.

Adolescentes que praticam exercícios físicos moderados e vigorosos têm melhores notas no colégio e os efeitos são mantidos no longo prazo. Essa é conclusão de um estudo publicado esta semana pelo periódico British Journal of Sports Medicine.

Os resultados são baseados na análise de quase 5000 crianças inglesas quando tinham inicialmente 11 anos de idade e reavaliados aos 13 e depois aos 15-16 anos. O nível de atividade física foi medido por um aparelho chamado de acelerômetro que fica acoplado a um cinto elástico.

O acelerômetro mostrou que aos 11 anos de idade os meninos tinham 29 minutos por dia de atividade moderada ou vigorosa, enquanto as meninas tinham 18, tempos bem menores que a recomendação de 60 minutos. O desempenho acadêmico em inglês, matemática e ciências foi medido pelas notas de exames e os resultados foram impressionantes: quanto mais atividade física melhor o desempenho nas três matérias nos três períodos avaliados. As meninas foram relativamente mais beneficiadas em ciências. Os autores especulam que os efeitos podem ser maiores ainda entre adolescents com uma atividade media de 60 minutos por dia.

A crescente preocupação com a competitividade que as crianças enfrentarão no futuro faz com que algumas escolas reduzam e até extingam atividades de educação física e educação artística. A presente pesquisa ajuda a repensar esses tipos de atitude.

A associação Americana para o Esporte e Educação Física publicou um relatório ainda no ano de 2002 com as recomendações de atividade física para as crianças pré-escolares. É desejável que elas tenham pelo menos uma hora de atividade física livre, através de brincadeiras, e uma hora de atividade estruturada sob a orientação do adulto, como é o caso da educação física na escola. Entre as crianças maiores, pelo menos uma hora de atividade física moderada ou vigorosa por dia é o mais recomendado.

Mas por que as notas escola são melhores entre aqueles que se exercitam mais?  Um cérebro turbinado parece ser uma das melhores explicações. Os efeitos positivos da atividade física sobre o cérebro já foram demonstrados através de variáveis fisiológicas que vão desde o aumento da perfusão sanguínea, metabolismo e tamanho do cérebro em determinadas regiões, até a modulação de sua própria atividade elétrica. O exercício físico promove ainda a secreção de diversas substâncias no cérebro como endorfina, endocanabinóides e fator neurotrófico derivado do cérebro, que têm efeito positivo no seu funcionamento, incluindo um melhor equilíbrio psíquico.

.

 

CBN-RICARDO[1]

Anúncios