.

Um estudo recentemente realizado no Centro de Avaliação e Tratamento da Dor de Cabeça do Rio de Janeiro apontou que o vinho de uvas Cabernet Sauvignon provoca menos enxaqueca que vinhos de outras uvas como Malbec ou Tannat.

 

Vinhos da uva Tannat provocaram crises de enxaqueca em 51,7% das vezes, Malbec em 48,2% enquanto Cabernet Sauvignon e Merlot empataram em 30%. Eles tinham que beber meia garrafa de diversos tipos de vinho com intervalos de pelo menos quatro dias.

 

Uma possível explicação para essa diferença é o fato da uva Cabernet ter menor teor de taninos, compostos da família dos flavonoides, substancias que conhecidamente trazem benefícios    para o coração.

 

Para confirmar a teoria de que os taninos estão associados à enxaqueca, os pesquisadores, num segundo momento, resolveram testar dois vinhos do mesmo tipo, sendo um deles produzido na América do Sul e o outro na França. O Cabernet francês é um vinho com mais concentração de taninos do que os da América do Sul, que tem uma maturação mais rápida. Os pesquisadores confirmaram a suspeita: a taxa de enxaqueca do vinho francês foi de 60,9%, enquanto que a do sul-americano, de 39,1%.

 

É bem reconhecido que o vinho branco e os espumantes são muito mais inocentes quando se pensa em enxaqueca. Eles possuem um teor muito menor de flavonoides que os tintos. Entretanto, os flavonoides não parecem ser os únicos vilões. As frutas coloridas são riquíssimas nessas substancias e nem por isso provocam enxaqueca. O álcool por si só tem seu poder de desencadear crises, mas outros componentes devem estar envolvidos.

 

 

 

A pesquisa foi publicada na revista “Headache”, publicação da Sociedade Americana de Cefaleia.

 

Anúncios