You are currently browsing the category archive for the ‘Sociedade & Meio Ambiente’ category.

China tem 800 milhões de celulares

Nesta última semana tivemos a publicação de um estudo que mostra uma relação causa-efeito inequívoca entre a radiação emitida pelos aparelhos de telefonia celular e alguns tipos de câncer.

O estudo foi realizado com milhares de ratinhos que foram submetidos à radiação comparada à que recebemos do telefone celular por nove horas ao dia, começando no útero materno até o fim da vida. O aparecimento de tumores no cérebro e no coração foi mais comum entre os ratinhos expostos à radiação e de uma forma dose-dependente. Aliás, nenhum dos ratinhos do grupo controle apresentou tais tumores.

A extrapolação desses resultados para o mundo real dos humanos não é imediata, mas o estudo dá uma forte balançada nesse capítulo câncer X celular.

No ano de 2010, foi publicado o estudo multicêntrico INTERPHONE que envolveu mais de cinco mil pacientes com tumores cerebrais de treze diferentes países. Essa pesquisa demonstrou que não havia associação entre o uso do celular e a chance de apresentar tumores cerebrais. Entretanto, os resultados apontaram uma leve tendência de tumores do tipo glioma nos 10% dos indivíduos que mais usavam o celular. Esse foi o tipo de tumor cerebral encontrado no estudo dos ratinhos.

Em 2008, foi publicada uma metanálise, que é um tipo de balanço geral de todos os estudos realizados até então, evidenciando que o uso do celular no longo prazo aumenta o risco de tumores cerebrais (Hardell et al., Int J Oncol 2008). No mesmo ano de 2008, uma série de neurocirurgiões de grande renome mundial passou a se manifestar afirmando que a tarefa de provar definitivamente que o celular causa tumor cerebral é só uma questão de tempo, já que uma lesão dessa natureza precisa de pelo menos dez anos para se desenvolver. Além disso, o jornal oficial da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia em conjunto com outras sociedades de neurocirurgia de nível internacional, conclamou em 2008 a cooperação da sociedade científica com os órgãos governamentais para tirar essa história a limpo, devido à potencial gravidade da situação.

Tanto se reconhece os potenciais riscos à saúde do telefone celular que vários países europeus recomendam restrições ao seu uso.  O último documento da Organização Mundial da Saúde sobre o tema foi emitido em 2011 e enfatiza que os estudos ainda estão sendo conduzidos para avaliar os reais riscos no longo prazo, mas vincularam o uso de celulares com um “possível” risco de câncer cerebral em seres humanos.

Se o telefone celular causa tumor cerebral ou não entre os humanos, isso ainda é uma pergunta em aberto. Porém, algumas dicas podem ser consideradas:

– não exagere na dose;

– deixar o celular longe do corpo sempre que possível;

– o uso de fone de ouvido com microfone que permite uma certa distância do aparelho do corpo não é uma má ideia.

** isto o mundo inteiro já sabe e não há qualquer polêmica: dirigir usando o celular é tão arriscado quanto dirigir embriagado. Pesquisas mostram que até 30% dos acidentes de carro são decorrentes do uso do celular.

.

Estamos familiarizados com ideia de que existem poucas mulheres em posições de poder.  Menos de 15% dos cargos executivos são representados por mulheres e elas compõem menos de 5% da lista dos 500 tops da revista Fortune.

As mulheres enfrentam mais obstáculos que os homens para alcançar posições de poder e, quando alcançam, os obstáculos são maiores do que no caso dos homens. Estamos falando de discriminação mesmo. Elas ainda hoje carregam o estigma de serem menos competentes e preparadas para assumir cargos de liderança.  Além disso, muito preconceito ainda existe ao ver as mulheres “roubarem” tempo da família para se dedicar ao trabalho. A CEO do Yahoo recentemente foi bastante criticada, e por muitos quase “apedrejada”, quando decidiu por uma licença maternidade bem curta após gerar dois filhos gêmeos.

Estudos têm-nos mostrado que existem outras questões que fazem com que as mulheres subam menos na escada de poder no trabalho. Pesquisadores da Universidade de Harvard estudaram mais de 4000 indivíduos incluindo executivos em posições de liderança, alunos de MBA de excelência e até estudantes do college. Eles mostraram que, em todas essas fases da vida profissional, as mulheres têm objetivos de vida mais diversificados, como tempo para se dedicar às suas coisas pessoais (atividade física, lazer e amigos) e tempo para filhos e família. Elas enxergam as posições de poder no trabalho, da mesma forma que os homens, como formas de alcançar respeito, prestígio e riqueza. Entretanto, elas identificam mais pontos negativos que os homens como o estresse e sacrifício da vida pessoal.

Elas consideram que têm o mesmo potencial que os homens em alcançar as posições de poder, mas preferem ficar num degrau intermediário. Elas podem ter o poder, mas não querem. Quando mulheres e homens são interrogados para apontar numa escada três posições hierárquicas, a que eles consideram estar no momento, a que eles teriam capacidade de alcançar e a posição que gostariam de estar, homens e mulheres não são diferentes nas posições que estão no momento e nas que podem alcançar, mas as mulheres se posicionam abaixo dos homens onde gostariam de estar.

Muitas transformações, recentes transformações. As mulheres não querem só comida (poder). Querem comida, diversão e arte. Elas não querem só dinheiro. Querem dinheiro e felicidade. (Comida – TITÃS).

É muito bem reconhecido que o seu sucesso profissional depende de sua personalidade e que as pessoas extrovertidas, proativas, ambiciosas e cuidadosas costumam subir mais na carreira. Porém um estudo recente mostrou que a personalidade  do companheiro ou companheira também faz diferença.

Pesquisadores da Universidade de Washington aplicaram um questionário a 4500 voluntários casados que incluía uma avaliação da personalidade, satisfação com o casamento, estilo de vida e indicadores de sucesso profissional. Eles concluíram que as pessoas que tinham um parceiro ou parceira consciencioso(a) eram as que tinham mais sucesso profissional – mais promoções, melhores salários e maior satisfação profissional. Qual a explicação?

Pessoas conscienciosas são cautelosas e organizadas e gerenciam bem suas vidas. São capazes de oferecer apoio confiável e dividir as tarefas da casa. O estudo mostrou que esse efeito dos parceiros conscienciosos foi evidente para ambos os gêneros e independente da renda da casa vir dos dois ou de um só. Uma pessoa conscienciosa do seu lado também é um estímulo para ter esse mesmo comportamento no trabalho.  Os resultados também mostraram que as pessoas eram mais satisfeitas com o relacionamento quando o parceiro tinha essa característica de personalidade.

Conscienciosos(as) são um partidão. Para a relação e para o sucesso no trabalho.

Conscienciosos são um partidão. Para a relação e para o sucesso no trabalho.

,

O sentimento de estar conectado com as pessoas da comunidade pode até diminuir o risco de infarto do coração.  Essa foi a conclusão de um estudo recém-publicado pelo Journal of Epidemiology & Community Health

Mais de cinco mil voluntários americanos, com uma média de idade de 70 anos, foram acompanhados por quatro anos e responderam a um questionário que avaliava a percepção de coesão social com a vizinhança. Eles tinham que dar uma nota de um a sete para quatro afirmações:

  • Eu realmente sinto que faço parte da comunidade;
  • Se eu tiver algum problema, eu terei uma série de pessoas na vizinhança que eu posso contar com apoio;
  • A maioria das pessoas da vizinhança é confiável;
  • A maioria das pessoas da vizinhança é amigável.

Quanto menor a pontuação nas repostas, maiores foram as chances de sofrer um ataque do coração. Esse efeito foi independente do grau de suporte social de amigos e familiares.

Já existiam algumas poucas pesquisas mostrando um maior risco de infarto do coração e derrame cerebral quando se tem uma baixa coesão social com a vizinhança.  A atual pesquisa foi pioneira ao avaliar o lado positivo de uma boa integração com a vizinhança. Essa coesão social também promove mais saúde mental e favorece comportamentos saudáveis, como a prática de atividade física. .

Outras coisas da vizinhança que fazem diferença na saúde cardiovascular: níveis de ruído, poluição do ar, violência e número de estabelecimentos fast-foods.

 

Apoio

Acompanhe o quadro CUCA LEGAL com o Dr. Ricardo Teixeira na Rádio CBN Brasília às quartas e sextas 11:05h

Também às segundas no Correio Braziliense

ConsCiência no Dia a Dia é acreditado pela Health on Net Foundation – Informação em saúde com credibilidade

ConsCiência no Dia a Dia – Vencedor Prêmio TopBlog 2009

VISITE O LABJOR

Siga no TWITTER

Twitter

CADASTRO

TWITTER

    follow me on Twitter

    Blog Stats

    • 2,534,865 hits