córtex da ínsula, região que poderia ser considerada como um grande entroncamento de vias, incluindo as vias emocionais.  Podemos dizer que a ínsula dá um sinal para a região motora parar logo, já que o limite foi ultrapassado.

 

Prof. Alexandre Okano, pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e colaboradores de outras instituições (Unicamp, Universidades Estaduais do Rio de Janeiro e de Londrina, Universidade de Cape Town – África do Sul, City College of New York – EUA) conduziram um experimento extraordinário que estava faltando para dar seguimento à evolução desse conhecimento. Os resultados indicaram que o cérebro parece mandar mais que o músculo quando atingimos a fadiga. O músculo até continuaria um pouco mais, mas o cérebro acaba com a festa.

 

Eles resolveram mudar a excitabilidade da ínsula e regiões vizinhas através de uma pequena estimulação elétrica não invasiva e ver o quanto isso poderia influenciar o desempenho de atletas. Essa estimulação poderia fazer com que a ínsula passasse a mandar menos recados ao sistema motor de que já estava na hora de descansar, deixando os músculos trabalharem mais. Dito e feito.

 

Dez ciclistas de competição participaram de um teste em que pedalavam “no limite”. Metade deles recebeu antes da prova a estimulação elétrica por 20 minutos sobre o córtex da ínsula à esquerda enquanto a outra foi submetida a um procedimento de mentira, placebo.  Aqueles que receberam a estimulação tiveram um desempenho de força 4% maior, menor percepção de cansaço e menor elevação da freqüência cardíaca.  

 

A modulação das conexões entre a ínsula e o sistema motor tem vários caminhos. Já é conhecido que a estimulação da ínsula promove modulação do sistema nervoso autônomo e também tem estreita relação com experiências prazerosas. Ativação da ínsula esquerda já foi demonstrada quando uma mãe vê fotos de seus filhos, quando uma pessoa sorri ou mesmo vê alguém sorrindo e ao ouvir músicas agradáveis. Por outro lado, a ínsula direita está mais associada às experiências negativas e desagradáveis, como é o caso da dor. 

 

Uau! Isso não é pouca coisa quando se pensa em atletas de elite e certamente é um achado que vai levantar muitos dilemas éticos. Ainda não existe como provar se o atleta foi estimulado ou não antes de uma competição… Os resultados da pesquisa foram publicados no Jornal Britânico de Medicina do Esporte.

 

 

 

 

Até há pouco tempo, competições esportivas como maratonas liberavam o uso de aparelhinhos de música com fones de ouvido, mas hoje em dia isso não é permitido. São duas as justificativas: pela segurança do atleta e para não criar desvantagens para aquele que não compete com o aparelho. 

 

Nos últimos dez anos muito se avançou no entendimento desse binômio música / atividade física. Já em 1911, o pesquisador Leonard Ayres observou que os ciclistas pedalavam mais rápido quando tinha uma banda de música na rua do que quando não tinha. Música diminui a percepção da dor, da fadiga e do esforço despendido, melhora o estado de humor e aumenta a resistência. A música melhora o desempenho em atividades como corrida e natação, sem que a pessoa nem tenha consciência disso.

 

Qual é a melhor música?

A maioria das pessoas tem um instinto para sincronizar os movimentos e expressões com o ritmo da música. As conexões diretas entre o sistema auditivo e motor são os pilares desse instinto.

.
O ritmo de dois batimentos por segundo parece ser a preferência inata da maioria das pessoas. Um estudo avaliou mais de 70 mil músicas pop e mostrou que o pulso mais comum era o de dois por segundo – 120 por minuto. Quando as pessoas são solicitadas a batucar os dedos ou caminhar, esse é o ritmo mais comumente observado.

 

A sincronia com o ritmo musica promove o uso de energia de forma mais eficiente, com menos ajustes para a coordenação. A relação entre a música e o movimento no cérebro é íntima. Ao ouvirmos uma música agradável, há um aumento da atividade elétrica de várias regiões do cérebro responsáveis pelos movimentos. Uma pesquisa demonstrou que o consumo de oxigênio é 7% menor quando se pedala sincronizado com a música.

 

Ritmo acelerado não é tudo. As memórias e emoções evocadas pela música fazem muita diferença. Distração é outra forma de explicar o poder da música durante a atividade física. A música nos distrai dos alarmes do corpo de que já chegamos no limite. Essa distração também pode facilitar acidentes e por isso devemos ficar bem atentos e ter consciência de que em algumas situações a música é incompatível com segurança.

 

** Já existem até aplicativos que selecionam as músicas de acordo com a freqüência cardíaca do corredor.

 

smallicone2

 

 

 

O periódico especializado British Journal of Sports Medicine publicou nesta última semana uma pesquisa que demonstra que a atividade física moderada ou intensa, mesmo que de curta duração, tem o poder de nos deixar mais centrados, com melhor controle das emoções.

 

Pesquisadores holandeses avaliaram os principais estudos que investigaram o impacto do exercício físico sobre funções cerebrais superiores como memória, concentração, planejamento e tomada de decisões. A análise foi feita em três diferentes faixas etárias: 6-12 anos, 13-17 anos e 18-35 anos. Foram incluídos 24 estudos que envolveram quase mil voluntários.

 

Os resultados apontaram que exercícios moderados ou intensos de curta duração (10 a 40 minutos) promovem aumento do autocontrole psíquico nas três faixas etárias estudadas, especialmente sobre a capacidade de inibir a impulsividade. O aumento do aporte de sangue e oxigênio para as regiões mais frontais do cérebro (córtex pré-frontal) pode explicar esse efeito. Outros estudos também têm mostrado que o exercício melhora o desempenho cognitivo dos idosos.

 

A atividade física dispara imediatamente uma série de substâncias no sangue que estimulam a secreção de neurotransmissores no cérebro. Entre essas substâncias estão a endorfina, vasopressina, hormônio corticotrófico e catecolaminas.  No longo prazo, a prática regular de exercícios estimula a produção de fatores neurotróficos que favorecem a criação de novos vasos sanguíneos e neurônios, além de mudanças estruturais nas sinapses e ramificações dos neurônios. E mais: esses efeitos plásticos chegam a promover o aumento de áreas cerebrais que vão além daquelas responsáveis pelo movimento, mudanças que podem estar associadas aos efeitos positivos da atividade física sobre a cognição.

 

 

 

smallicone2

 

 

 

 

 

Pesquisadores ingleses da Universidade de Oxford avaliaram 431 peças publicitárias de 104 diferentes produtos voltados ao esporte nos melhores magazines de esporte da Inglaterra e dos EUA. Os resultados apontaram que menos de 3% delas tinham respaldo científico. Além de uma constatação de informações duvidosas, o estudo dá uma espetada na autoridade de segurança alimentar européia, correspondente à ANVISA aqui no Brasil, órgão que regula esse tipo de publicidade. Os resultados da pesquisa foram publicados no British Medical Journal esta semana e esse também foi o conteúdo de um programa veiculado ontem pela BBC com o título “A Verdade dos Produtos Esportivos”. 

 

Anúncios de distribuidores não foram incluídos, mas apenas os de fabricantes de produtos, como isotônicos, suplementos alimentares e acessórios esportivos. As empresas foram questionadas por email quanto às referências científicas que justificavam os anúncios de melhora de desempenho ou prevenção de condições clínicas com o produto.

 

Muitas empresas não tinham mesmo qualquer tipo de referência para apresentar, outras apresentavam, mas com evidências que não justificavam os anúncios, e apenas uma minoria de 2.7% tinha embasamento científico satisfatório de acordo com critérios objetivos baseados no Centro de Medicina Baseada em Evidências. Os resultados ainda mostraram que a maior parte das pesquisas que investigavam a eficácia desses produtos era patrocinada pelas próprias empresas interessadas.

 

Elenco abaixo alguns pontos que foram alvo de críticas por uma série de experts em medicina do esporte e publicados em outros sete artigos na última edição do British Medical Journal :

 

* promessas dos isotônicos – para o atleta de elite, esses produtos podem fazer a diferença, especialmente em provas de longa duração. Entretanto, para maioria dos que praticam atividade física de forma amadora, água é o suficiente e é bom lembrar que muitos dos isotônicos estão cheios de calorias. Existe um apelo de que os isotônicos têm menor risco de queda dos níveis de sódio, mas o que temos de evidências é de que qualquer líquido em excesso pode provocar essa condição clínica chamada de hiponatremia. Além disso, não custa lembrar que o corpo saudável tem um mecanismo preciso de controle dos níveis de eletrólitos no sangue e não é qualquer corridinha que é capaz de driblá-lo;   

 

* outros “movimentos isotônicos” – a bebida oficial da Olimpíada de 2012 é o isotônico Powerade da Coca-Cola com a chamada “Ajuda a manter a resistência”. A gigante GlaxoSmithKline tem um programa de pesquisa com voluntários de 11 a 14 anos de idade para avaliar as vantagens de isotônicos sobre a água;

 

* hidratar muito antes mesmo de sentir sede – o excesso de hidratação tem suas repercussões negativas, assim como a desidratação. Beber à medida que se tem sede pode ser a melhor opção já que a sede é o melhor alarme que o corpo está precisando de hidratação;   

 

* tênis especiais para cada tipo de pisada – o que faz mesmo diferença na incidência de lesões é a intensidade e tempo de treino/prova assim como o intervalo de recuperação. O tipo de tênis tem um valor irrisório, é o que aponta recente e maior pesquisa realizada sobre o tema;

 

* shakes de proteína – forma cara de tomar um copo de leite;

 

 

Por enquanto, o que a ciência endossa é que devemos nos exercitar regularmente, e se for com o pé no chão, que seja com um tênis confortável.  Garantir também uma dieta balanceada e hidratação com água. 

 

 

 

SMALLicone

 

Atividade física diária previne a doença de Alzheimer mesmo entre aqueles com mais de 80 anos. Essa á conclusão de um estudo publicado esta semana pela versão online do periódico da Academia Americana de Neurologia.

 

Durante quatro anos, mais de 700 idosos, com uma média de idade de 82 anos, foram acompanhados com testes anuais de memória e outras funções cognitivas. Eles foram também monitorados em suas atividades físicas através de um questionário e por um dispositivo chamado actígrafo, tipo um relógio de pulso, que registra a movimentação de uma pessoa ao longo do dia.

 

Nesse período, 10% dos voluntários receberam o diagnóstico de doença de Alzheimer. Aqueles que tinham registro de maior atividade foram os que tiveram menos chance de desenvolver a doença. Os 10% com menos atividade tiveram um risco três vezes maior quando comparados aos de maior atividade.  Esse efeito protetor foi demonstrado não só com os exercícios físicos formais, mas também com atividades do cotidiano como limpeza da casa, cozinhar e lavar louças. O benefício da atividade física mostrou-se independente das atividades cognitivas e sociais que ajudam na prevenção da doença. 

 

A pesquisa confirma, com metodologia bastante refinada, que a atividade física, é uma aliada na luta contra a doença de Alzheimer, mesmo em idades avançadas. Sabemos que o exercício estimula a liberação de uma série de combustíveis para os neurônios e vasos e melhora o aproveitamento da glicose pelo cérebro. 

 

** No dia a dia do consultório, as pessoas perguntam muito qual é o tipo de atividade física mais recomendada para o cérebro. Nesta semana, outro estudo publicado pelo Archives of Internal Medicine revelou que atividade física do tipo musculação duas vezes por semana durante seis meses promoveu a melhora cognitiva de mulheres idosas com queixas subjetivas de memória. Além disso, durante uma tarefa tipo jogo de memória, esse programa de atividade trouxe maior ativação de uma série de áreas cerebrais.

 

 

 

 

 

 

Ouço às vezes no consultório jovens dizendo coisas como: “Já fiz check up com o cardio, com o gastro, agora só falta o neuro”.  Mas afinal, que tipo de check up as pessoas realmente devem fazer?

 

Para quem não tem sintomas, ou qualquer doença conhecida, exames como PSA (antígeno prostático), tomografia das artérias coronárias, raio-x ou tomografia de pulmão têm sido colocados em xeque. Mamografia a partir dos 40 ou 50 anos? Testes genéticos que podem demonstrar uma maior chance de desenvolver doença de Alzheimer no futuro? Todo mundo poderia fazer exame para descartar aneurisma cerebral? Qual é o custo benefício?

 

Resultados falso-positivos levam à ansiedade, novos exames que não raramente são invasivos e, por vezes, até cirurgias desnecessárias. A isso se dá o nome de iatrogenia que é a contra-mão do que o pai da medicina Hipócrates deixou como princípio ético – primum non nocere (em primeiro lugar, não fazer mal). Check ups para pessoas assintomáticas só devem ser realizados quando existem evidências de que os benefícios são maiores que os danos. Isso não quer dizer que as pessoas devem deixar de ir ao médico ou ao dentista pelo menos uma vez ao ano, especialmente após os 40 anos.

 

 

Nos tempo de hoje, os médicos já não precisam cuidar só dos doentes, mas também das pessoas saudáveis. Estamos sempre vulneráveis a sermos rotulados como portadores de alguma disfunção ou transtorno.  

 

Veja abaixo algumas diretrizes de check up de diferentes sistemas do nosso corpo:

MAMA (mulheres) Auto-exame mensal.Após os 40 anos: exame clínico da mama e mamografia anualmente. Mulheres com alto risco (>20% de chance de desenvolver a doença ao longo da vida), podem discutir o custo-benefício da ressonância magnética e ultrasonografia.
COLON E RETO Após os 50 anos: sangue oculto nas fezes anualmente e retossigmoidoscopia a cada 5 anos ou colonoscopia a cada 10 anos. Se houver história de câncer de cólon na família, o sreening deve iniciar após os 40 anos (colonoscopia e testes genéticos).
COLO UTERINO (mulheres) Papanicolau anualmente (discutir custo-benefício do teste DNA HPV)
ATEROSCLEROSE Score de Frahmingham anualmente. Score intermediário (> 10%) : indicado teste de esforço.

Após 55 anos se apresentar qualquer fator de risco (hipertensão arterial, diabetes, tabagismo, dislipidemia, história familiar, síndrome metabólica):  Ecodoppler de carótidas com espessura íntima média ou Score de Cálcio Coronariano pela tomografia computadorizada a cada 5 anos. Avaliação oftalmológica (retina) e US para descartar aneurisma de aorta abdominal  após 60 anos.

Cavidade oral:Visita ao dentista semestralmente.Olhos:Avaliação periódica com oftalmologista – anual a partir dos 45 anos de idade.Ossos:Densitometria óssea a partir dos 65  e a partir dos 60 anos se houver fatores de risco para osteoporose (ex: uso de corticóide, tabagismo).Pele:Avaliação dermatológica ao aparecer manchas, pintas, feridas inéditas.Estômago – Esôfago:Endoscopia digestiva alta  em caso de dificuldade para engolir ou dispepsia sustentada ou associada a outros sintomas / sinais (ex: perda de peso, anorexia, anemia).Tiróide: US de tiróide é recomendado para pacientes de alto risco (história familiar de câncer de tiróide ou de irradiação) e quando há nódulo palpável, bócio ou linfonodos suspeitos. (AACE 2006).Pulmão: Mesmo com história de tabagismo, a ACCP (2007) não recomenda screening.

Abdome, linfonodos: PET/CT de corpo inteiro não é recomendado como screening (SNM 2007). US de abdome pode ser realizado para avaliação periódica do fígado, vesícula, pâncreas, e rins.  

Sistema genito-urinário: Exame de urina anualmente. US de pelve via abdominal pode ser realizado  para avalaiação periódica de ovários, útero e bexiga. A realização de US transvaginal e CA 125 anual para screening de câncer de ovário é controverso, mesmo em mulheres com história familiar da doença.

PROTEJA SEU CÉREBRO E MANTENHA-O BEM AFIADO

– Durma bem

– Pratique exercícios físicos moderados pelo menos 30 minutos 5 vezes por semana. Evite a exposição solar entre as 10:00h e 16:00h.

– Controle os fatores de risco vascular (ex: tabagismo, pressão alta, diabetes, colesterol, etc)

– Mantenha seu peso ideal

– Equilibre o trabalho com o lazer

– Adote a Dieta Mediterânea na sua vida:  coma pelo menos 5 porções diárias de frutas / vegetais, dê preferência aos grãos integrais, evitando os refinados, e dê preferência às gorduras insaturadas (azeite). Limite o consumo de carnes vermelhas ou processadas (ex: defumados), e o uso de álcool a uma dose por dia. (dê preferência ao vinho tinto). Inclua o peixe na sua dieta pelo menos 2 vezes na semana, especialmente o atum, sardinha e salmão.

ESSAS SÃO ATITUDES QUE, ALÉM DE FAZEREM  BEM AO SEU CÉREBRO,PREVINEM A ATEROSCLEROSE E O CÂNCER

 

 

 

 

 

Viver em estado de bem estar é uma das maiores aspirações de qualquer sociedade. Os benefícios desse bem estar vão além do prazer no momento presente.  Um estudo publicado esta semana pelo periódico Archives of Internal Medicine demonstra que as pessoas que julgam que curtem bem a vida têm melhor saúde e maior longevidade.

 

Mais de onze mil ingleses com mais de 50 anos de idade foram acompanhados por uma média de sete anos. Os voluntários foram submetidos a um questionário bem validado que avalia o quanto uma pessoa aproveita a vida, o que inclui perguntas sobre auto-realização, autonomia e prazer em viver.  Os resultados apontaram que aqueles que apresentavam maiores índices nessa escala foram as que apresentavam menos doenças, fumavam menos, faziam mais atividade física e tinham maior longevidade. Além disso, eram mais freqüentemente casados e com trabalho remunerado.

 

Não dá para dizer em relação causa e efeito, mas parece que existe aí um círculo virtuoso.

 

 

Image: Back to School, active children

 

Uma revisão sistemática foi publicada esta semana pelo periódico de pediatria da Associação Americana de Medicina trazendo a conclusão que já existem evidências suficientes de uma associação positiva entre atividade física e desempenho escolar.

 

Pesquisadores holandeses avaliaram os 14 estudos mais importantes sobre o tema envolvendo crianças e adolescentes com idades entre 6 e 18 anos.  A maioria das pesquisas havia sido conduzida nos EUA, uma no Canadá e outra na África do Sul, e algumas delas incluiu mais de 10 mil voluntários.  

 

Mas por que as notas escola são melhores entre aqueles que se exercitam mais?  Um cérebro turbinado parece ser uma das melhores explicações. Os efeitos positivos da atividade física sobre o cérebro já foram demonstrados através de variáveis fisiológicas que vão desde o aumento da perfusão sanguínea, metabolismo e tamanho do cérebro em determinadas regiões, até a modulação de sua própria atividade elétrica. O exercício físico promove ainda a secreção de diversas substâncias no cérebro como endorfina, endocanabinóides e fator neurotrófico derivado do cérebro, que têm efeito positivo no seu funcionamento, incluindo um melhor equilíbrio psíquico.

 

A crescente preocupação com a competitividade que as crianças enfrentarão no futuro faz com que algumas escolas estimulem a competitividade desde cedo. Mudanças curriculares têm sido propostas, com redução e até extinção de atividades de educação física e educação artística. A presente pesquisa ajuda a repensar esses tipos de atitude.

 

 

Obs: a Associação Americana para o Esporte e Educação Física publicou um relatório ainda no ano de 2002 com as recomendações de atividade física para as crianças pré-escolares. É desejável que elas tenham pelo menos uma hora de atividade física livre, através de brincadeiras, e uma hora de atividade estruturada sob a orientação do adulto, como é o caso da educação física na escola. Entre as crianças maiores, pelo menos uma hora de atividade física moderada ou vigorosa por dia é o mais recomendado.

 

 

 

 

Resultados do estudo inglês Whitehall II foram publicados neste fim de semana pelo Annals of Neurology e apontaram que indivíduos com mais ocupação e maior nível educacional têm um melhor desempenho cognitivo, alcançaram uma maior reserva cerebral, mas nem por isso deixaram de apresentar perdas com o envelhecimento.

 

Cerca de 7500 ingleses, com uma média de idade de 56 anos no início do estudo, foram submetidos a testes seriados de desempenho cerebral por um período de dez anos. Três componentes que já têm demonstrada associação com o risco de demência – altura, educação e nível de ocupação – foram analisados em conjunto com os resultados dos testes cognitivos. Diferente de alguns estudos anteriores sobre o assunto, a presente pesquisa identificou a influência desses fatores numa fase um pouco mais precoce da vida. 

 

 

Todos esses três componentes confirmaram seu valor como marcadores de reserva cerebral: os mais altos (altura mesmo!), com maior nível educacional e com o cérebro mais ocupado foram os que tinham melhores escores nos testes cognitivos. O nível de ocupação foi o que apresentou a associação mais forte e altura foi o mais fraco. Após 10 anos de acompanhamento, com exceção do vocabulário, houve piora significativa de todas as outras capacidades pesquisadas: fluência verbal e fonêmica, raciocínio, e memória. 

 

O resultado mais importante da pesquisa foi que a velocidade de perda cognitiva não foi influenciada pelo nível de reserva cerebral do indivíduo. Entretanto, quanto maior o estímulo, maior a reserva, e mesmo que uma pessoa tenha a tendência genética a desenvolver a Doença de Alzheimer, com essa reserva mais avantajada, ela viveria mais anos sem apresentar sintomas. Análises dos cérebros de idosos que morreram sem qualquer suspeita clínica da doença de Alzheimer mostram que esses cérebros apresentam quase o mesmo contingente de alterações daqueles que têm o diagnóstico da doença. Essa é uma das bases da teoria de reserva cerebral.

 

Moral da história? Vamos encher os cérebros de reservas. Isso deve começar cedo, já na barriga da mãe: pré-natal e boa nutrição. Educação não pode faltar. Ocupar o cérebro é fundamental e um país com menos desemprego ajuda muito. Para os aposentados, o lazer inteligente faz a diferença. Aliás, o lazer é uma rica fonte de reserva cerebral em qualquer idade.

 

 

Uma pesquisa publicada esta semana pelo periódico britânico Journal of Epidemiology and Community Health aponta que as pessoas envolvidas com atividades culturais apresentam melhores indicadores de saúde física e mental.

 

O estudo foi realizado com uma população de mais de 50 mil noruegueses com mais de 20 anos de idade (64% tinham entre 40 e 69 anos) que responderam a dois questionários distintos. O primeiro avaliava a auto-percepção de saúde física e mental, hábitos de vida como tabagismo, consumo de álcool e atividade física, além de escalas para identificação de sintomas de ansiedade e depressão. O segundo questionário abordava a freqüência com que os voluntários participavam de atividades culturais, seja de forma criativa, como tocar um instrumento musical, seja de forma receptiva como assistir a um show de música.

 

Os resultados mostraram que aqueles que tinham uma maior participação em atividades culturais, tanto criativas como receptivas, revelaram-se mais satisfeitos com a vida, demonstraram melhores indicadores de saúde e menos sintomas de ansiedade e depressão. Fazia diferença não só a freqüência, mas também o número de diferentes atividades vivenciadas.  Os indivíduos que mais praticavam atividade física foram também os que tinham uma vida cultural mais intensa. No caso dos homens, o lazer receptivo, como é o caso de assistir a um evento esportivo, foi o que mais teve associação com os indicadores de saúde.  Já entre as mulheres, o lazer criativo foi o que teve ligação mais forte com esses indicadores.

 

É fresquinho porque vende mais ou vende mais porque é fresquinho? Esta é uma pergunta importante que essa pesquisa não pôde responder. As pessoas são mais saudáveis por terem uma vida cultural ativa ou elas têm essa vida cultural porque são saudáveis? Estudos prospectivos futuros deverão ajudar a responder essa questão.

 

 

 smallicone

 

Nesta última semana, um rapaz de seus 20 e poucos anos me procurou para ter uma opinião sobre a continuação ou não de uma medicação que já usava desde o início da adolescência.

 

Rodolfo, assim vou chamá-lo, teve algumas crises de dor de barriga quando tinha seus 16-17  anos, fez um eletrencefalograma que revelou alguma anormalidade. Nessa época, Rodolfo começou a usar medicação para controlar epilepsia, como se esse fosse o seu diagnóstico inequívoco.

 

Muitas vezes é difícil raciocinar olhando apenas pelo retrospecto, mas conversando com Rodolfo, as evidências de um diagnóstico de epilepsia não eram significativas.  Crises de dor de barriga podem até ter a ver com epilepsia, mas depois de vários anos de acompanhamento, seria esperado que a pessoa apresentasse também crises de arresponsividade ao meio tipo ausência ou convulsão.

 

Vamos ao ponto principal de nossa história. Além de iniciar uma medicação de uso questionável no seu caso, Rodolfo foi orientado a parar com suas atividades esportivas. A situação para ele foi especialmente dramática, já que Rodolfo já era nessa época um atleta de competição de Taekwondo. Precisou suspender seus sonhos de atleta, mas por quê?

 

Mesmo que Rodolfo tivesse realmente o diagnóstico de epilepsia, não faria nenhum sentido ter restrições absolutas às atividades esportivas. É importante orientar um portador de epilepsia que evite nadar sozinho, que faça natação sempre com a monitorização de um profissional habilitado, pois no caso de uma crise, ele seria resgatado da água com segurança. Já entre os esportes fora da água, são poucos aqueles que demandam grandes preocupações. Claro que isso depende muito da freqüência de crises. É muito diferente um indivíduo que teve sua última crise há cinco anos daquele que tem crises diárias.

 

Na verdade, a relação entre atividade física e epilepsia fala muito mais na direção de benefícios. As pesquisas demonstram que exercício físico regular melhora o controle de crises epilépticas e uma das formas de explicar esse efeito é o estímulo de sistemas de neurotransmissores inibitórios e hormônios que modulam a excitação do cérebro. Além disso, a atividade física pode reduzir sintomas de ansiedade e depressão, comorbidades freqüentes entre pacientes com epilepsia, e minimizar o estigma e preconceito fortemente associados a essa condição.

 

E será que a atividade física pode fazer mal para algum tipo de transtorno neurológico? A princípio não. Enxaqueca, insônia, Doença de Parkinson e esclerose múltipla são condições mais facilmente controladas com atividade física. O exercício reduz o risco de derrame cerebral, Doença de Alzheimer e depressão. Isso sem falar no poder de reabilitação da atividade física naqueles que apresentam doenças neuromusculares ou que sofreram seqüelas de trauma cranioencefálico, derrame cerebral e tantos outros insultos neurológicos.

 

Rodolfo pode voltar sim para o Taekwondo. Inclusive, depois de atualizar seus exames, devemos pensar se já vale a pena retirar sua medicação anti-epiléptica.  As expectativas são boas, já que ao analisar seu antigo eletrencefalograma, não é possível identificar qualquer anormalidade.

 

smallicone

Será que os pais concordariam se as escolas assumissem cadeiras que estimulam as crianças a ficarem mais em pe?

Pesquisadores do Texas acabam de mostrar que isso aumenta o gasto calórico de forma significativa e com um grande potencial de combater a obesidade entre as crianças.  http://bit.ly/gp5aEX

Será que ficar em pé na sala de aula prejudica o rendimento escolar?  Tomara que não.

 

 

 

Neste carnaval, com quatro dias e meio de folga, e para alguns até mais, a cabeça faz uma lista de possíveis candidatos para ocupar o tempo com LAZER. E por que não ter essa lista na mente durante o resto do ano?

 

O tempo dedicado ao lazer muitas vezes está associado à atividade física. Nesses casos podemos desfrutar de um grande pacote de benefícios à saúde que incluem maior longevidade, melhor desempenho cerebral, melhor saúde psíquica e menor risco de doenças vasculares, degenerativas e neoplásicas. Entretanto, conhece-se bem menos sobre o impacto do lazer em nossa saúde independente da atividade física, como é o caso da leitura, cinema, música, etc. Alguns estudos, entretanto, têm revelado efeitos positivos interessantes.

 

Pesquisadores suecos demonstraram na década de 90 uma maior longevidade entre pessoas que freqüentavam eventos culturais. O mesmo grupo realizou um outro estudo que analisou a relação entre a participação em eventos culturais e o status geral de saúde. Duas entrevistas com intervalo de oito anos entre elas foram aplicadas a 3800 voluntários. Os indivíduos que apresentaram altos escores de participação em atividades culturais apresentavam 65% mais chance de se julgarem saudáveis quando comparados àqueles com baixos escores. Ainda mais importante foi o fato de que aqueles que partiram de um status de baixa atividade cultural na primeira entrevista e passaram a ter uma maior participação na segunda entrevista, atingiram uma auto-percepção de saúde semelhante àqueles que apresentavam altos scores em ambas as entrevistas.

  

As possíveis explicações para os benefícios do lazer sobre nossa saúde incluem desde dimensões psicossociais até mesmo biológicas. As atividades de lazer podem aumentar nossa rede de relacionamentos, nossas conexões sociais. Esse é um fator que está associado a uma menor concentração de hormônios do estresse e já foi demonstrado que com isso há redução dos riscos de doença isquêmica do coração (os animais de estimação também exercem esse efeito). Além disso, o lazer pode aumentar os níveis do hormônio ocitocina e do neurotransmissor serotonina, ambos associados ao bem estar psíquico. Uma simples aula de canto é capaz de aumentar os níveis do hormônio ocitocina, hormônio que pode ser considerado como modulador do estresse.

 

O lazer também promove a estimulação de nossos centros cerebrais de recompensa associados ao prazer. Essas são as mesmas regiões do cérebro estimuladas quando nos deliciamos com um saboroso alimento, quando experimentamos a paixão, quando compramos algo novo e muito desejado, quando temos atitudes altruístas ou quando solucionamos um problema. A ativação desses centros leva à liberação de uma série de neurotransmissores como dopamina, serotonina, endorfina, e que estão associados à sensação de prazer. O lazer é uma das maiores oportunidades para fugirmos da rotina, da repetição. Assim nosso cérebro vivencia o novo e o inesperado, que são fatores críticos para a estimulação de nossos centros de recompensa, com boas repercussões sobre a saúde psíquica e o estado imunológico.

 

Um meio rico em estímulos promove ainda uma maior saúde de regiões cerebrais tais como o hipocampo, que está relacionado a uma maior atividade cognitiva e menor risco de depressão. Há uma forte linha de pesquisa mostrando-nos que os idosos que mantêm ativas suas atividades de lazer têm menos risco de desenvolver a Doença de Alzheimer.

 

Diferentes modalidades de lazer também têm sido demonstradas como ferramentas preciosas para o tratamento de pessoas doentes: música, literatura, teatro e pintura. A música, por exemplo, aumenta a velocidade de recuperação de pacientes na fase aguda de um derrame cerebral, reduz a agitação de adultos em unidades de terapia intensiva e melhora o comportamento de crianças internadas com transtornos psiquiátricos.

 

O lazer tem sido levado cada vez mais a sério, e não devemos achar que sua importância seja restrita a sociedades super-desenvolvidas como o Estado de bem-estar social sueco. No Brasil ainda temos que suar muito a camisa para alcançarmos padrões mínimos desejáveis de desenvolvimento social, e estamos melhorando. O lazer associado ou não ao esporte pode ajudar a alavancar ainda mais esse desenvolvimento. Do ponto de vista de política pública, o lazer é um investimento relativamente barato que pode trazer benefícios em várias dimensões do desenvolvimento humano. Saúde é só uma delas.

 

** Confira a coluna semanal do Dr. Ricardo Teixeira na Rádio CBN Brasília – sextas-feiras às 10:35h. No dia 04 de março 2011 ele discutiu com Estevão Damasio os potenciais benefícios do lazer à nossa saúde . CLIQUE AQUI  para ouvir o audio.

 

 

Subir e descer escadas, comer e vestir-se sozinho. Essas são atividades da vida diária que algumas pessoas deixam de conseguir fazer sem ajuda quando atingem idades mais avançadas. Como evitar essas dificuldades? Uma pesquisa recém-publicada pelo periódico Journal of Gerontology: Medical Sciences aponta que uma vida social ativa pode ajudar bastante. 

 

A pesquisa envolveu quase mil idosos americanos com uma média de idade de 82 anos e que não apresentavam qualquer forma de dependência no início do acompanhamento que durou cinco anos em média. Um questionário foi aplicado para medir a presença e freqüência de atividades sociais dos idosos, como ir a um restaurante e cinema, viagens, trabalhos voluntários, visitas a amigos e parentes, entre outras. Os idosos também eram questionados quanto ao nível de independência para realizar seis diferentes atividades da vida diária: alimentar-se, vestir-se, tomar banho, usar o vaso sanitário, levantar-se da cama e andar por curtas distâncias. O questionário também investigava a capacidade do idoso em realizar três outras atividades que dependem de força e mobilidade: 1) subir e descer escadas; 2) caminhar 800 metros; 3) realizar o trabalho doméstico mais pesado. Por fim, atividades instrumentais também eram questionadas, como uso do telefone, preparo de refeições e manejo de medicações.

 

Os resultados mostraram que os idosos que relatavam uma alta frequência de atividades sociais tinham duas vezes mais chance de se manterem independentes nas suas atividades de vida diária e 1.5 vezes maior de continuarem com bom desempenho nas atividades instrumentais e naquelas que demandam força e mobilidade. 

 

Uma vida social ativa pode fortalecer o sistema músculo-esquelético e circuitos cerebrais que são os pilares da independência funcional.  Componentes psicológicos estão envolvidos, como manutenção da auto-estima e sensação de pertencer a uma rede social, mas não há como negar que a atividade física associada às atividades sociais tem o seu papel também. Novos estudos deverão avaliar se a introdução de atividades sociais na vida de um idoso pode ajudar a reduzir ou retardar o aparecimento de dependência funcional. É difícil imaginar que intervenções desta natureza não tragam resultados positivos.

 

 

 

 

Uma pesquisa recém-publicada pelo periódico The British Journal of Sports Medicine aponta que aparelhos que permitem que uma pessoa pedale em sua mesa de trabalho podem ser uma saída viável para reduzir o sedentarismo de quem trabalha sentado por períodos prolongados.

A pesquisa envolveu 18 profissionais com uma média de idade de 40 anos e que trabalhavam sentados por pelo menos 75% do tempo. Os voluntários foram monitorizados quanto à velocidade em que pedalavam, distância percorrida e calorias que eram gastas. A maioria dos voluntários era formada por mulheres com sobrepeso.

O aparelho foi oferecido por 20 dias de trabalho consecutivos e a média de uso foi de 12 dias e por 23 minutos diários.  O maior uso em um único dia foi de 73 minutos e o máximo de gasto calórico foi de 500 calorias.  Ao final do estudo, um questionário foi aplicado para avaliar a aceitação do aparelho e a maioria respondeu que usaria o aparelho caso fosse oferecido pelo empregador e que ele não atrapalhou o desempenho do trabalho. O aparelho também não devia atrapalhar o desempenho dos colegas, já que o ruído do aparelho é muito discreto.

Você usaria uma bicicleta dessas debaixo da sua mesa de trabalho?

 

 

 

 

 

Não há como prevenir o derrame cerebral.

Mito. Quando uma pessoa está tendo um derrame cerebral, um vaso sangüíneo do cérebro esta sendo obstruído ou rompido naquele momento, e uma parte do cérebro está por ser destruída. O derrame cerebral é mais comum entre as pessoas que têm hipertensão arterial, diabetes, colesterol alto, doenças do coração e naqueles sedentários, que fumam e usam muito álcool. Calcula-se que o indivíduo que identifica e trata um desses fatores de risco reduz seu risco de AVC pela metade. Mais importante ainda é o fato que esse mesmo indivíduo que adota hábitos de vida saudáveis é capaz de influenciar as pessoas ao seu redor a assumirem também esses bons hábitos. Saúde é mesmo contagiante!

 

O derrame cerebral está se tornando menos comum.

Verdade, mas só nos países ricos. Nas últimas quatro décadas (1970-2008), a incidência de derrame cerebral diminuiu em 42% em países ricos e aumentou mais de 100% em países de baixa e média renda, sendo que o Brasil se encaixa nesse último caso. Na última década, a incidência de derrame cerebral em países de baixa e média renda ultrapassou pela primeira vez a dos países ricos (20% maior).

 

A cidade de Joinville-SC não acompanha essa tendência dos países de baixa e média renda. Num intervalo de dez anos (1995-2006) houve uma redução relativa de um terço na incidência e mortalidade por derrame cerebral e na sua taxa de fatalidade. A redução da incidência de derrame cerebral sugere que a população recebeu mais assistência primária e melhores ações preventivas: controle de pressão alta, diabetes, colesterol, redução do tabagismo, etc. A redução da incidência na mortalidade reflete, em parte, um melhor atendimento em nível hospitalar. Os indicadores demonstrados são comparáveis aos de países ricos.

 

Derrame cerebral é coisa só de gente velha.

Mito.

O problema é mais comum entre os idosos, mas acontece também entre os jovens, muitas vezes por malfomações congênitas dos vasos sanguíneos do cérebro, problemas da coagulação, doenças do coração e por consumo de sustâncias como cigarro, cocaína e crack.

 

Todo tipo de pílula anticoncepcional ou reposição hormonal aumenta risco de derrame cerebral entre as mulheres?

Mito.  No caso da pílula anticoncepcional, as pílulas sem hormônio estradiol podem ser vistas como seguras mesmo para as mulheres que já têm uma predisposição para eventos vasculares, como é o caso da enxaqueca com aura, enxaqueca em que a dor é precedida ou acompanhada de sintomas neurológicos como flashes na visão ou alteração da sensibilidade de um lado do corpo. Já a reposição hormonal para alívio dos sintomas da menopausa, o uso prolongado desse tipo de tratamento, além de não proteger a mulher da doença coronariana, aumenta o risco de derrame cerebral, trombose nas veias e câncer de mama. Há evidências também de que não há aumento do risco de derrame cerebral quando a dose do hormônio estradiol é baixa e quando usado sob a forma de adesivos na pele.

 

Medicações para controlar o colesterol diminuem o risco de derrame cerebral mesmo para quem tem o colesterol normal?

Em parte é verdade. O atual corpo de evidências aponta que indivíduos que apresentam fatores de risco vascular como o diabetes e a hipertensão arterial podem se beneficiar do uso das estatinas como prevenção de derrame cerebral, especialmente aqueles com mais de 65 anos de idade. E esse benefício existe mesmo que o indivíduo não tenha problemas com seus níveis de colesterol.

 

A erva Ginkgo biloba ajuda a prevenir o derrame cerebral.

Mito.

São mais de duas décadas de estudos clínicos com resultados que não justificam o uso do Ginkgo biloba paraprevenção de derrame cerebral ou da Doença de Alzheimer.Há estudos em que o uso da erva já foi até associado a um maior risco de derrame cerebral.

 

Ter uma visão otimista da vida protege-nos do derrame cerebral.

Verdade. Uma expectativa negativa do futuro pode influenciar a saúde através de mudanças nos hábitos de vida, mas também por fatores biológicos, como alterações na atividade do sistema nervoso autônomo.

 

Comer peixe ajuda a prevenir o derrame cerebral.

Verdade. Consumo de peixe reduz sim o risco de derrame cerebral. O importante é que esse efeito protetor deixa de existir quando o peixe é frito.

 

O consumo de café faz mal à saúde e pode até aumentar o risco de derrame cerebral?

Mito. O consumo de café está associado a menores índices de mortalidade, especialmente pela redução de infarto do coração e derrame cerebral. Quatro a cinco xícaras por dia traz mais benefícios que consumos menores. 

 

Comer frutas e verduras todos os dias reduz o risco de derrame cerebral.

Verdade. O hábito de comer cinco porções de frutas e verduras por dia traz benefícios inequívocos à saúde dos vasos sanguíneos, com redução expressiva dos riscos de infarto do coração e derrame cerebral. Essa é a atual recomendação da Associação Americana do Coração.

 

Uma dose de álcool por dia reduz o risco de derrame cerebral.

Verdade. Nos últimos anos, uma série de estudos tem demonstrado que o consumo moderado de álcool reduz o risco de doenças cardiovasculares, incluindo o infarto do coração e o derrame cerebral. Isso significa que quem bebe pouco tem menos eventos cardiovasculares do que aqueles que não bebem. Entretanto, o consumo exagerado traz mais risco. Devemos entender consumo moderado como até duas doses de bebida por dia para homens e uma dose para mulheres. As pesquisas ainda apontam que esse efeito protetor do consumo diário e moderado deixa de existir quando a pessoa exagera na dose mesmo que seja por apenas um dia no mês.

 

Mesmo com essas evidências, não é recomendável que indivíduos que não bebem comecem a beber. Entretanto, entre aqueles que já têm o hábito de beber, estes devem beber moderadamente e de preferência vinho tinto.

 

 

Praticar exercícios físicos e manter o peso em dia são atitudes que nos protegem das doenças do coração, mas não do derrame cerebral.

Mito.

Atividade física regular associada ao hábito de não fumar e uma dieta inteligente é capaz de reduzir pela metade o risco de derrame cerebral. Não é pouca coisa não.

 

 

 

 

A revista The Lancet (resumo em inglês) publicou neste mês de dezembro uma importante pesquisa que apontou que o uso diário de aspirina está associado a uma redução dos índices de mortalidade de vários tipos de câncer.

 

Os pesquisadores analisaram oito estudos para prevenção de eventos vasculares que envolveram mais de 25 mil pacientes que usaram aspirina por pelo menos quatro anos. Dos oito estudos, três foram conduzidos na Inglaterra, dois na Escócia, um na Suécia, um nos Estados Unidos e outro no Japão. Os resultados mostraram que o uso diário de aspirina reduziu em 20% o risco relativo de mortalidade por câncer e, após cinco anos do uso da medicação, essa redução de risco chegou a 34%. Diferentes doses de aspirina foram utilizadas, mas doses maiores que 75mg por dia não trouxeram maiores benefícios. Além disso, os achados foram consistentes nos oito estudos, sugerindo que os números não devem ser muito diferentes em populações não incluídas nesta pesquisa.   

 

Pesquisas anteriores já haviam demonstrado que o uso diário da aspirina tem o poder de reduzir o risco de câncer, especialmente o câncer do intestino grosso, onde os resultados são mais consistentes. As evidências do fator protetor da aspirina sobre outros tipos de câncer eram muito frágeis e o atual estudo dá um grande passo nesse sentido: após cinco anos de uso diário da medicação, já se consegue detectar menor mortalidade por câncer de esôfago, pâncreas, cérebro e pulmão. No caso dos cânceres de estômago, próstata e intestino grosso, os efeitos benéficos da medicação são ainda mais tardios. 

 

Esses resultados deverão ter grandes implicações na prática clínica, especialmente para aqueles pacientes que usam medicações antiplaquetárias para prevenção de eventos vasculares. Não é incomum encontrarmos pessoas com fatores de risco vascular como diabetes e hipertensão arterial usando aspirina para prevenir eventos cardiovasculares (infarto do coração e o derrame cerebral). A aspirina é muito bem indicada para quem já apresentou um desses eventos cardiovasculares, e é o que se chama de prevenção secundária. Quanto à prevenção primária, ou seja, prevenir um primeiro evento cardiovascular, os estudos têm demonstrado que a medicação não é eficaz mesmo em pacientes com maior risco de eventos, como é o caso dos diabéticos. Novas pesquisas deverão contemplar também o fator prevenção de câncer na equação de riscos e benefícios, o que pode mudar as atuais recomendações.  

 

Não podemos nos esquecer que muitas pessoas não toleram a aspirina e que ela é considerada uma das dez medicações que mais causam efeitos adversos, especialmente sintomas gastrintestinais e sangramentos. O desenvolvimento de novas fórmulas de seu princípio ativo com maior proteção gástrica pode minimizar parte dos efeitos colaterais.

 

Todo adulto já deveria começar então a usar uma pílula de aspirina por dia para prevenir o câncer? A resposta por enquanto é um inequívoco NÃO. A pesquisa publicada pelo The Lancet foi a primeira a evidenciar esse efeito da aspirina em diversos tipos de câncer e consolidou aquilo que já se conhecia melhor no caso do câncer do intestino grosso. Precisamos aguardar novas pesquisas que deverão definir qual a melhor dose de aspirina, qual a melhor idade para se começar a medicação e por quanto tempo ela deve ser usada, e em quais segmentos da população adulta os benefícios da medicação superam os potenciais efeitos colaterais. Para HOJE, podemos continuar fazendo o dever de casa do dia a dia para a prevenção de câncer:

 

1. ficar longe do cigarro;

2. respeitar o sol;

3. não exagerar no álcool – melhor ainda é nem beber;

4. seguir uma dieta saudável com muitas verduras, frutas e grãos integrais, pouca carne vermelha e do tipo processada (ex: salsichas);

5. manter o peso sob controle e atividade física diária por pelo menos 30 minutos;

6. conversar com o médico de confiança sobre os exames necessários para prevenção de câncer, em que época e com que freqüência fazê-los.

 

Alterações Psiquiátricas pelo uso de Anabolizantes

 

Os esteróides anabolizantes androgênicos (EAA) constituem uma família de hormônios com efeitos anabolizantes (ganho muscular) e também masculinizantes. Na década de 1930 a testosterona foi quimicamente identificada e passou a ser usada no tratamento de quadros psiquiátricos como a depressão. Para os homens com deficiência na sua síntese, sua reposição pode aumentar a energia, libido e até mesmo o humor.

 

Na década de 1950, os EAA já eram usados no mundo do esporte de elite, e nos últimos 30 anos, seu uso entre atletas amadores passou a ser impulsionado pelo modelo de imagem corporal musculoso. Na verdade, essa história é bem mais antiga.  Já em 1889, o famoso médico Brown Séquard dizia se sentir mais forte com a ingestão de um preparado de testículos de cães e porcos e provavelmente não estava enganado. Os hormônios realmente podem aumentar a massa e desempenho muscular além da capacidade aeróbica.

 

A maioria das pesquisas que avaliaram a freqüência do uso dos EAA por jovens do sexo masculino foram feitas em países ocidentais e apontaram que cerca de 3% já usaram esse tipo de hormônio alguma vez na vida. Entretanto, quando se avalia grupos mais restritos, essas cifras são bem maiores. O uso dos EAA entre estudantes universitários americanos não atletas chega a ultrapassar os 10% e é bem mais freqüente entre os rapazes. Cerca de metade dos usuários revelam que usam essas substâncias para melhorar o desempenho físico e a outra metade para melhorar a aparência. Em Porto Alegre, pesquisas realizadas em academias de musculação mostram que 11% dos atletas usam EAA e até 25% já os usaram.

 

O uso dos EAA por atletas amadores vêm quase sempre acompanhado de efeitos colaterais e em um quarto dos casos está associado ao uso de outras drogas como insulina e hormônio do crescimento (Med Sci Sports Exerc 2006). E não faltam efeitos colaterais associados ao uso dos EEA: redução da libido e fertilidade, acne, perda de cabelo e aumento das mamas entre os homens, dependência física e psicológica, variação do humor, sintomas psicóticos, irritabilidade e agressividade, aumento do colesterol ruim e da agregação das plaquetas (engrossa o sangue), doença isquêmica do coração, morte súbita, doença do fígado, dos rins e dos músculos. No caso da mulher, ainda podemos observar sinais de masculinização e alterações do ciclo menstrual. Além disso, adolescentes muito jovens podem ter sua curva de crescimento inibida.  Os efeitos são proporcionais à dose e ao tempo de uso.

 

Outro efeito colateral sério associado ao uso dos EAA é o de que muitas dessas substâncias são de uso injetável, e aí caímos no problema de uso inapropriado de agulhas, sendo que em alguns estudos, o uso compartilhado de seringas é superior a 20% dos usuários.

 

O uso dos EAA é reconhecido mundialmente como prática contrária aos princípios éticos da competição esportiva. O American College of Sports Medicine, maior organização científica dedicada ao esporte, trabalha forte para a proibição dos EAA no esporte e para penalização daqueles envolvidos na produção, prescrição e distribuição dessas drogas com o fim de aumentar o desempenho atlético. No Brasil, é lei desde o ano 2000 que tais medicamentos só podem ser vendidos com receituário médico (e as indicações são para problemas de saúde e não para ficar forte). Entretanto, a maior parte de seu consumo é ilícito e, por incrível que pareça, ainda há médicos que têm prescrito esses hormônios a atletas, com o argumento de que só repõem a quantidade que falta a cada indivíduo. Vale lembrar que a deficiência de hormônios masculinos entre adolescentes e adultos jovens está longe de ser um diagnóstico comum.

 

 

Resfriados são menos comuns e menos fortes em quem faz atividade física regular. Essa é a conclusão de uma pesquisa divulgada nesta semana pelo British Journal of Sports Medicine.

 

Cerca de mil americanos adultos com até 85 anos foram estudados por 12 semanas durante o outono e inverno do ano de 2008. Quatro de cada dez voluntários tinham menos de 40 anos e um em cada quatro tinha mais de 60 anos. Sessenta por cento deles eram mulheres.

 

Todos os participantes do estudo foram avaliados quanto ao nível de atividade física aeróbica e foram submetidos a uma auto-avaliação de preparo físico por uma escala de dez pontos já bem validada.  Responderam também a questionários que avaliavam sintomas de resfriado, hábitos de vida e ocorrência de eventos recentes que tenham provocado estresse psicológico, já que esses podem afetar a resposta do sistema imunológico.  

 

Os resultados mostraram que o número de dias com sintomas de resfriado foi maior no inverno: uma média de 13 dias no inverno e 8 dias no outono. O número de dias com sintomas de resfriado foi cerca de DUAS VEZES MENOR entre aqueles que se sentiam em boa forma física e relatavam fazer atividade física pelo menos cinco vezes na semana quando comparados àqueles que se exercitavam apenas uma vez por semana ou até menos que isso.  A severidade dos sintomas era 41% menor entre aqueles que se sentiam em forma e 31% menor naqueles que se exercitavam mais.

Pesquisas anteriores já haviam demonstrado associação entre atividade física moderada e menor risco de resfriados. Porém, nenhuma delas usou uma ferramenta bem validada que tenha medido de forma objetiva os sintomas, como foi o caso do presente estudo.

 

O efeito protetor da atividade física contra infecções se dá pelo aumento temporário de anticorpos e células de defesa do corpo e, apesar do sistema imunológico retornar ao nível basal após poucas horas, cada um desses incrementos é capaz de melhorar a defesa contra microorganismos agressores. Por outro lado, sabe-se que a atividade física exagerada pode levar a uma disfunção do sistema imunológico, inflamação e estresse oxidativo, aumentando o risco de infecções. Pesquisas também apontam que atletas profissionais podem ter o sistema imunológico menos vulnerável a essas atividades extenuantes.  

 

Diferente da gripe que é causada por um único tipo de vírus, o Influenza, os resfriados são causados por mais de 200 diferente vírus, o que faz com que uma vacina anti-resfriado seja uma realidade muito distante. Entretanto, as pesquisas têm demonstrado que o exercício físico regular tem muito a ajudar na prevenção do problema. Pouco estresse no dia a dia, sono regular e dieta equilibrada também têm o seu papel.

 

* E a vitamina C? As evidências científicas apontam que seu uso como profilaxia de resfriados é justicável em situações de atividade física ou clima frio severos.  Como tratamento, ou seja, depois dos sintomas instalados, a vitamina C não ajuda.

 

 

** CLIQUE AQUI e confira um bate-papo sobre o assunto com o Dr. Ricardo Teixeira e o jornalista Estevão Damasio no dia 05 de novembro 2010 na Rádio CBN Brasília.

 

 

 

A revista Neurology, periódico oficial da Academia Americana de Neurologia, acaba de publicar uma pesquisa apontando que adolescentes com maus hábitos de vida têm dores de cabeça com maior freqüência e que essa associação é mais forte nos casos de dor do tipo enxaqueca.

 

Cerca de seis mil noruegueses com idades entre 13 e 18 anos foram estudados através de avaliação clínica e de um questionário que abordava a prática de atividade física e a presença ou não de tabagismo. Os resultados mostraram que sedentarismo, sobrepeso e tabagismo estavam associados de forma independente à freqüência de dor de cabeça experimentada pelos adolescentes. Além disso, esses fatores tinham efeito aditivo: os que apresentavam dois ou três fatores tinham mais dor de cabeça do que aqueles que possuíam apenas um deles.

 

Enxaqueca é uma disfunção cerebral com forte componente genético e que sofre grande influência de fatores ambientais, já que vários estímulos são capazes de disparar as crises de dor de cabeça. A resposta a cada estímulo é muito individual e por isso é desejável que cada indivíduo identifique os fatores que provocam suas crises e tente evitá-los. Para alguns, o contato com a fumaça do cigarro representa um forte componente desencadeador. Quanto ao exercício físico, alguns portadores de enxaqueca até têm crises por ele provocadas, mas também é bem reconhecido que é um grande aliado para o controle de crises de enxaqueca. Sabe-se também que o sobrepeso está associado a crises de enxaqueca mais freqüentes e o presente estudo foi o primeiro a demonstrar que esse efeito ocorre também entre os adolescentes. 

 

De uma forma geral, qualquer atitude que promova um melhor estado de equilíbrio do corpo e da mente pode ajudar a evitar crises de enxaqueca de quem sofre do problema. E esse problema não tem nada de pequeno. Cerca de 20% das mulheres e quase 10% dos homens têm enxaqueca e a Organização Mundial da Saúde a classifica como a 19ª doença que mais leva à incapacidade funcional das pessoas em países desenvolvidos. No caso da mulher, ela fica em 12º lugar.

 

Apoio

Acompanhe o quadro CUCA LEGAL com o Dr. Ricardo Teixeira na Rádio CBN Brasília às quartas-feiras no horário de 11:35h

Também às segundas no Correio Braziliense

ConsCiência no Dia a Dia – Vencedor Prêmio TopBlog 2009

VISITE O LABJOR

Siga no TWITTER

Twitter

TWITTER

    follow me on Twitter

    Blog Stats

    • 2.952.477 hits