You are currently browsing the category archive for the ‘Equilíbrio Psíquico’ category.

Nesta última premiação do Oscar, estava torcendo para que o filme “O homem que vendeu sua pele” levasse a estatueta de melhor filme estrangeiro, mas o premiado foi outro. Eu consegui assistir apenas dez minutos do filme vitorioso, pois achei realmente muito chato.

O homem que vendeu sua pele conta a história de um refugiado sírio que faz um contrato com um dos artistas contemporâneos mais cultuados do mundo, aceitando ter suas costas tatuadas e tendo que cumprir uma agenda de exposição em diversos museus mundo afora. Apesar de tratar de uma temática sensível, o seríssimo problema dos refugiados e direitos humanos, o filme foi leve e até com final feliz. Nem por isso deixei de passar uns três dias refletindo e refletindo. Depois de assistir ao filme, chegou até mim um artigo de um crítico de cinema falando que “o filme não está à altura das complexas questões que levanta”.

A leveza dos filmes é frequentemente avaliada por críticos de cinema de forma negativa como filmes sem mérito cultural. Não sou crítico de cinema e não tenho por que me aventurar a apontar que eles estão certos ou errados. Mas o fato é que muita gente aprecia os filmes que nos deixam “para cima” que traz uma “good vibe”. Pesquisadores do respeitado Instituto Max Planck na Alemanha recentemente demonstraram o que os filmes que te deixam pra cima têm em comum.

Cerca de 450 voluntários opinaram e os resultados mostraram que além de pitadas de humor e final feliz, o que faz um filme ser “para cima” inclui também personagens fora dos padrões em busca de um grande amor, que precisam lutar contra circunstâncias adversas e que encontram seu papel na comunidade. Além disso, o filme pode ter momentos de drama que provocam respostas emocionais intensas. E muito importante: todos esses atributos são frequentemente banhados por uma aura de fantasia. Muitos dos que participaram do estudo concordam que os filmes que te deixam para cima podem ser sentimentais, não necessariamente artificiais e são tecnicamente bem feitos.   

O ator que faz o sírio que vendeu sua pele ganhou o prêmio de melhor ator no Festival de Veneza de 2020, mas o filme tem romance, final feliz… Mas prêmio de melhor filme aí já é demais com uma mistura dessas.

“Aí, maloqueiro / levanta essa cabeça / enxuga essas lágrimas, sério / respira fundo e volta pro ringue / você vai sair dessa prisão / você vai atrás desse diploma / com a fúria da beleza do sol, entendeu / faz isso por nós / faz essa por nós / te vejo no pódio”. (Trecho de encerramento de AmarElo – Emicida)

Artistas de Rap são celebridades fortemente reconhecidas pelo público jovem não só nos EUA, mas em inúmeros países em todo o mundo. Uma análise qualitativa das letras das 125 músicas americanas mais populares desse estilo entre os anos de 1998 e 2018 mostrou que houve um significativo aumento da abordagem de temas relacionados à saúde mental: suicídio de 0% para 12%, depressão de 16% para 32% e metáforas relacionadas à saúde mental de 8% para 44%. Nesse mesmo período houve um drástico aumento na prevalência de transtornos mentais entre os jovens americanos.

O estudo acaba de ser publicado pelo periódico JAMA Pediatrics. Novas pesquisas são necessárias para examinar os efeitos negativos e positivos desse aumento substancial nas mensagens que abordam a saúde mental. Pode ser positivo, pois tem o potencial de reduzir o estigma dos transtornos mentais e aumentar a busca por tratamento. Ansiedade, por exemplo, afeta 30% dos adolescentes, mas 80% deles nunca procuraram assistência médica ou psicológica. Apenas 50% dos adolescentes com depressão são diagnosticados antes de atingirem a idade adulta.

Enquanto isso na pandemia… Nos EUA, sintomas de ansiedade triplicaram quando comparado ao ano de 2019 e sintomas depressivos quadruplicaram. A mudança é bem maior à encontrada após o atentado terrorista de 11 de setembro ou o furacão Katrina. E os jovens são especialmente vulneráveis. Cerca de 63% dos americanos com idades entre 18 e 24 anos demostram nesse período de pandemia transtornos de ansiedade ou depressão, 25% relatam que bebem e fumam mais devido ao estresse associado à pandemia e que já consideraram “seriamente” a possibilidade de cometer suicídio.

Unrecognizable female meditating on grass in highlands on sunny day

Por Dr. Ricardo Teixeira*

Pesquisadores da Universidade Wisconsin-Madison nos EUA nos brindaram com um super presente neste fim de ano, uma revisão cuidadosa das dimensões da nossa mente que podem ser treinadas para alcançarmos um melhor equilíbrio psíquico no nosso dia a dia. Depois de nove meses nas incertezas geradas pela pandemia, isso se torna uma ferramenta extremamente útil para nosso bem-estar. Uma pesquisa recente nos EUA demonstrou que enquanto no início da pandemia 33% dos americanos se sentiam afetados psicologicamente, em julho os números já eram de 53%   


O primeiro aspecto a ser treinado é a consciência, atenção ao meio em que se vive, aos sentimentos, pensamentos e sensações. Exercícios de meditação e psicoterapia são ferramentas preciosas para melhorar esse nível de consciência. Um estudo conduzido em 83 países apontou que os adultos passam em média 47% do tempo em que estão acordados sem essa consciência, essa atenção, como se estivessem no piloto automático. E acreditem, ao exercitar a consciência, temos mudanças críticas em circuitos neuronais que facilitam nossa vida.

O segundo exercício é o de conexão, que pode ser chamada também de valorização do outro, bondade e compaixão. É um senso de cuidado aos outros do nosso círculo social e também fora desse círculo com ações humanísticas, altruístas.

O terceiro exercício é para fortalecer nosso insight, ou seja, nosso discernimento, entender a maneira como nossas emoções, pensamentos e crenças afetam nossa experiência subjetiva. Ao nos encontrarmos ansiosos numa dada situação, o insight nos permite reconhecer como as memórias de experiências anteriores colaboram para uma expectativa exagerada de resultados negativos. Psicoterapia e algumas formas de meditação podem fazer nosso insight florescer.  

E enfim o quarto exercício é o de encontrar nosso propósito de vida. É deixar claro quais são nossos valores e objetivos na vida. Estudos mostram que valores e objetivos orientados ao poder e dinheiro têm menores resultados no bem-estar psíquico quando comparados a uma missão de vida voltada às conexões sociais e a contribuições à comunidade. Existem alguns tipos de psicoterapia voltadas ao treinamento de nossa mente para se manter fiel à nossa missão. O psiquiatra austríaco e sobrevivente do Holocausto Viktor Frankl disse: “A vida não deixa de ser suportável por conta das circunstâncias, mas quando ela deixa de fazer sentido”.

Esse treino pode e deve ser diário e promete fazer com que passemos a ser os reais pilotos da nossa mente.

.

*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Woman in Green and White Stripe Shirt Covering Her Face With White Mask

Nos últimos meses ouvimos quase que diariamente a recomendação de evitar aglomerações e muitos estão separados da família e dos amigos, com uma vida social bem diferente do que era antes da pandemia. E o que acontece com nosso cérebro quando subitamente reduzimos nossas interações sociais?

Pesquisadores alemães trouxeram algumas respostas após um período de isolamento na Antártida por mais de um ano. Quando voltaram à civilização, percebiam quase tudo de forma distinta. As cores, as plantas e as pessoas, por exemplo. O cérebro parecia não ser mais o mesmo. A maior parte da equipe voltou com menores volumes dos hipocampos, estruturas cerebrais fortemente ligadas à memória, navegação espacial e emoções. Essa mudança estrutural já havia sido apontada entre presos na solitária.

Neste último mês, um estudo conduzido pelo MIT nos EUA mostrou as mudanças funcionais no cérebro após um isolamento social em laboratório por 10h, sem acesso a dispositivos eletrônicos, livros ou qualquer passatempo. Assim como ficamos fissurados por comida após um período de jejum prolongado, o isolamento social leva à fissura por pessoas, envolvendo circuitos idênticos no mesencéfalo, estrutura no tronco cerebral. O mesmo já havia sido demonstrado entre camundongos. Isso nos mostra, em outras palavras, o tanto que as interações humanas são uma necessidade básica do ser humano, não muito diferente da comida! E enquanto não formos todos vacinados, vamos manter fortes nossas interações virtuais.    

Close-Up Photo of Woman Using Phone

.

Você prefere ganhar 100 reais hoje ou esperar uma semana para ganhar 120? Um recente estudo conduzido por pesquisadores de Berlin na Alemanha aponta que quanto mais usamos os smartphones, especialmente com jogos e aplicativos de redes sociais, maior a tendência em escolhermos a primeira alternativa: 100 reais agora.  


Estudos anteriores já haviam demonstrado similaridades comportamentais entre o uso excessivo de smartphones e comportamentos como abuso de álcool e outras drogas, assim como jogo compulsivo. Esses estudos foram baseados na descrição por parte dos usuários da quantidade de horas diárias da utilização do dispositivo, mas nessa nova pesquisa os voluntários tiveram seus smartphones monitorados para quantificação dos diferentes usos por 7 a 10 dias. Além disso, eles eram submetidos a testes que acessavam o autocontrole e o comportamento diante de recompensas.    

Os resultados apontaram que as atividades no smartphone mais associadas a um comportamento impulsivo foram aqueles que estimulam recompensas de forma mais explícita como os jogos e redes sociais.  O tempo de uso em aplicativos de compras, música e podcasts, e-mails não mostrou associação com o comportamento de impulsividade pela recompensa. 

Photo of a Man Sitting Under the Tree

Temos inúmeras evidências do quanto a natureza é benéfica para o cérebro e nosso equilíbrio psíquico. Indivíduos que passeiam por áreas arborizadas têm menor produção de cortisol, o hormônio do estresse, do que aqueles que fazem o mesmo numa rua comercial agitada.  Uma pesquisa recente aponta que esse benefício já acontece com 20 minutos de uma vivência em ambiente arborizado, independente de atividade física.

Alguns países como a Finlândia, Inglaterra, Japão e Coréia do Sul já entenderam bem o recado e têm programas de “banhos de floresta” como forma de promoção da saúde. São muitos os benefícios já demonstrados com essas “pílulas de natureza”. Além da promoção do equilíbrio psíquico, temos ganhos na atenção, memória, linguagem e até na capacidade criativa. Também temos menores índices de doença cardiovascular, obesidade, diabetes, hospitalização por crises de asma e, finalmente, menor mortalidade.

A conclusão lógica é que isso deve fazer parte da prescrição médica, mas um estudo que acaba de ser publicado pela prestigiada revista Scientific Reports mostra que pacientes com ansiedade e depressão colhem os frutos dessa imersão na natureza somente se o fazem de forma voluntária. A prescrição médica de contato com o verde até provocava piora dos sintomas de ansiedade.

Esse último estudo envolveu mais de 18 mil voluntários de 18 diferentes países. Os pesquisadores ficaram surpresos ao identificar que os pacientes com depressão tinham tanto contato com a natureza que aqueles sem um diagnóstico psiquiátrico, e que os pacientes com transtornos de ansiedade tinham até mais contato.

O estudo joga luz na sensibilidade que profissionais de saúde e pessoas próximas de pacientes com ansiedade ou depressão devem ter ao convencê-los em adotar um hábito saudável. Conseguir ser encorajador estimulando a motivação intrínseca de cada um é uma arte.      

Inline image

Os humanos passam a apresentar amizades mais seletivas à medida que atravessam as décadas de vida. Damos prioridade a relações bem estabelecidas e passamos a evitar aquelas que trazem tensão e conflito. É como se não tivéssemos mais tempo para desperdiçar com relações sem muito sentido. Uma pesquisa recém-publicada pela revista Science mostra que os chimpanzés têm o mesmo comportamento, apesar de não terem consciência da finitude da vida.

Pesquisadores da Universidade de Harvard estudaram a socialização de chimpanzés selvagens durante 78.000 horas por um período de 21 anos em Uganda. Os chimpanzés à medida que envelheciam davam prioridade a relações com reciprocidade. Por exemplo, àqueles que retribuíam o ato de limpar o outro, conhecido por “grooming” na língua inglesa.

Isso me fez lembrar do nosso atual momento de pandemia. Li um artigo há pouco tempo, não me lembro a fonte, que discutia o futuro do nosso círculo social a curto e médio prazo e uma aposta que será mais seguro termos convívio pessoal em um círculo mais restrito de amigos. Talvez demore um pouco para podermos encontrar a “galera” e vamos ter que ficar velhos na marra…

É fato que nós humanos, após os 30 anos de idade, temos cada vez menos amizades novas. Isso é mais frequente ainda entre os homens. Um estudo mostra que o pico de amigos em nosso círculo social se dá aos 25 anos de idade com uma queda drástica após essa idade. Acredita-se que não perdemos nossas habilidades sociais, mas há uma mudança dos horizontes de responsabilidades que explica esse fenômeno. Entenda a mudança nos horizontes de responsabilidade pelo maior interesse que temos por pessoas que dividem interesses comuns, mais afinidades. Pais que se dão melhor com casais que compartilham entre si a experiência de cuidar dos filhos é bem diferente da situação dos mil amigos que um adolescente tem no ensino médio simplesmente por estudar na mesma escola.

.

A relação entre os sonhos e a experiência do medo tem sido mostrada ao longo do tempo em diversas culturas. O que os nossos ancestrais interpretavam como conselhos de divindades, hoje a neurociência e a psicologia enxergam nos sonhos um mecanismo cerebral de processamento de emoções negativas com chance de aprendizado para preparar o indivíduo para os desafios do dia a dia.

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em parceria com a Universidade Federal de Pernambuco, têm desenvolvido técnicas para interpretação do sofrimento humano através de aplicativos que analisam as entrelinhas dos relatos de sonhos. Eles analisaram, com a ajuda de softwares, áudios que voluntários gravaram em seus smartphones sobre o conteúdo dos seus sonhos no ano de 2019 e nas primeiras semanas do anúncio da pandemia em 2020.   

Os resultados mostraram que os sonhos durante a pandemia eram mais relacionados a sentimentos negativos como tristeza e agressividade quando comparados aos sonhos antes da pandemia. No período da pandemia, a narrativa dos sonhos trazia mais ideias de contaminação e limpeza e as pessoas que expressavam esses conteúdos de forma mais robusta eram os que tinham maior dificuldade em se se adaptar à quarentena e que apresentavam maior sofrimento psíquico.

Outros estudos têm mostrado que as pessoas têm sonhado mais e dois conteúdos bastante recorrentes nos sonhos têm sido ameaças de outras pessoas e tarefas mal executadas, como perder o controle da direção de um automóvel. Uma pesquisa realizada com 100 enfermeiros em Wuhan na China apontou que 45% estavam apresentando pesadelos, cifra duas vezes maior que a de pacientes psiquiátricos e muitas vezes maior que os 5% da população geral.

Estamos longe de um normal, não é?

Woman in Gray Tank Top

.

Uma pesquisa recém-publicada pelo periódico Sleep da Academia Americana do Sono aponta que a privação de sono faz com que as pessoas percebam que passaram o dia com mais raiva.

 

Primeiro os pesquisadores analisaram por um mês os diários de estudantes universitários que continham seus padrões de sono, fatores estressantes e sentimento de raiva. A análise desses diários mostrou que os estudantes sentiam mais raiva nos dias em que tinham dormido menos na noite anterior.

 

O estudo incluiu também uma experiência com voluntários da população geral que eram submetidos à exposição de um ruído irritante. Uma parte dos voluntários era instruída a dormir nas duas noites anteriores à exposição apenas cinco horas e foram esses os que menos se adaptaram ao ruído e reportaram mais o sentimento de raiva. Resultados semelhantes foram demonstrados em uma pesquisa que investigou esse mesmo efeito da privação do sono em um jogo competitivo.

 

Privação de sono tem mesmo a capacidade de mexer com muitas dimensões da nossa mente e do nosso corpo. Ficamos mais raivosos, comemos mais, compramos mais, mais pressão alta, aterosclerose e doença cardiovascular, mais comportamentos de risco, mais enxaqueca, e , claro, piora do desempenho cognitivo.

Woman Working At Home With Her Laptop

 

Antes da pandemia já vivíamos uma pandemia de solidão, especialmente na Europa e América do Norte. Em alguns países desses continentes, cerca de metade dos adultos vivem sozinhos.  Latino-americanos, africanos e asiáticos têm uma tendência maior em viver em família.

Antes da pandemia, havia a estimativa que dois terços dos americanos se sentiam solitários. A mesma metodologia utilizada nos estudos pré-pandemia continuou sendo aplicada nesses últimos meses de quarentena e a expectativa era que essa percepção de solidão fosse crescendo. Mas as pesquisas recentes não têm mostrado isso.

Quando se coloca a afirmação “Eu recebo o suporte emocional e social que eu preciso”, não houve piora nas respostas do inicio do ano sem quarentena e após a deflagração da pandemia. Houve até um leve incremento da percepção de suporte emocional e social após o início da quarentena entre americanos adultos estudados e isso foi confirmado por um estudo que incluiu adultos de 28 países. Outra pesquisa realizada na Alemanha apontou que houve no primeiro mês da quarentena uma maior percepção de solidão seguida por um declínio desse sentimento. Isso sugere que o súbito isolamento social promoveu uma adaptação rápida às circunstâncias, provavelmente através do incremento de outras formas de conexão com o outro. Sozinhos, porém não solitários.

O distanciamento social tem provocado o reconhecimento da importância de nossas relações sociais, interações que a ciência mostra um inequívoco efeito positivo sobre nossa saúde e longevidade. Além disso, muitos estão se dando a oportunidade de ações voluntárias no apoio aos mais vulneráveis de suas comunidades, gerando um senso importante de pertencimento de um todo. Estudos mostram que após o fatídico ataque terrorista de 11 de setembro, os americanos mostraram-se mais solidários e gentis. A pandemia pode estar trazendo a experiência coletiva de que estamos todos no mesmo barco.

É fato que essa é uma tendência quando se analisa um grupo, mas individualmente há aqueles que sofrem mais como os que vivem sozinhos ou que apresentam uma doença crônica incapacitante. Sofrem mais também as gerações mais novas, homens e residentes em países como uma cultura individualista.

Até o momento não temos evidências que mostrem que o afastamento social tem nos tornado mais solitários. Certamente, as plataformas digitais que permitem interações com as pessoas importantes de nossas vidas têm sido grandes trunfos para enfrentar o COVID 19.

Silhouette Photo of Woman

Por Dr. Ricardo Teixeira

Imagine só que pesquisadores do MIT (Massachusetts Institute of Technology) iniciaram um estudo sobre os efeitos cerebrais do isolamento social há três anos, sem a mínima ideia do que nos esperava no ano de 2020. Os achados inéditos mostram que regiões profundas do cérebro que modulam impulsos básicos de recompensa e motivação estão envolvidas tanto na experiência da fome como da solidão. A conclusão é que tanto comer e se conectar com os outros são experiências fundamentais para nossas vidas.

Os voluntários da pesquisa foram submetidos ao exame de Ressonância Magnética Funcional e durante o exame eram apresentados a imagens de interações sociais próprias ou alimentos preferidos, a depender se estavam sendo testados para isolamento ou fome. A ativação do cérebro foi semelhante em ambos os casos e também similar ao efeito da exposição de imagens da droga mais usada por pacientes em tratamento para drogadição.

O próximo passo é avaliar o quanto o cérebro realmente se satisfaz com as diferentes formas de mídias sociais. Com a pandemia, verbas para essa pesquisa certamente não faltarão.

.

* Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Low Light Photography of Books

.

 

Isolamento social. Mas que experiência desafiadora, hein? A quarentena tem sido muito mais difícil para alguns do que para outros e são inúmeras as razões para essas diferenças. Extrovertidos sofrem mais que os introvertidos, quem mora numa quitinete sofre mais do que aquele que mora numa mansão, e por aí vai. Mas existe uma experiência nessa época que pode facilitar a vida de qualquer um de nós e estamos aqui falando na diversificação de experiências no dia a dia.

 

Uma pesquisa recém-publicada pela revista Nature Neuroscience aponta que pessoas que têm maior diversidade de deslocamento espacial com o passar dos dias, lugares diferentes e mais novidades, sentem-se mais positivas e com maior atividade no circuito que liga duas regiões cerebrais fortemente associadas ao bem estar.  Isso não é diferente entre animais de laboratório. Aqueles que têm um ambiente amplo e cheio de novidades tem um comportamento de maior sociabilidade e resiliência ao estresse. Além disso, esses animais têm maior ativação desse mesmo circuito demonstrado agora em humanos.

 

O estudo foi feito antes da pandemia quando as pessoas podiam se deslocar à vontade. E agora na quarentena? Uma dica preciosa é se deslocar à vontade por vídeo chamadas com as pessoas queridas, bons romances e filmes, apreciação de todas as formas de arte. Criatividade e novidades diárias. Isso certamente provocará efeitos no cérebro que facilitarão sobremaneira a travessia dessa tempestade que estamos vivendo.

Close-up of Hands

 

Alguns enxergam a religiosidade simplesmente como uma forma de controle social, algo maior vigiando o comportamento humano. Outra forma de entendê-la é pensar que a evolução da espécie humana favoreceu a experiência religiosa como um mecanismo que ajuda a manter comunidades unidas e também a promover um melhor autocontrole mental. A princípio, quando uma meta é encarada como sagrada, o indivíduo teria maior tendência em se esforçar para alcançá-la. Mais do que isso, o sagrado abastece a mente humana no desafio de pensar sobre a vida e a morte, e em tempos mais remotos, isso era fundamental para o entendimento dos sonhos e fenômenos da natureza.

Marx, Freud, Weber, entre tantos outros, defenderam a ideia de que a modernidade reduziria a influência das crenças religiosas na sociedade. No Brasil, nos últimos 20 anos, houve um discreto aumento na porcentagem de brasileiros que dizem não ter uma religião: em 1991 essa cifra era de 4.75%, em 2009 passou para 6.7% e pesquisa Datafolha publicada em janeiro de 2020 pelo jornal Folha de S.Paulo aponta que 50% dos brasileiros são católicos, 31%, evangélicos, e 10% não têm religião.

A religiosidade tem seu lugar no cérebro? A neurociência tem demonstrado que a experiência religiosa estimula circuitos cerebrais do neurotransmissor dopamina, os mesmos circuitos que são considerados disfuncionais em transtornos neuropsiquiátricos em que a hiperreligiosidade faz parte do quadro clínico, como é o caso da epilepsia do lobo temporal, esquizofrenia, mania e transtorno obsessivo-compulsivo. Sistemas cerebrais da serotonina também parecem estar implicados, já que drogas que têm influência sobre eles são facilitadoras da experiência religiosa. Entre essas drogas podemos citar o LSD, mescalina, ecstasy, e o chá de Ayahuasca utilizado pelo Santo Daime e União do Vegetal.

Cientistas das universidades americanas de Columbia e Yale demostraram recentemente que o estado de conexão com algo maior, seja pela experiência religiosa ou não, está associada a uma menor atividade da região parietal do cérebro. Ao alcançar esse estado de consciência, a pessoa apresenta um adormecimento de uma região fortemente vinculada à percepção de si mesmo e dos outros.

Quando pensamos na influência da fé na evolução de problemas de saúde, vale a pena refletir sobre o poder do efeito placebo. A origem do termo é o verbo placere do latim que significa AGRADAREI.  A simples expectativa positiva de que um tratamento pode nos fazer bem já é capaz de provocar mudanças fisiológicas em nosso corpo, e esse é o chamado efeito placebo. Pessoas que apresentam boa resposta ao placebo apresentam circuitos cerebrais de dopamina com maiores concentrações desse neurotransmissor. Também há evidências de que as concentrações dos opioides endógenos e de serotonina são influenciadas pela expectativa positiva. Isso tudo pode ter repercussões sobre o sistema imunológico e favorecer a evolução de uma condição de saúde. Se uma pílula de farinha já é capaz de provocar esses efeitos, podemos tentar imaginar o que a prece ou um ritual religioso pode promover. Esse é um modelo que a ciência tem para explicar os efeitos da fé sobre a mente e o corpo. Isso não quer dizer que outros mecanismos ainda intangíveis não possam ser descritos no futuro.

A religiosidade faz bem mesmo à saúde? Já temos um razoável corpo de evidências que indivíduos com uma maior vivência religiosa / espiritual têm maior capacidade de lidar com o estresse emocional, uma melhor saúde mental de forma geral e, em situações de doença, cooperam mais com o tratamento. Além disso, o envolvimento com uma comunidade religiosa está associado a uma maior rede social, e há tempos sabemos que pessoas socialmente integradas têm menos chance de adoecer, e quando doentes, a rede social é uma das principais fontes de apoio. Esse pode ser um dos principais fatores que explicam resultados de maior longevidade entre as pessoas com maior religiosidade. Assume-se também que essas pessoas têm a tendência a apresentar hábitos de vida mais saudáveis.

Entretanto, as crenças religiosas nem sempre estão a favor da saúde do paciente, já que podem em alguns casos dificultar a aderência ao tratamento com ideias do tipo: esse é o desejo de Deus, Deus me abandonou, este é o meu destino, este é o meu castigo, etc. Em situações como essas, é bem razoável que a equipe de saúde esteja minimamente preparada para abordar dimensões religiosas / espirituais do paciente e assim aumentar a aderência e sucesso do tratamento.

Resultado de imagem para jack nicholson oscar

,

Nossa história começa no ano de 2001 quando dois pesquisadores de Toronto no Canadá realizaram um estudo bastante provocativo. Redelmeier e Singh analisaram a longevidade de mais de 700 atores / atrizes que haviam atuado em filmes e que tenham recebido indicação ao Oscar.  Para cada ator / atriz indicado ao Oscar, eles identificaram um outro ator / atriz do mesmo sexo, com semelhante faixa etária e que havia participado do mesmo filme, mas que não havia sido indicado ao Oscar.

Todas as indicações de Oscar foram analisadas desde a criação da Academia até o ano 2000. Três grupos foram criados: 1) Vencedores: os que levaram a estatueta para casa; 2) Indicados: os que foram indicados, mas não ganharam; 3) Controles: nunca indicados e que nunca ganharam. Exemplos: Jack Nicholson foi classificado como Vencedor, pois já havia sido premiado três vezes na época; Richard Burton foi classificado como Indicado, pois já havia recebido sete indicações, mas nunca ganhou; Lorne Green era do grupo Controle, nunca indicado, e, claro, nunca ganhou.

Vejam só o que eles encontraram. De um total de 1649 artistas incluídos no estudo, 772 já haviam morrido. As principais causas de morte foram doença isquêmica do coração, derrame cerebral e câncer, e não foi diferente entre os três grupos. O nível educacional também não era diferente entre os grupos. Os Vencedores viveram cerca de 4 anos a mais que o grupo Indicados e o grupo Controles  (Vencedores: 79.7 anos; Indicados: 76,1 anos; Controles: 75.8 anos). Do ponto de vista estatístico, os Indicados apresentaram a mesma longevidade dos Controles. Entre os Vencedores, quanto mais jovens ao receber o Oscar, ou o primeiro Oscar, maior a longevidade. Os resultados não foram diferentes entre Vencedores de papel principal ou coadjuvante. Entretanto, os Vencedores de mais de um Oscar viveram 6 anos a mais que os controles: sorte do Jack Nicholson.

E como explicar esses resultados? A longevidade dos seres humanos tem sido consistentemente associada ao status socioeconômico. Os ricos vivem mais que os pobres. Aqueles que receberam maior contingente de educação formal também vivem mais. E por que será que o sucesso por si só também poderia nos trazer mais anos de vida? Vamos às hipóteses.

Pessoas de sucesso como os “Vencedores” são personalidades de grande visibilidade e buscariam andar na linha para não arranhar suas imagens. Muitas vezes, os próprios contratos com a indústria do cinema os obrigam a ter bons padrões de comportamento. Além disso, são cercados de assessoria para manter a forma física, boa alimentação, entre outros hábitos salutares. Conhecemos inúmeras histórias de celebridades que contrariam totalmente esse argumento, mas talvez não seja a regra. Nesse estudo, mesmo o grupo Controles apresentou maior longevidade que a média da população americana no mesmo período.

 

No ano de 2006 a mesma revista científica publicou uma crítica muito bem estruturada sobre o método de análise estatística do artigo publicado em 2001, sugerindo que o grupo Vencedor foi privilegiado, colocando em xeque os resultados de forma bastante contundente. Foi um balde de água fria, mas o assunto ainda não está encerrado. Ainda se discute que “Vencedores” podem até viver mais, mas não como consequência do sucesso. Ao invés disso, o sucesso seria o resultado do perfil de indivíduos com maior capital de saúde, e que também viveriam mais. Esse efeito foi sugerido em 2003 após análise da longevidade dos membros da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, comparando vencedores do Prêmio Nobel com não vencedores. Os vencedores do Prêmio Nobel viveram mais! Talvez essas celebridades tenham uma genética privilegiada não só do ponto de vista cerebral.

Redelmeier e Singh, os autores do estudo dos “vencedores”, analisaram também a longevidade de roteiristas de cinema e publicaram os resultados num dos mais respeitados periódicos científicos do mundo. A hipótese era de que o fato dos roteiristas gozarem de menos glória e sucesso que os atores, o efeito Oscar seria menos pronunciado. Resultado: aqueles que venceram o Oscar viveram três anos e meio a menos que aqueles que foram só indicados (Indicados: 77.7; Vencedores 74.1). Os roteiristas vencedores de Oscar que trabalhavam mais intensamente (maior média de filmes por ano) viviam menos ainda. Mesmo entre os roteiristas não agraciados com o Oscar, aqueles que escreviam mais filmes por ano também viviam menos. Discute-se que hábitos saudáveis talvez não sejam tão cobrados de roteiristas, pois muitos mantém-se em relativo anonimato quando comparados a atores / atrizes. Estudos anteriores já haviam evidenciado menor longevidade entre escritores, e uma das explicações é o estilo de vida menos saudável (ex: inatividade física, sono irregular). Questões até mesmo existenciais são contempladas, especialmente no caso dos poetas.

Ao fazermos um balanço geral dessas informações à luz do conhecimento atual, é bem razoável pensar que indivíduos com perfil genético vantajoso viverão mais e terão também mais chances de atingirem o sucesso (vantagens cerebrais). A vida de celebridade realmente pode ser um fator modulador positivo dos hábitos de vida, e isso precisa ser melhor investigado. No caso dos roteiristas, precisamos ser cautelosos e não sairmos dizendo por aí que trabalho faz mal à saúde, pois sabemos que faz bem quando é realizador e bem dosado. Melhor ainda quando associado a outros hábitos saudáveis. Certamente muitos cinéfilos argumentarão que vincular talento e sucesso no universo do cinema à estatueta é no mínimo discutível. Na pesquisa dos roteiristas de cinema, o Oscar mais uma vez foi a medida do sucesso.  No grupo daqueles que foram só indicados, mas nunca venceram, podemos encontrar nada mais, nada menos que Stanley Kubrick, Ingmar Bergman e Frederico Fellini. Não deve ter sido a falta de sucesso e talento que fez Bergman viver 91 anos.

 

 

Imagem relacionada

.

Estudos frequentemente citados demonstram que quase metade das pessoas contam uma a duas mentiras por dia, mas uma pesquisa recém-publicada pelo periódico PLOS ONE mostra que 40% das mentiras têm origem numa pequena parcela da população. A maioria das pessoas não mente com tanta frequência. A pesquisa ainda aponta que os homens acham que mentem melhor  que as mulheres duas vezes mais. 

 

Os mentirosos costumam ser falastrões e preferem mentir pessoalmente ao invés de usar telefone, mensagens digitais e mídias sociais. E isso acontece de forma difusa: com familiares, amigos e colegas de trabalho. o par romântico, e a mentira é menos comum com os chefes.

 

Uma das maiores estratégias dos mentirosos é contar histórias plausíveis, próximas da realidade, de forma clara e sem fornecer muitos detalhes. Quanto melhor uma pessoa achar que mente , mais mentiras ela propagará. Os tipos de mentira mais frequentemente encontrados nessa amostra de 200 pessoas, em ordem decrescente, foram: mentiras “brancas” (inocentes: falar que a comida estava ótima quando na verdade…), exageros, informação velada e fantasias.

 

 

 

T

 

Man And Woman Wearing Brown Leather Jackets

.

Memória de trabalho é a capacidade que nosso cérebro tem de guardar simultaneamente várias informações ao resolver um problema. Mais ou menos assim: quanto é cinco mais a soma de sete com seis mais a soma de oito com nove? Sua memória de trabalho lhe permite chegar ao resultado de 35. Esse foi um exemplo matemático, mas precisamos da memória de trabalho numa simples conversa, mantendo na memória os pontos que o outro está lhe falando. Um estudo recém-publicado pelo Journal of Experimental Psychology General demonstrou que esta habilidade facilita a relação entre os casais.

Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte nos EUA conduziram um estudo longitudinal mostrando que quanto maior a capacidade de memória de trabalho num casal maior também a redução da severidade nos problemas de relacionamento que enfrentam. Todo relacionamento atravessa problemas de tempos em tempos, mas a forma como esses problemas são resolvidos determina o quanto a relação é satisfatória e duradoura.

Eles acompanharam uma centena de casais que tinha uma união estável há menos de três meses. Os voluntários eram submetidos inicialmente a uma bateria de testes para medir a capacidade da memória de trabalho e em seguida passavam por duas discussões que envolviam resoluções de problemas da relação. Cada um escolhia um tópico que achava que podia ser melhorado se o outro mudasse seu comportamento. Quatro e oito meses após as discussões eles eram interrogados sobre o quanto aqueles problemas melhoraram ou pioraram. Os casais que apresentaram melhor desempenho na memória de trabalho tinham uma tendência em ter seus problemas minimizados com o tempo. Eles também se lembravam mais das posições do outro durante as discussões.

São várias as razões que explicam uma menor memória de trabalho entre os voluntários. Essas causas vão desde à característica inerente do indivíduo, aquela que que o seu desenvolvimento cerebral ao longo dos anos lhe permitiu, até fatores situacionais como estresse, cansaço mental e falta de interesse. Independente da razão, se na discussão da relação, a memória de trabalho do outro é ineficiente, menores as chances de sucesso na compreensão e atitude frente aos problemas.

Dica valiosa desse estudo: se for discutir a relação escolha um momento que ambos estão descansados e com a atenção plena. Que tal combinar um café no começo do dia?

Red and White Dart on Darts Board

.

Quando pensamos em sucesso vêm às nossas mentes conceitos como boas ideias, trabalho duro, disciplina, criatividade, imaginação, perseverança e até sorte. O que uma pesquisa recente publicada pela Nature nos aponta é que os fracassos devem fazer parte dessa lista também. Mas não é qualquer fracasso. São aqueles que fazem a gente nos aprimorar para as próximas tentativas e que estas não demorem a acontecer.

Os autores do estudo mostram que o que separa os “winners” dos “losers” não é a persistência. Ambos tentam o mesmo número de vezes para alcançar o objetivo, só que os “winners” chegam lá. Eles trabalham duro da mesma forma, mas de forma mais esperta. Os fracassos servem de guias para o aperfeiçoamento para a próxima tacada. Não agem com impulsividade diante de uma batalha perdida. Estão pensando em vencer a guerra. Os “losers” não necessariamente trabalham menos, mas fazem mudanças de táticas além do necessário.

Outro ponto que diferenciava os projetos de sucesso foi a rapidez com que as novas tentativas aconteciam. Quanto mais rapidamente você perceber o fracasso e se organizar para uma próxima investida, melhor. O orientador da minha tese de doutorado, Fernando Cendes, me introduziu esse conceito de forma muito convincente. “Ricardo, se você não encontrar os resultados que procura nessa amostra de 20 indivíduos, não adianta procurar em outros cem. Mude sua tática”.

As conclusões do estudo não querem dizer que disciplina e sorte, por exemplo, não tenham seu valor. Mas se todos têm esses atributos de forma equânime, usar o fracasso de forma inteligente e rápida faz toda a diferença. Os pesquisadores estudaram milhares de pedidos de financiamento de pesquisa e desempenho de startups. Curiosamente avaliaram também o “sucesso” de terroristas e atentados sem mortos foram considerados fracassos. Os resultados foram aplicáveis para esses três diferentes universos e provavelmente para muitos outros que não foram estudados aqui.

White and Blue Crew-neck T-shirt

.

A história que veremos abaixo já foi demonstrada também no tratamento de dor crônica, rinite alérgica, enxaqueca e síndrome do intestino irritável. Dessa vez o caso foi com a ansiedade antes de fazer uma prova. O uso do placebo, mesmo que o voluntário saiba que é placebo o que está usando, pode trazer benefícios em todas essas condições.

 

Um estudo recém-publicado pelo periódico Scientific Reports apontou que voluntários que usam pílulas de placebo por duas semanas antes de uma prova apresentam menos ansiedade na véspera da prova e ainda se sentiam mais confiantes. O curioso é que eles sabiam mesmo que era placebo. Eram instruídos que placebo pode ter efeitos significativos e que, se fossem sorteados a usá-los, deveriam ter um pensamento positivo para potencializar seu efeito.

 

Mas por que o placebo funciona? Uma possível explicação é a de uma resposta condicionada. Em alguns momentos da vida os voluntários tiveram boa experiência com o uso de pílulas “verdadeiras” e que, ao usar o placebo, esses mesmos resultados repetiram-se. Outra explicação é a de que o uso diário do placebo fez com que os participantes passassem a pensar mais na ansiedade durante a prova promovendo a sensação de que estavam fazendo algo para evitá-la. É claro que tudo isso se dá na nossa mente, no nosso cérebro.

 

Um estudo publicado no ano de 2001 pela revista Science deu uma balançada naquilo que a comunidade científica até então entendia como efeito placebo. Pacientes portadores da Doença de Parkinson receberam medicação específica para a doença (levodopa) ou pílulas placebo e o surpreendente foi que tanto os pacientes que receberam a medicação como aqueles que receberam placebo, e que tiveram boa resposta clínica, demonstraram aumento das concentrações de dopamina no cérebro.

 

Em outro estudo mais recente, publicado pela revista Neurology, pesquisadores de Luxemburgo mostraram que pacientes com a Doença de Parkinson que tinham boa resposta ao placebo apresentavam aumento de dopamina no cérebro em regiões que são comuns ao efeito cerebral de recompensa. Isso sugere que o fator “expectativa positiva” pode ter um importante papel no efeito placebo.

 

Em quadros de dor, também há evidências de que o placebo muda quimicamente o cérebro, dessa vez através da liberação de opióides endógenos, efeito que pode ser desfeito através de medicações que bloqueiam o efeito de medicações opióides. As mudanças químicas também ocorrem em quadros depressivos, sendo que o placebo apresenta efeito muito semelhante às drogas que aumentam a concentração de serotonina (ex: fluoxetina). Nessas duas condições, a “expectativa positiva” também parece ser a forma como o cérebro faz com que o efeito placebo funcione.   E essa parece ser a explicação do porquê de algumas pessoas responderem positivamente ao placebo e outras não. Há evidências de que bons respondedores apresentam expectativa de receber maiores recompensas, e têm maior ativação do sistema de recompensa cerebral, não só na situação de tratamento, mas também em situações de jogos que envolvem recompensa em dinheiro.

 

Em 2016, o British Medical Journal publicou uma pesquisa revelando que a maioria dos americanos não vê problema em receber uma medicação placebo. O estudo envolveu 853 voluntários com idades entre 18 e 75 anos que eram acompanhados por alguma condição clínica crônica. Apenas 22% achavam inaceitável o uso de placebo. O restante considerava o placebo uma alternativa possível nos casos em que o médico tem clareza que os benefícios são maiores que os riscos e, melhor ainda, quando existir transparência no que está sendo proposto quando o médico é interrogado.

 

 

 

100 and 50 Brazilian Reais Banknotes

.

Por Dr. Ricardo Teixeira

.

Uma pesquisa que acaba de ser publicada pelo jornal Neurology da Academia Americana de Neurologia mostra que os jovens que passam por redução de ganhos financeiros anuais maior que 25% têm um cérebro menos afiado ainda na meia idade.

 

O estudo envolveu mais de três mil jovens americanos com idades entre 23 e 35 anos que foram acompanhados por 20 anos. O grupo de jovens que apresentou dois ou mais períodos de queda dos proventos (>25%) apresentavam menor desempenho nos testes cognitivos mesmo quando se ajustava fatores como escolaridade, atividade física, tabagismo e hipertensão arterial. Cerca de 700 voluntários também foram submetidos a exames de neuroimagem no início do estudo e 20 anos depois. Aqueles com maior instabilidade financeira tiveram maior redução do volume cerebral e uma piora do padrão de conectividade entre as diversas regiões cerebrais.

 

São várias explicações possíveis para esses achados. As reduções de proventos podem dificultar o acesso à assistência médica e consequente déficit de tratamento de problemas de saúde. Estudos anteriores mostram que condições financeiras desfavoráveis aumentam o risco de doenças como depressão, ansiedade, obesidade, hipertensão arterial, que por si só já estão associados a um menor desempenho cognitivo. A instabilidade financeira pode reduzir as oportunidades de estímulos cerebrais saudáveis como incrementos na educação formal, um trabalho desafiador, atividade física, lazer, etc.

 

Os autores nos lembram de que políticas que minimizam esses altos e baixos de rendimentos, como seguro desemprego, podem favorecer a saúde cerebral da população. Mais de um terço dos lares americanos apresentou redução dos proventos maior que 25% entre os anos de 2014 e 2015.

.

 

Woman Wearing Brown Overalls Near Brown Tree

 

Sabemos que pessoas otimistas são mais felizes e uma pesquisa recém-publicada por pesquisadores de Boston nos EUA aponta que elas também têm vida mais longa. Eles acompanharam mais de 70 mil indivíduos por até três décadas e mostraram que, independente dos hábitos de vida ou doenças, os otimistas vivem de 11 a 15% mais que os pessimistas e têm 50-70% mais chance de alcançar a idade de 85 anos.


Um otimista é aquele que tem expectativa de que coisas boas vão acontecer no futuro e que muita coisa pode ser feita para que essas coisas aconteçam. O interessante é que o grau de otimismo pode ser modificado através de técnicas e terapias relativamente simples.   

 

É fato que os otimistas têm melhores marcadores de saúde. Apresentam menores índices de doença cardiovascular, doenças infecciosas, ansiedade e depressão, e vivem mais quando acometidos por doenças como câncer e AIDS. Além disso, já foi demonstrado que pessoas mais otimistas têm maior tendência a assumir hábitos de vida saudáveis. Vale repetir que os resultados do presente estudo mostram que o efeito positivo do otimismo foi independente desses fatores.

 

Pesquisas apontam que cerca de 80% das pessoas superestimam as chances de eventos positivos quando têm que predizer o futuro. Esse é um fenômeno inerente da natureza humana e é observado independente do gênero, da raça, idade e nacionalidade. Pesquisas também mostram que as pessoas com quadros depressivos são as únicas que não apresentam essa expectativa otimista superestimada do futuro. Aqueles com um quadro de depressão leve não apresentam expectativas desviadas nem para o lado positivo, nem para o negativo. Já aqueles com depressão grave enxergam o futuro de uma forma negativa exagerada.

 

E por que o ser humano é tão otimista? Uma explicação bem interessante é a de que, ao adquirirmos a consciência sobre o futuro, passamos a conviver de forma mais intensa com a ideia de nossa finitude e nossas fragilidades. Ilusões otimistas criam um equilíbrio para que toda nossa consciência não atrapalhe a dinâmica da vida.

Apoio

Acompanhe o quadro CUCA LEGAL com o Dr. Ricardo Teixeira na Rádio CBN Brasília às quartas-feiras no horário de 11:35h

Também às segundas no Correio Braziliense

ConsCiência no Dia a Dia – Vencedor Prêmio TopBlog 2009

VISITE O LABJOR

Siga no TWITTER

Twitter

TWITTER

    follow me on Twitter

    Blog Stats

    • 2.882.934 hits