Sabemos que uma dieta rica em peixes ricos em Omega-3 é recomendada para se ter um cérebro mais afiado na velhice. Mas será que adultos na meia-idade já colhem os frutos? Um estudo, que acaba de ser publicado pela Neurology, periódico da Academia Americana de Neurologia, aponta que provavelmente sim, após avaliação dos níveis de Omega-3 nas hemácias de adultos com média de idade de 46 anos. Esses níveis refletiam o contingente dessa classe de ácido graxo oriundo da dieta, mas também de suplementos.

O estudo envolveu mais de dois mil voluntários e aqueles que apresentavam uma maior concentração de Omega-3 tinham um melhor desempenho cognitivo e também um maior volume dos hipocampos, estruturas cerebrais fortemente ligadas à memória. Esse efeito positivo se deu mesmo com níveis modestos de ácidos graxos Omega-3, cerca de metade do recomendado. Vale lembrar que os efeitos positivos se estendem aos vasos sanguíneos, contribuindo para uma menor incidência de eventos cardiovasculares como infarto do coração e acidente vascular cerebral. A Associação Americana de Cardiologia recomenda duas porções de peixe por semana para o incremento da saúde cardiovascular.

O consumo de ácidos graxos da família Omega-3 é a mais estudada interação entre alimento e a evolução das espécies. O ácido docosahexanóico (DHA) pode ser considerado o ácido graxo mais importante para o cérebro, já que é o mais abundante nas membranas das células cerebrais e são considerados essenciais por não serem produzidos pelo organismo humano, que precisa obtê-los por meio de dieta. Acredita-se que o consumo de Omega-3 teria sido fundamental para o processo de aumento na relação peso cérebro/ peso corpo, fenômeno conhecido como encefalização, ou seja, aumento progressivo do tamanho do cérebro em relação ao corpo ao longo do processo evolutivo. Estudos arqueológicos apoiam essa hipótese, já que o processo de encefalização não ocorreu enquanto os hominídeos não se adaptaram ao consumo de peixe.

Uma das publicações do The Lancet, eClinical  Medicine, acaba de publicar uma pesquisa conduzida pela Universidade Birmingham, na Inglaterra, apontando que adultos na meia idade que apresentam pesadelos frequentes têm mais chance de desenvolver um quadro de demência no futuro. Os resultados sugerem que os pesadelos frequentes podem ser indícios de uma doença degenerativa que se apresentará anos ou até décadas mais tarde.

A pesquisa foi feita com mais de 600 voluntários saudáveis com idades entre 35 e 64 anos e 2600 com idades acima de 79 anos, todos sem demência ou Parkinson no início do estudo. Após um acompanhamento clínico por cinco a nove anos, foi demonstrado que os adultos de meia idade que apresentavam pesadelos pelo menos uma vez por semana tinham uma chance quatro vezes maior de apresentar declínio cognitivo nesse período. O risco de desenvolver um quadro demencial foi duas vezes maior nos voluntários com mais de 79 anos quando comparados àqueles sem pesadelos frequentes. Entre os idosos, quando se analisou apenas os homens, o risco foi cinco vezes maior.

Pesquisas anteriores já tinham mostrado uma associação entre pesadelos frequentes e uma maior chance de uma pessoa vir a apresentar a Doença de Parkinson. Mostraram também a associação com uma pior evolução cognitiva nesses pacientes e até uma maior atrofia de regiões frontais do cérebro. Estudos não longitudinais também já tinham despertado a atenção para uma associação entre pesadelos e déficit cognitivo entre idosos na população geral.    

Pesadelos são comuns na população geral, especialmente entre os idosos, e estima-se que 5% dos adultos apresentam essa condição numa frequência mensal. Estudos apontam que os pesadelos são mais comuns entre as mulheres, mas só até a sexta década de vida, quando a proporção homem/mulher fica mais equilibrada. São ainda mais frequentes em pacientes com síndromes demenciais, assim como na Doença de Parkinson. Por fim, muito interessante é o resultado de uma pesquisa conduzida em camundongos que demonstrou redução dos marcadores patológicos da Doença de Alzheimer com a administração do anti-hipertensivo prazosin, medicação de escolha no tratamento de pesadelos.      

Pesquisas têm demonstrado nos últimos anos que, mesmo dentro da cidade, o contato com o verde pode trazer benefícios ao cérebro. Voluntários ao caminharem pela cidade com um aparelho de eletrencefalograma portátil, e passarem por ruas comerciais agitadas, apresenta o cérebro excitado. O contrário acontece em um parque da cidade, quando as ondas cerebrais ficam mais “meditativas”. Sabemos também que pessoas que moram próximas a árvores e parques têm níveis menores do hormônio do estresse cortisol quando comparadas às que vivem cercadas de concreto por todos os lados.

Já é bem reconhecido que as pessoas que vivem nas grandes cidades têm maior risco de apresentar transtornos mentais. Através de ressonância magnética funcional, foi demonstrado que o cérebro de quem mora no campo reage de forma diferente a estímulos de estresse quando comparados aos moradores da cidade. Isso rendeu até a capa da prestigiada revista Nature. Os pesquisadores mostraram uma maior ativação das amígdalas entre os moradores de grandes cidades e foi curioso o fato de que isso estava presente mesmo nos adultos que viveram nas “selvas de concreto” somente na infância.

Outro estudo, conduzido pelo Instituto Max Planck na Alemanha, apoiou esses achados ao demonstrar que as pessoas que moram ao redor de muita natureza têm maior integridade de uma das regiões do cérebro mais associadas ao processamento do estresse e reações frente ao perigo. E essas estruturas são as amígdalas. Mas para desvendar a velha pergunta, o que vem primeiro, o ovo ou a galinha, o Instituto Max Planck acaba de publicar novos resultados apontando que o contato com a natureza é que é responsável por essa maior integridade, e não o contrário. Digamos que pessoas com essa anatomia avantajada das amígdalas tivessem a tendência em morar mais próximos à natureza. Provavelmente não é isso o que acontece. Dessa vez foi comparada a ativação das amídalas, por ressonância magnética funcional, após uma hora de caminhada na floresta ou numa rua movimentada. Após a caminhada na floresta, as amígdalas ficaram menos ativadas, o que não aconteceu com os voluntários que ficaram nas ruas da cidade.  

O local onde moramos pode mesmo influenciar nossa saúde, não só a saúde mental. Sabemos que morar à beira de rodovias aumenta o risco de doenças cardiovasculares devido à poluição do ar, e quanto maior o número de restaurantes “fast food” na vizinhança, maior o risco de infarto agudo do coração e derrame cerebral. O risco de diabetes é menor em comunidades que têm na vizinhança boas opções para realização de atividade física, além de comércio com oferta de produtos alimentícios saudáveis. Isso sem falar no trânsito.

No ano de 2017, Roger Federer, aos 35 anos, ganhou seu oitavo título de Wimbledon e foi o atleta mais velho a faturá-lo. Nesse mesmo ano, uma pesquisa publicada pelo periódico PLOS ONE, envolvendo mais de três mil voluntários com idades entre 16 e 44 anos, nos mostrou que aos 24 anos alcançamos nosso pico de desempenho cognitivo-motor. Apontou ainda que a maturidade traz algumas compensações. O desempenho dos voluntários, após milhares de horas num jogo de computador com a mesma lógica do xadrez, foi medido pela rapidez com que reagiram aos seus oponentes e pelas estratégias que usaram no desafio. Jogadores mais velhos, apesar de mais lentos, compensaram a desvantagem de velocidade com estratégias mais eficientes no jogo.

Quando se pensa em criatividade, a maturidade traz também suas compensações. Uma análise feita das carreiras de 31 ganhadores do Nobel de economia nos mostra que existem épocas na vida em que somos mais criativos. Nessa avaliação, foram encontradas duas ondas diferentes de criatividade, uma por volta dos vinte e poucos anos e outra entre os cinquenta e sessenta anos.

A primeira onda foi chamada de inovação de conceitos. É o pensar “fora da caixinha”, onde novas ideias põem em xeque o saber convencional. A segunda onda, chamada de inovação experimental, é a produção de conhecimento a partir do saber acumulado e nos traz formas inéditas de análise, interpretação e síntese. Os resultados são concordantes com estudos prévios que analisaram ondas de criatividade nas artes e em outras áreas da ciência. Pablo Picasso e Albert Einstein tiveram suas maiores criações na primeira onda, enquanto Paul Cézanne, Virginia Woolf e Charles Darwin brilharam mais na segunda onda. A Teoria da Relatividade foi publicada por Einstein aos 26 anos de idade e Darwin publicou a Teoria da Evolução aos 51 anos.

Um estudo mais recente, publicado pela Nature Human Behavior, nos mostra que com o envelhecimento temos realmente um declínio no desempenho da atenção e funções executivas, fato esse já bem demonstrado por inúmeros estudos. Entretanto, os pesquisadores apontaram também que algumas funções executivas e de atenção não apresentaram piora. Voluntários, até mesmo entre os 70 e 80 anos de idade, revelaram melhor desempenho que os mais jovens.

Nesse último estudo, o estado de alerta realmente foi menor entre os mais velhos. É a capacidade de estar pronto para frear o carro numa intersecção. Já nos testes de orientação espacial, definida como a capacidade de mudar o foco de atenção para um outro ponto do espaço, os velhos se saíram melhor. É a capacidade de perceber, por exemplo, um pedestre aguardando para atravessar na faixa. Já na capacidade executiva de inibir estímulos que levam à distração do foco naquilo que realmente interessa, os velhos também foram melhores. É a capacidade de não ficar prestando atenção nos passarinhos e reduzir o foco na direção.         

Mas como explicar o melhor desempenho em um cérebro mais velho que já passou por inúmeras alterações estruturais e fisiológicas? A experiência ao longo dos anos é capaz de explicar esse fenômeno? Há um robusto corpo de evidências de mecanismos adaptativos para reduzir o impacto das perdas que acumulamos ao longo dos anos. Isso vai desde compensações no metabolismo cerebral, como ter o mesmo resultado com menos energia. Maior a experiência, menor ativação neuronal, menor gasto energético e maior eficiência. Um estudo com uma droga usada para controle da epilepsia mostrou esse ajuste de gasto energético com bons resultados clínicos na cognição de idosos com declínio cognitivo.

Essa adaptação envolve também a reorganização de redes neurais ao longo das décadas. A reorganização conta até com o recrutamento de áreas do cérebro não tão envolvidas entre os jovens para uma dada tarefa, incluindo a participação maior de ambos os hemisférios, como é o caso da memória episódica. E não há dúvida que a atividade física e estímulos cognitivos amplificam o impacto desses mecanismos adaptativos.   

“Serviço aos outros é o aluguel que pagamos pelo nosso quarto aqui na Terra.” – Muhammad Ali

Um estudo recém-publicado pelo periódico PLOS Biology e conduzido por pesquisadores da Universidade de Berkeley no EUA demonstra que a falta de sono afeta nossas interações sociais fazendo com que tenhamos menor tendência em ajudar os outros. No dia seguinte a uma noite mal dormida, os voluntários se mostraram com menor tendência a ações altruístas simples, como abrir a porta para o outro. O estudo mostrou também que a privação de sono leva a uma menor ativação no cérebro de áreas envolvidas na empatia e, por último, de que doações para fundos de caridade são 10% menores na primeira semana do horário de verão, nos estados americanos que adotam essa medida.

A pesquisa aponta a importância do sono não mais focada no indivíduo, mas sua relevância nas interações sociais. Individualmente, já sabíamos que a privação de sono está associada a um maior risco de doenças cardiovasculares, diabetes, hipertensão arterial, obesidade, depressão e disfunção sexual. O presente estudo revela que um sono insuficiente degrada as interações sociais entre os indivíduos, degrada nossa consciência social básica de ajudar o outro. Não dormir bem afeta não só o seu bem estar físico e emocional, mas os efeitos deletérios do seu círculo social e até de estranhos. O sono adequado poderia até ser considerado um “lubrificante social”.

Estudos anteriores mostraram que a privação de sono leva a um julgamento mais negativo das expressões faciais dos outros e pode estar associado a uma menor motivação para a interação social no mundo real. Isso também foi sugerido pelos resultados de uma pesquisa publicada pela Nature Communications em 2018. Muito interessante é o fato de que a privação de sono dispara um sinal de repulsa social naqueles que estão sem dormir, mas também entre aqueles que estão interagindo com o insone. Como dizemos anteriormente, os efeitos se dão em rede!

E a relação entre privação de sono e sociabilidade é de via dupla. Camundongos submetidos a isolamento social passam a ter o sono menos eficiente. Em humanos acontece o mesmo. Em humanos, a promoção de socialização melhora o padrão do sono e a falta de sono aumenta a tendência ao isolamento social. Sabemos também que a privação de sono está associada uma maior ativação das amígdalas cerebrais quando em frente a estímulos de contextos negativos ou prazerosos. Vale lembrar que amígdalas ativadas aumentam o hormônio do estresse cortisol e nos deixam prontos para a luta ou para a fuga.

Além de saúde, o que os pais mais desejam aos filhos é que eles sejam bons, felizes e com boas relações de amizade. A relação entre bondade, amizade e felicidade tem sido descrita como de reciprocidade. Pessoas mais felizes têm maior tendência a apresentar comportamentos prossociais e também de ter um bom círculo de amizades. Crianças com boa aceitação pelos amigos, por outro lado, também são mais cooperativas e equilibradas emocionalmente. Além disso, pessoas mais felizes têm mais ferramentas para fazer o bem aos outros, atitude que também promove o bem estar.  

Sonja Lyubomirsky, uma das maiores autoridades em pesquisas sobre felicidade, participou de um estudo experimental que aponta que crianças que exercitam a gentileza passam a se sentir mais felizes e também a serem mais populares com seus coleguinhas.

Quatrocentas crianças canadenses com idades entre 9 e 11 anos foram estudadas em dois diferentes grupos. Metade delas foi orientada a fazer três ações de gentileza por semana, por exemplo, dividir o lanche com um amigo ou dar um abraço na mãe ao sentir que ela está estressada. A outra metade tinha a tarefa de visitar três lugares diferentes por semana, por exemplo, o parquinho e a casa dos avós.

Após quatro semanas, as crianças sentiram-se mais felizes e passaram a ser mais populares, mas esses efeitos foram maiores entre aquelas que cumpriram as tarefas de gentileza. Escalas de felicidade e bem estar foram aplicadas e a popularidade foi medida pelo número de coleguinhas que escolhiam a criança como potencial parceiro para um trabalhinho escolar.

Se ações de gentileza são tão boas para quem as faz, por que elas não são mais comuns no nosso dia a dia? Uma explicação para esse fenômeno foi explorada por um estudo publicado recentemente por pesquisadores da Universidade de Austin nos EUA. Eles demonstraram através de vários experimentos que há uma expectativa descalibrada do impacto que uma ação prossocial pode gerar no bem-estar psíquico de quem recebe. Quem faz a ação julga que o resultado na vida do outro será menor do que acontece na realidade. Se as pessoas ao fazerem pequenas ações gentis aos outros tivessem consciência da grande diferença que elas podem fazer, certamente fariam mais dessas ações. Isso aumentaria o bem-estar psíquico de quem dá e de quem recebe. Os experimentos também confirmaram o aspecto contagiante de ações de gentileza – gentileza gera gentileza.    

Algumas doenças podem ter um efeito devastador na vida de um paciente e suas famílias, especialmente no caso do câncer e de doenças degenerativas e progressivas como a Doença de Alzheimer. Perguntas comuns nessas situações como Por que comigo?, Por que logo com meu filho?, Por que isso tudo?  nos dão uma pista de que além dos cuidados físicos e emocionais, uma janela preciosa na relação  entre a equipe de saúde  e o paciente e seus familiares pode estar se abrindo: a dimensão espiritual.

De acordo com a Conferência de Consenso Internacional em Espiritualidade na Assistência Médica, espiritualidade é a maneira com que as pessoas buscam significado, propósito, conexão, valor ou transcendência. Isso pode incluir religiões, mas também outras formas de busca de sentido através de conexão, por exemplo, com a família, comunidade ou natureza. Para pessoas sem doença, a experiência espiritual em comunidade, como é o caso da participação regular em cultos religiosos, está associada a uma vida mais saudável, maior longevidade, menos depressão e suicídio e menor uso de substâncias psicoativas. O respeitadíssimo periódico da Associação Médica Americana (JAMA) publicou bem recentemente a mais rigorosa análise desse binômio espiritualidade e saúde. O estudo foi conduzido pela Universidade Harvard.

Estudos revelam que mais de 90% dos médicos acreditam que as crenças espirituais dos pacientes devem ser consideradas. Entretanto, apenas 30% dos médicos acreditam que essas crenças devam efetivamente ser abordadas, e só 10% adotam essa prática, mesmo entre pacientes terminais. Por outro lado, sabemos também serem bastante ruins os indicadores que medem a satisfação de pacientes quanto ao cuidado dispensado pela equipe de saúde aos seus aspectos emocionais e espirituais, evidenciando uma fraqueza dos serviços de saúde que precisa ser trabalhada. 

Já temos um razoável corpo de evidências que indivíduos com uma maior vivência espiritual têm uma melhor relação com a doença: maior cooperação no tratamento, maior capacidade de lidar com o estresse emocional, melhora mais rápida de sintomas depressivos. Além disso, o envolvimento com uma comunidade religiosa está associado a uma maior rede social, e há tempos sabemos que pessoas socialmente integradas têm menos chance de adoecer, e quando doentes, a rede social é uma das principais fontes de apoio. Entretanto, as crenças religiosas nem sempre estão a favor da saúde do paciente, já que podem em alguns casos dificultar a aderência ao tratamento com ideias do tipo: esse é o desejo de Deus, Deus me abandonou, este é o meu destino, este é o meu castigo, etc. Em situações como essas, é importante que a equipe de saúde esteja minimamente preparada para abordar as dimensões religiosas / espirituais do paciente com a intenção de aumentar a aderência e sucesso do tratamento, além de poder contribuir para um maior senso de controle e significado do problema. Tal abordagem pode ainda identificar crenças que podem ser relevantes em determinadas decisões médicas.

Alguns podem pensar que uma conversa dessa natureza pode ser percebida pelo doente como uma intromissão na sua intimidade. Claro que se no início dessa conversa o paciente já demonstra que religiosidade / espiritualidade são dimensões que não são questões importantes na sua vida, então a conversa já deve parar por aí. Ninguém deve também “prescrever” religião aos pacientes, convencê-los que um tipo de crença ou prática seja interessante ou entrar em polêmicos embates sobre religião. A ideia de um melhor entendimento da espiritualidade dos pacientes também não tem como objetivo o médico ou outro profissional de saúde ficar dando conselhos espirituais ao paciente.

Enquanto percebemos uma medicina cada vez mais comercial, em que os pacientes passam mais tempo nas máquinas de exames do que com o médico, há espaço sobrando para a discussão e aprofundamento de questões associadas às questões espirituais dos doentes, e isso já está tomando forma. Cresce o investimento em pesquisas que analisam o impacto da inserção de aspectos espirituais na relação médico-paciente, inclusão do assunto no currículo de graduação médica e, recentemente, a Comissão de Acreditação de Organizações de Saúde nos Estados Unidos incluiu em seu manual de acreditação para hospitais a recomendação de que os profissionais de saúde abordem sim os valores espirituais dos pacientes. Talvez a busca por “medalhas de qualidade” impulsione a tão esperada reumanização da saúde – tratar não só a doença, mas o indivíduo na sua integralidade.

Estudos apontam que o consumo moderado de álcool aumenta nossa longevidade. Diminui o risco de infarto do coração e acidente vascular cerebral. Entretanto, um robusto corpo de pesquisas tem nos mostrado que esse mesmo consumo moderado promove uma maior redução do volume cerebral ao longo dos anos. Recentemente, um novo estudo foi publicado mostrando que esse consumo também aumenta os níveis de depósito de ferro em algumas regiões do cérebro, como os núcleos da base, estruturas não só ligadas à motricidade, mas também a inúmeras funções cognitivas.

 

O depósito de ferro no cérebro está associado a doenças degenerativas, como Alzheimer e Parkinson, mas também ao consumo exagerado de álcool. O presente estudo mostrou de forma inequívoca que, mesmo em doses moderadas, o consumo de álcool pode levar a um maior depósito de ferro. E quanto maior esse depósito, menor foi o desempenho nos testes cognitivos, especialmente na resolução de problemas, funções executivas e velocidade de reação. Foram mais de 20 mil voluntários estudados.  E o que é moderado? Sete doses de álcool por semana, 5 taças de 175ml de vinho por semana ou uma logneck por dia.

No contexto da evolução das espécies, o ser humano pode ser considerado um recém-nascido. Os mamíferos apareceram há 225 milhões de anos, os primatas há 65 milhões, e os ancestrais hominídeos apareceram há cinco milhões de anos. Alguns podem achar cinco milhões de anos muito tempo, mas pode ser interessante lembrar que nosso código genético, que é como se fosse um texto composto por três bilhões de letras, é idêntico ao de um chimpanzé em 98,5% do seu conteúdo.

A população mundial está envelhecendo, e isso é explicado em parte pelos grandes avanços da ciência nas últimas décadas. A expectativa de vida do Australopitecus há quatro milhões de anos era de apenas 15 anos, 25 anos para europeus na Idade Média, cerca de 40 anos no século XIX, 55 anos no início do século XX, e atualmente, em muitos países, a expectativa de vida já é maior que 75 anos de idade. Como podemos perceber, nossos ancestrais não envelheciam e toda a programação genética estava concentrada em oferecer condições para que o indivíduo conseguisse se reproduzir e perpetuar a espécie.

Nossa grande longevidade é um fenômeno bem recente, e não houve tempo de nos adaptarmos geneticamente a esse novo cenário. Essa é uma forma importante de entender o porquê das doenças degenerativas. Mas vamos deixar de lado as doenças, e focar no nosso envelhecimento normal.

Temos inúmeras evidências do declínio funcional de nosso organismo em idades mais avançadas. O impacto no sistema nervoso é significativo, pois é este sistema que permeia toda nossa interação com o mundo à nossa volta (e.g.; órgãos dos sentidos, respostas motoras, emoção), também chamada Vida de Relação. Talvez seja também o sistema cuja perda de funções seja mais temida por nós. O próprio conceito de envelhecimento da Organização Mundial de Saúde reflete sobremaneira a dimensão de perdas do sistema nervoso: redução da adaptabilidade a estímulos sensoriais.

Já se conhece bastante sobre as alterações cerebrais morfológicas e fisiológicas associadas ao processo de envelhecimento normal. Por volta dos 15 anos de idade nosso encéfalo alcança seu maior peso (~ 1350g), com uma perda de cerca de 1,5% desse peso a cada década.  Essa redução se dá muito mais por redução do tamanho dos neurônios do que por destruição dos mesmos. Paralelamente, há uma redução no número de conexões entre os neurônios e significativo acúmulo de substâncias associadas ao envelhecimento que dificultam o pleno funcionamento cerebral.

Do ponto de vista funcional, essas alterações estruturais só começam a ter impacto após a sexta década de vida. Em média, só a partir dos 60 anos é possível confirmar declínio de capacidades psicométricas, com exceção da fluência verbal que declina levemente já na quinta década de vida. O declínio dessas capacidades é muito modesto até os 80 anos, quando se torna mais acentuado em pelo menos 50% dos indivíduos.

Um conceito fundamental para entendermos melhor como investir bem em nosso cérebro é o conceito de Reserva Cerebral. Se o nosso cérebro tem uma tendência natural a perder um pouco de seu desempenho em idades mais avançadas, quanto mais conexões formarmos no decorrer da vida, quanto mais aumentarmos nosso repertório, menor a chance de que pequenas perdas estruturais tenham repercussão funcional. E o que dirá quando o indivíduo apresenta doença cerebral como a Doença de Alzheimer? Maiores reservas fazem com que mais tempo de doença seja necessário para que ela se manifeste clinicamente. Ou seja, quanto maior a reserva, mais tempo o cérebro mantém seu funcionamento normal, mesmo que ele esteja doente. E isso já foi demonstrado em inúmeros estudos.

O status sócio-econômico e educacional é sem sombra de dúvidas um dos pilares mais fortes de nossa Reserva Cerebral, sendo que quanto maior esse status, maior a reserva. Até mesmo a época em que nascemos faz diferença, sendo que indivíduos que nasceram e cresceram em épocas mais recentes apresentam melhor desempenho cognitivo do que suas gerações anteriores.

Pesquisas recentes demonstram que o cérebro do idoso ao ser treinado responde com melhora de desempenho nas habilidades ensinadas. Tais treinamentos foram realizados com exercícios para estimulação da memória, resolução de problemas, velocidade de processamento, alguns deles por meio de sofisticados softwares. Entretanto, parece que atitudes mais instintivas e artesanais podem ter efeito também bastante significativo: a atividade de lazer é um exemplo.

Há cerca de uma década, repetidos estudos vêm demonstrando que lazer é coisa séria, e é um hábito que está associado a um menor risco de desenvolver demência. A explicação reside no fato de que o lazer também é capaz de treinar nossos cérebros, aumentando nossa Reserva Cerebral. O interessante é que algumas atividades de lazer parecem ser mais positivas do que outras. Estudos realizados na cidade de Nova York revelaram que as atividades mais “protetoras” foram leitura, palavras cruzadas, jogos de tabuleiro, passeios turísticos, visitas a amigos e parentes, idas ao cinema, restaurante ou a evento esportivo, tocar instrumento musical.

Uma pesquisa recém-publicada pela Neurology da Academia Americana de Neurologia mostrou que o efeito protetor dessas atividades é menor entre os portadores de genótipo associado à Doença de Alzheimer – APOE4. Mostrou também o quanto a atividade física pode incrementar nossa Reserva Cerebral especialmente na velocidade do pensamento. Vale lembrar que o lazer para muitos está intimamente ligado a atividades esportivas.

De qualquer forma, precisamos estar atentos em estimular os nossos jovens a desenvolver um repertório amplo de atividades de lazer “inteligentes”, pois os hábitos são mais fáceis de serem adquiridos quando iniciados em fases mais precoces da vida. Quanto aos nossos idosos, atenção redobrada. Podemos começar por melhor conhecer e demandar aquilo que está escrito no Estatuto do Idoso, em vigor em nosso país desde 2003:

Art. 3º – É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária.

Art. 21º – O Poder Público criará oportunidades de acesso do idoso à educação, adequando currículos, metodologias e material didático aos programas educacionais a ele destinados.

Art. 24º – Os meios de comunicação manterão espaços ou horários especiais voltados aos idosos, com finalidade informativa, educativa, artística e cultural e ao público sobre o processo de envelhecimento.

Os Titãs não estavam falando em luxo com: “A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte”.

Um estudo acaba de ser publicado pela Neurology, periódico da Academia Americana de Neurologia, mostrando que mulheres na menopausa apresentam um contingente maior de lesões de pequenos vasos cerebrais quando comparadas a mulheres da mesma idade que não estão na menopausa. O volume dessas lesões também é maior nas mulheres na menopausa do que nos homens da mesma idade, mas isso não ocorre nas mulheres na pré-menopausa.

Mostraram ainda que o efeito deletério da hipertensão não controlada, quando se analisa a quantidade de lesões de pequenos vasos, foi maior entre as mulheres, independente de estarem ou não na menopausa.   Além disso, os pesquisadores demonstraram que a terapia de reposição hormonal não foi um fator que modificou essas correlações. Isso sugere que enxergar esses resultados como decorrentes da redução do hormônio estradiol pode ser uma visão reducionista. Uma série de outros mecanismos têm sido explorados para explicar essa maior vulnerabilidade da saúde vascular entre mulheres na menopausa.

Quando se fala em lesões dos pequenos vasos que chegam a provocar um buraquinho no cérebro, também chamadas de lacunas, estudos com ressonância magnética revelam que cerca de 20% dos idosos apresentam tais lesões sem nunca ter apresentado sintomas. Quando se fala em lesões que só fazem pequenas cicatrizes no cérebro, elas estão presentes em até 90% dos idosos e foram essas que foram analisadas no presente estudo. Muito frequentes, muito pequenas, mas nem tão inocentes assim.

O raciocínio habitual quando se pensa em doença dos pequenos vasos cerebrais é o de que uma ou duas lesões realmente não costumam provocar sintomas, a não ser quando se localizam em algumas regiões muito específicas, também chamadas de áreas eloquentes. Já o cérebro que apresenta inúmeras dessas cicatrizes, esse sim começa a funcionar de forma mais ineficiente. Algumas pessoas chegam a apresentar dificuldades graves do pensamento e da marcha, e hoje em dia reconhece-se que essa seja uma das principais causas de déficit cognitivo entre os idosos.

Existem fatores genéticos que determinam o quanto de lesões terá um cérebro que envelhece. Entretanto, é bem sabido que os conhecidos fatores de risco para aterosclerose (ex: hipertensão arterial, diabetes, tabagismo, etc.) aumentam significativamente a chance de uma pessoa colecionar mais dessas lesões ao longo dos anos.

Pesquisas apontam que passamos metade de nossas vidas conversando com nós mesmos. O que estamos chamando aqui de voz interna é a produção mental silenciosa de palavras e frases e isso pode ser encarado como um aspecto positivo para nosso equilíbrio psíquico. É claro que muitos fazem esse monólogo em alto e bom tom: conversam sozinhos em voz alta.

Essa voz interna está ligada a uma série de funções psicológicas como leitura, escrita, planejamento, memória, motivação e resolução de problemas e conflitos. Algumas pessoas, por outro lado, não têm esse monólogo interno. Existe ainda as que não tem capacidade de experimentar mentalmente experiências sensoriais, seja visual ou de qualquer outro tipo. A isso se dá o nome de afantasia. Não conseguem, por exemplo, contar carneirinhos. Essas capacidades dependem de uma rede de regiões em todo o cérebro que trabalham em conjunto para gerar a experiência sensorial com base em memórias. O melhor palpite até agora é que naqueles que têm afantasia as ligações entre estas áreas do cérebro são interrompidas. Interrompidas por uma lesão cerebral grave ou mesmo sem qualquer lesão, como por exemplo por uma herança geneticamente definida.

Voltando à nossa voz interna, ela também é dependente da integridade de uma extensa rede neural, especialmente a que liga as regiões frontais ao córtex auditivo. Essa voz é muito frequente em situações de automotivação e autocrítica. Um exemplo é o atleta que se prepara mentalmente no instante de uma situação decisiva, como bater um pênalti ou partir para um salto. A voz continua a se manifestar após a competição para autoavaliação do seu desempenho. Esse monólogo pode ter a forma de um diálogo de uma pessoa só, podendo até ter conteúdo daquilo que outras pessoas estariam falando naquela situação.

Nossos monólogos nos ajudam em inúmeras situações, mas também podem gerar a ruminação de pensamentos negativos, promovendo ansiedade, sintomas depressivos, transtornos alimentares e outras formas de desequilíbrio psíquico. Então vale ter sempre cuidado com o que você fala, mesmo que seja só para você.

Em tempo: os amigos imaginários, fenômeno comum entre as crianças, não devem ser vistos como algo negativo para a saúde mental desde que se tenha convicção de que o amigo é realmente imaginário. Se isso passa a ser percebido como realidade e se conteúdos negativos são dominantes, pode ser o caso de se tratar de vozes internas da psicopatologia, delírios e alucinações.

O consumo de café antes de fazer compras aumenta em 30% a quantidade de itens comprados e em 50% nos gastos. Esses são os resultados de uma pesquisa conduzida liderada pela Universidade da Florida nos EUA e publicada recentemente pelo periódico Journal of Marketing.

Os pesquisadores conduziram três experimentos para chegar a esses resultados envolvendo até 300 voluntários comparando o consumo de café expresso (100mg cafeína) com café descafeinado e água. Além de comprar e gastar mais, aqueles que tomaram o expresso compraram mais itens não essenciais, como velas aromáticas e fragrâncias. Isso foi demonstrado tanto em lojas físicas como em laboratório em compras pela internet. O efeito da cafeína sobre o comportamento de consumo foi bem menor estre aqueles que já consumiam café em grandes quantidades. Impulsividade associada à cafeína já foi demonstrada entre jogadores patológicos e até mesmo entre indivíduos com comportamento sexual de risco.

Por outro lado, a cafeína nos deixa mais alertas e pode inibir o comportamento impulsivo associado à privação de sono. A privação de sono deprime a função dos sistemas envolvidos no julgamento e percepção de risco e a cafeína minimiza esses efeitos negativos. A substância, nessa situação, ajuda, mas não em todas as dimensões cognitivas. Uma noite mal dormida deixa o cérebro menos eficiente em tarefas que demandam atenção e outras funções executivas. Uma dose de cafeína tem o poder de melhorar o desempenho cognitivo apenas em tarefas que exigem vigília e atenção, mas não naquelas que exigem processamento executivo mais complexo. Na privação de sono, mesmo com cafeína, a chance de erro é maior.

Uma pesquisa demonstrou, através de Ressonância Magnética Funcional e testes psicológicos, que uma noite sem dormir muda a forma como o cérebro processa a chance de ganhar ou perder. Uma noite com privação do sono provoca aumento de atividade cerebral em regiões que processam expectativas otimistas e reduz a atividade de outras que processam expectativas pessimistas. Além disso, os testes psicológicos evidenciaram que os voluntários se mostraram mais sensíveis a recompensas e com menor sensibilidade a consequências negativas.

Um estudo da Universidade de Uppsala, na Suécia, mostra que após uma noite de privação de sono, as pessoas têm menor contato visual com os outros e uma avaliação diferente às suas expressões faciais. A pesquisa foi publicada recentemente pelo periódico Nature and Science of Sleep. Expressões faciais de raiva elicitavam uma impressão de se tratar de um indivíduo menos saudável e de menor confiabilidade, enquanto expressões neutras ou de medo davam a impressão de serem pessoas menos atrativas.

O estudo usou a tecnologia de rastreamento ocular em 45 jovens que eram apresentados a imagens de indivíduos com diferentes expressões faciais. Eles eram testados após uma noite de oito horas de sono e depois após uma noite de privação total do sono. O menor tempo de fixação visual encontrado após a privação de sono, especialmente da metade superior da face, aumentou a chance de interpretação imprecisa do estado emocional dos outros.

No presente estudo, a privação de sono levou a um julgamento mais negativo e pode estar associado a uma menor motivação para a interação social no mudo real. Isso já foi sugerido pelos resultados de uma pesquisa publicada pela Nature Communications em 2018. Muito interessante é o fato de que a privação de sono dispara um sinal de repulsa social naqueles que estão sem dormir, mas também entre aqueles que estão interagindo com o insone.

  

E a relação entre privação de sono e sociabilidade é de via dupla. Camundongos submetidos a isolamento social passam a ter o sono menos eficiente. Em humanos acontece o mesmo, enquanto a promoção de socialização melhora o padrão do sono. Sabemos também que a privação de sono está associada uma maior ativação das amígdalas cerebrais quando em frente a estímulos de contextos negativos ou prazerosos.

Por Dr. Ricardo Teixeira*

Vamos primeiro aos números alarmantes. Os dados da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional apontam que 33 milhões de pessoas passam fome no Brasil no ano de 2022, contingente maior do que o registrado há 30 anos, quando a população era bem menor. Seis em cada 10 brasileiros convivem com algum grau de insegurança alimentar. Em 2018 – 5,8% dos brasileiros passavam fome. Em 2020 – 9% e em 2022 – 15,5%. Há fome em 13,5% dos domicílios em que residem apenas adultos, enquanto entre domicílios com 3 ou mais crianças ou jovens é de 25,7%.

A pobreza é reconhecida como um dos principais fatores que contribuem para o número de pessoas com retardo mental ao redor o mundo. Em países desenvolvidos, a prevalência de retardo mental situa-se em torno de 3-5 / 1000 indivíduos, enquanto em países pobres a prevalência chega a ser cinco vezes maior. A pobreza está por trás de dois dos principais fatores de risco para o retardo mental: deficiência nutricional e de estímulo cerebral. O problema deve ser visto como uma epidemia neurológica escondida. Do ponto de vista de saúde pública, a pobreza tem um impacto sobre o estado neurológico muito maior que a grande maioria das doenças neurológicas com suas organizadas sociedades médicas e associações de pacientes, e com seus medicamentos que movem o business da saúde.

Mesmo as crianças que não desenvolvem retardo mental chegam em idades avançadas com menor desempenho cognitivo quando crescem em situação de pobreza. Há evidências também de um envelhecimento cerebral mais rápido entre os pobres e que a pobreza na infância está associada a uma redução do volume da substancia branca e cinzenta do cérebro.

Atacar de frente a pobreza vai além da questão de humanismo e de direitos humanos. O Banco Mundial reconhece que dentre todas as intervenções em saúde, o controle da desnutrição pode ser considerado a que apresenta melhor custo-benefício. E os primeiros anos de vida de uma criança são os mais vulneráveis para o cérebro, começando a contar desde o primeiro dia da concepção, na barriga da mãe. A mãe precisa comer bem. Todo mundo tem que comer bem. E uma coisa puxa a outra. Crianças desnutridas têm menor chance de chegar à escola, e quando chegam, têm maior chance de evasão.

Pense nisso. A fome sangra o indivíduo, sangra uma família, sangra um país.

*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e diretor clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Maior bem estar, concentração, autoestima e rendimento acadêmico. Menores índices de sintomas ansiosos e depressivos e menos problemas sociais. Esses são exemplos dos efeitos positivos da atividade física sobre as crianças e adolescentes. Nesta última semana, um estudo envolvendo mais de 11 mil crianças e adolescentes nos EUA mostrou que esses benefícios apontados acima realmente existem, mas apenas nos esportes coletivos. Quando as crianças praticavam apenas esportes individuais, a chance de problemas sociais, de atenção, ansiedade e depressão foi até maior que entre os sedentários. As atividades coletivas são um campo fértil de oportunidades na construção de relações sociais promovendo assim um melhor equilíbrio mental. E essa interação social é um combustível mais do que necessário nessa faixa etária.

Alguns estudos já tinham demonstrado a superioridade de atividades esportivas sobre o equilíbrio mental entre crianças e adolescentes, mesmo que o esporte seja individual. Entretanto, algumas pesquisas já apontavam que os esportes solitários podem favorecer o burnout entre atletas jovens dentro de uma cultura de altos volumes de treino e competitividade. Às vezes, podem até incitar comportamentos amorais. Crianças e adolescentes que competem em esportes individuais podem sofrer por uma maior cobrança pelos outros e por si próprios, já que os resultados são extremamente dependentes dos seus desempenhos. A olimpíada de Tóquio em 2021 descortinou essa problemática como nunca antes. E quando se fala em atletas de elite, é claro que o problema também existe nos esportes coletivos. 

Pessoas que têm marcadores genéticos que predispõem ao desenvolvimento da Doença de Alzheimer podem atrasar o aparecimento de sintomas através de sete atitudes. Essa é a conclusão de um estudo publicado na última semana pelo periódico Neurology da Academia Americana de Neurologia. As sete atitudes são: cérebro e corpo ativos, alimentação saudável, peso corporal em dia, não fumar, controle ótimo da pressão arterial, colesterol e glicemia.

Já sabíamos que os sete hábitos reduzem o risco da Doença de Alzheimer, mas o atual estudo nos mostra que isso é verdadeiro mesmo para aqueles que têm o perfil genético de maior risco. O estudo foi conduzido nos EUA envolvendo quase nove mil pessoas com idade maior que 54 anos e que foram seguidas por até 30 anos. O grupo de voluntários com maior risco genético foram aqueles que apresentavam pelo menos uma cópia da variante gênica APOE e4 que está associada a um maior risco da Doença de Alzheimer (pode aumentar o risco em até 12 vezes). Os que tinham ancestralidade europeia apresentavam em 27.9% dos casos a variante e4, e isso ocorreu em 40.4% de descendentes africanos. O grupo considerado de baixo risco era o que apresentava a variante e2 que está associada a um menor risco da doença (pelo menos 40% de redução de risco).

Para os descendentes europeus o risco de demência foi até 43% menor entre aqueles que melhor pontuaram numa escala dos sete hábitos descrito acima, independente do perfil genético. Já para os descendentes africanos com boa pontuação de hábitos, a redução de risco da doença foi de no máximo 17%.  

Como ainda não temos tratamentos que modificam o curso natural da Doença de Alzheimer, mudanças nos hábitos de vida são ferramentas preciosas para a prevenção da doença. E foi isso que o presente nos mostrou.

Um estudo recém-publicado por pesquisadores da Universidade de Exeter e Leeds, na Inglaterra, mostra que as pessoas que frequentemente experimentam o sentimento de solidão têm maior chance de ficarem desempregadas no curto e médio prazo, efeito que vai aumentando ao longo do tempo e é maior entre os homens. Aqui temos um círculo vicioso, já que pessoas desempregadas se sentem mais sozinhas.

A solidão está associada não só a transtornos psiquiátricos, como é o caso da depressão, mas a inúmeras doenças, especialmente a doença cardiovascular. É reconhecida como fator de risco comparável ao tabagismo e até pior que a obesidade e sedentarismo quando se pensa no sistema cardiovascular. Está associada também a pior desempenho cognitivo e menor satisfação com a vida. Quanto à influência sobre a empregabilidade, a solidão pode inibir a motivação pela busca de um trabalho ou promover um pior desempenho levando à demissão.

A pesquisa acompanhou mais de quinze mil pessoas no período pré-pandêmico de 2017 a 2020 com idades entre 16 e 65 anos. Chamou-me a atenção essa relação ser mais robusta entre os homens o que me fez lembrar dos efeitos positivos do casamento sobre a saúde física e financeira dos homens:

  • melhores salários e mais estabilidade no emprego
  • vida sexual mais satisfatória. Um estudo americano mostrou que 51% dos homens casados dizem estar extremamente satisfeitos com suas vidas sexuais, comparados a 36% no caso dos solteiros
  • melhor saúde física e mental. Nos EUA, homens casados vivem em média 10 anos a mais que os solteiros e, quando se fala em felicidade, 43% reportam que estão muito felizes, enquanto apenas 24% dos que moram juntos dizem o mesmo
  • os casados têm menos exposição a fatores de risco à saúde

Entre as mulheres, o casamento está associado a bons indicadores de saúde, mas só quando a satisfação com a união é alta. O dramático é que a maternidade está ligada à queda de empregabilidade e salário.

Temos várias evidências de que o uso exagerado das redes sociais, especialmente entre os adolescentes, está associado a sintomas depressivos e de ansiedade. Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Bath na Inglaterra, e publicada esta semana no periódico Cyberpsychology, Behaviour and Social Networking, mostrou que dar umas férias de uma semana às redes sociais (Tik Tok, Twitter, Facebook e Instagram) é capaz de promover efeitos positivos no bem estar psíquico e menores índices de ansiedade e sintomas depressivos. Os participantes e o grupo controle tinham idades entre 18 e 72 anos e usavam as redes sociais oito horas semanais em média. Outros estudos já haviam demonstrado efeitos positivos de pausas no uso das redes sociais, mas a presente pesquisa foi mais abrangente incluindo quatro diferentes plataformas.    

Nosso comportamento nas redes sociais é semelhante ao de ratinhos

Já foi demonstrado que o padrão de uso das redes sociais se assemelha muito a experimentos com ratinhos. Quanto mais suporte é dado pelos outros, mais frequentes são as publicações. Após repetidas vezes que o ratinho aciona a alavanca e é premiado com o alimento, mais frequentemente ele repetirá a ação. Quanto mais likes, mais acionamos a alavanca. O estudo foi publicado pela prestigiada revista Nature Communications.

O uso de smartphone exercita o mindset de recompensas rápidas

Você prefere ganhar 100 reais hoje ou esperar uma semana para ganhar 120?  Uma pesquisa indica que quanto mais usamos os smartphones, especialmente com jogos e aplicativos de redes sociais, maior a tendência em escolhermos a primeira alternativa: 100 reais agora.  


Já temos conhecimento da associação entre o uso excessivo de smartphones e comportamentos como abuso de álcool e outras drogas, assim como jogo compulsivo. O tempo de uso em aplicativos de compras, música e podcasts, e-mails não mostrou associação com o comportamento de impulsividade pela recompensa. 

Quando pensamos numa vida cheia de significado vem-nos à mente biografias que contribuíram sobremaneira com a sociedade como Nelson Mandela, Mahatma Gandhi, Martin Luther King, estre outros imortais.

Muitos acadêmicos reconhecem que você pode atingir uma existência com significado por três diferentes caminhos: 1) ter uma vida coerente e em harmonia com seus valores; 2) ter objetivos claros e satisfatórios no longo prazo; 3) acreditar que sua vida faz diferença num contexto maior. Essas formas também são conhecidas como coerência, propósito e importância existencial. Entretanto, os resultados de pesquisas publicadas recentemente pelo periódico Nature Human Behavior aponta um quarto caminho para incrementar a percepção de que a vida faz sentido.

Pense naquela paineira carregada de flores rosas que você encontra na esquina de casa logo pela manhã. Se você está aberto e sensível a esses pequenos momentos de beleza, poderíamos incluir a arte aqui, isso permitirá uma conexão com algo maior, a beleza inerente da natureza, fazendo com que você enxergue sua própria existência de outra forma. A isso se dá o nome de apreciação experencial. No modo cerebral de deixar o presente adormecido e virar a esquina sem se dar conta de que algo de espetacular está bem ao seu lado, pensando no boleto que está vencendo hoje, você perderá uma bela oportunidade.         

Pesquisadores de três diferentes continentes estudaram mais de 3000 indivíduos para entender como a apreciação experencial está associada com a percepção de uma vida com significado. Em um primeiro estudo, conduzido no início da pandemia por COVID, os participantes eram interrogados sobre a forma como eles aliviavam o estresse nesse período. Aqueles que tinham o hábito de modular o estresse através da apreciação da beleza natural também tiveram altos índices de percepção da vida com significado.       No segundo estudo, eles tinham que responder se concordavam ou não com afirmações como “Eu aprecio muito a beleza da vida”. Houve uma forte associação entre uma resposta afirmativa e sentido na vida, independente dos outros canais de fortalecimento dessa vivência (coerência, propósito e importância existencial). Finalmente, uma série de experimentos foram realizados em que os voluntários tinham que passar por tarefas. Uma delas, por exemplo, era a de assistir um documentário inspirador da BBC Planet Earth ou outros vídeos mais neutros como um tutorial de marcenaria. Aqueles que assistiram o Planet Earth reportaram que suas existências eram mais valiosas.

Os resultados confirmaram a hipótese dos pesquisadores ao mostrarem que apreciação de pequenas coisas pode fazer com que consideremos nossas vidas com mais sentido. Passar por uma lua cheia pensando na listinha de compras que precisa fazer no outro dia é viver no futuro e isso não faz o mínimo sentido. Assim a vida vai passando sem sentido. A vida acontece no presente momento.     

Por Dr. Ricardo Teixeira*

Estima-se que uma em cada duas pessoas apresentará pelo menos um episódio de perda de consciência ao longo da vida. Um colapso da circulação sanguínea do cérebro é o que explica a perda de consciência em grande parte dos casos e essa condição clínica é chamada de síncope. Quatro ou cinco segundos de fluxo sanguíneo cerebral de menor pressão são suficientes para levar à perda de consciência. 

São várias as causas de síncope, mas a mais comum é chamada de síncope vasovagal e, mais recentemente, de síncope neurocardiogênica.Ela acontece por um controle ineficiente do ritmo cardíaco e/ou do calibre dos vasos sanguíneos por parte do sistema nervoso em situações específicas como a posição em pé por tempo prolongado. Um quarto da população apresentará pelo menos um episódio deste tipo de síncope durante a vida e o componente genético dessa condição já é bem demonstrado.

Desmaiar ao ver sangue não é frescura.  

O fato de desmaiar ao ver sangue revela, na verdade, uma estratégia de sobrevivência, um mecanismo de adaptação da espécie ao longo da evolução. Essa estratégia é orquestrada pelo nosso sistema nervoso automático, também conhecido por autônomo, que é formado pelos componentes simpático e parassimpático.

Na síncope neurocardiogênica, o sistema parassimpático é ativado de forma intensa estimulando sua principal “ferramenta de trabalho”: o nervo vago. Isso provoca dilatação dos vasos e redução do batimento cardíaco, o que diminui o fluxo de sangue para os órgãos, incluindo o cérebro.

Estudos experimentais indicam que uma região do tronco cerebral é a responsável pela estimulação do nervo vago durante um episódio de síncope neurocardiogênica.  Quando um animal perde de 30% a 40% do volume de sangue e a pressão do sangue na região do tórax cai rapidamente, sensores de pressão localizados nas artérias informam essa queda ao tronco cerebral que estimula o nervo vago que provocará o colapso circulatório. Esse colapso é útil numa situação de hemorragia, pois em condições de baixas pressões, o processo de coagulação torna-se mais eficaz para estancar o sangramento. Esse sistema não é tão bem afinado, já que algumas pessoas têm esse mecanismo deflagrado mesmo numa situação de olhar para o sangue dos outros, mesmo que seja ao assistir um filme.

Desmaiar frente a uma emoção forte também não é frescura

Darwin já apontava um comportamento de defesa entre os animais que era o de  “se fazer de morto” quando eram ameaçados por um predador. Isso acontece especialmente se o comportamento clássico de sobrevivência de luta ou fuga não tem a mínima chance de sucesso. Há descrições dessa resposta em diversas formas de vertebrados que vão desde peixes, aves e até mamíferos. Os animais adotam uma imobilidade tônica, têm redução da frequência e amplitude das incursões respiratórias e o mais importante na nossa discussão: reduzem drasticamente a frequência cardíaca em até 85%. Em gatos, já foi demonstrado que, além da redução na frequência cardíaca, há redução súbita da pressão arterial.

Os predadores ao verem suas presas com aspecto de morto perdem o interesse, pois são atraídos por animais em movimento e já existem até experimentos mostrando que a imobilidade tônica confere vantagem de sobrevivência aos patos quando em meio a raposas.

*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e diretor clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Apoio

Acompanhe o quadro CUCA LEGAL com o Dr. Ricardo Teixeira na Rádio CBN Brasília às quartas-feiras no horário de 11:35h

Também às segundas no Correio Braziliense

ConsCiência no Dia a Dia – Vencedor Prêmio TopBlog 2009

VISITE O LABJOR

Siga no TWITTER

Twitter

TWITTER

    follow me on Twitter

    Blog Stats

    • 2.933.950 hits