oldman

 

 

Já é bem conhecido o efeito protetor do consumo leve a moderado de álcool sobre o sistema cardiovascular e uma nova pesquisa publicada no periódico American Journal of Epidemiology revela que os benefícios podem se estender a um envelhecimento com maior nível de independência física.

 

A pesquisa acompanhou mais de 4 mil americanos acima de 50 anos de idade. Consumo de álcool leve a moderado foi definido como menos de 15 doses por semana ou menos de cinco doses em um único dia para homens e menos de quatro doses para mulheres. Um consumo de álcool acima desses limites foi classificado como alto consumo e abstinência alcoólica como até 12 doses de álcool no último ano. Independência  foi determinada como a capacidade de realizar tarefas do dia-a-dia como vestir-se, alimentar-se, higiene pessoal, caminhar, etc.

 

Ao longo de 5 anos, os indivíduos com consumo leve a moderado de álcool tiveram menos risco de tornarem-se dependentes para atividades da vida diária quando comparado aos abstêmios e àqueles com alto consumo de bebida. Esse efeito protetor do consumo moderado de álcool só foi relevante entre indivíduos que no início do estudo se auto-avaliaram como tendo uma saúde boa ou ótima, sugerindo que os efeitos positivos do álcool já não são mais detectáveis entre aqueles que já têm um estado de saúde comprometido.

 

Pesquisas anteriores já haviam demonstrarado que o consumo moderado de álcool reduz o risco de doenças cerebrovasculares e demência, incluindo a Doença de Alzheimer. Essa pode ser uma das principais explicações para esse efeito benéfico do álcool no nível de independência física durante o processo de envelhecimento.

 

Ler também:

O cérebro parece se dar bem com baixas doses de álcool. Em altas doses ele pode se atrofiar.

 

 

 

 

iconepostsmall1

Anúncios