postpartum

 

 

Cerca de 13% das mulheres apresenta depressão no primeiro ano após o parto, e em países desenvolvidos como a Inglaterra, a depressão pós-parto é considerada a principal causa de mortalidade materna. Além disso, a depressão pós-parto pode ter sérias conseqüências para a família como um todo, especialmente as crianças, já que a doença pode reduzir a interação mãe-bebê, diminuindo assim as chances de um adequado desenvolvimento cognitivo e psicossocial.       

 

O problema é pouco diagnosticado e tratado, freqüentemente por causa de dificuldade em reconhecer os sintomas, falta de informação das opções terapêuticas e ainda pelo receio das mães em passar a serem estigmatizadas. Além disso, apesar do tratamento com medicações antidepressivas ser eficaz, muitas mulheres são relutantes em usá-lo, especialmente pelo fato de estarem amamentando. A última edição do British Medical Journal traz duas importantes evidências de que a prevenção e a intervenção psicológica podem ser ferramentas fundamentais para reduzir o impacto da depressão pós-parto.

 

Um dos estudos demonstrou que a intervenção psicológica semanal domiciliar reduziu o risco de depressão pós-parto em 40% entre mulheres inglesas. Nesse caso, as mulheres recebiam a visita semanal de agentes de saúde treinados para identificar a depressão pós-parto através de escala objetiva e também eram treinados a oferecer dois tipos de intervenção psicológica: sessões baseadas em psicoterapia cognitivo-comportamental ou centradas na pessoa. Ambas as abordagens foram igualmente eficazes na redução do desenvolvimento de depressão pós-parto e com resultados bem superiores ao do grupo controle que recebeu as visitas habituais de profissionais de saúde.

 

O outro estudo, realizado no Canadá, mostrou que suporte psicológico por telefone oferecido a mulheres com alto risco de depressão pós-parto reduziu pela metade o risco em desenvolver a doença. Esse suporte telefônico era oferecido por mulheres que sofreram de depressão pós-parto e que receberam treinamento para tal abordagem. As mulheres foram muito receptivas à intervenção e se mostraram satisfeitas com a experiência e mais de 80% delas recomendariam esse tipo de suporte a uma amiga.

 

O apoio psicológico individualizado, mesmo que por um leigo, é capaz de oferecer a sensação de pertencer a uma rede social podendo melhorar a auto-estima e o estado mental como um todo. Esse tipo de apoio por telefone assim como comunidades virtuais de ajuda mútua pela internet são estratégias de prevenção e apoio terapêutico que rompem barreiras geográficas e de dificuldades socioeconômicas e acessibilidade, e deverão ser cada vez mais fortalecidas como genuínas ações de promoção à saúde.

 

Ler também: Saúde, internet e comunidades virtuais de ajuda mútua   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

smallicone10

Anúncios