mig

 

 

 

A enxaqueca é um transtorno neurológico geneticamente definido que chega a acometer até um quarto das mulheres em idade fértil e uma proporção três vezes menor de homens. Hoje sabemos que a enxaqueca vai muito além das famosas e terríveis dores de cabeça. Está associada a maior risco de uma série de outros problemas de saúde, entre eles ansiedade e depressão. Alguns estudos já identificaram um maior risco de suicídio entre jovens com enxaqueca, mas ainda não está bem definido se o risco é maior devido à maior freqüência de depressão nessa população. Uma pesquisa recém-publicada pela revista Neurology, periódico oficial da Academia Americana de Neurologia, revela que adolescentes com enxaqueca apresentam mais ideação suicida do que seus colegas sem enxaqueca, e parte desse risco foi independente da presença de depressão.  

 

Mais de quatro mil estudantes de Taiwan com idades entre 13 e 15 anos preencheram um questionário em sala de aula e 8.5% deles referiram ter pensado em suicídio no mês anterior.  Idéia de suicídio foi menos comum entre aqueles que viviam com ambos os pais biológicos, e mais comum entre as meninas, entre os que referiram outros sintomas de depressão e naqueles que se queixavam de dor de cabeça. Entre aqueles que tinham 7 a 14 crises de dor de cabeça por mês, 18% apresentavam ideação suicida e foi ainda maior (28,6%) quando a freqüência de dor era superior a 15 por mês.

 

Ao se avaliar o impacto das dores de cabeça nas atividades de vida diária através de uma escala, aqueles com baixa pontuação na escala tinham o mesmo nível de ideação suicida que o grupo como um todo. Entretanto, aqueles que apresentaram forte impacto das dores de cabeça nas atividades cotidianas (alta pontuação na escala), esses chegavam a apresentar uma freqüência de 44,4% de pensamentos suicidas. Além disso, o risco de ideação suicida foi maior entre aqueles com enxaqueca do que em outros tipos de dor de cabeça. No caso da enxaqueca com aura, que é quando além da dor de cabeça o indivíduo tem sintomas visuais (ex: estrelinhas) entre outros sintomas neurológicos, o risco de apresentar pensamentos suicidas chegou a ser 4.6 vezes maior do que entre os adolescentes sem história de dor de cabeça.

 

Futuros estudos deverão definir se o tratamento da enxaqueca é capaz de reduzir a freqüência de pensamentos suicidas entre adolescentes. Não se sabe também o quanto que idéias suicidas nessa população podem culminar em tentativas de suicídio. Os resultados dessa pesquisa precisam ser confirmados em populações de outras etnias, mas já nos alertam o quanto é importante a avaliação da dimensão psicológica de adolescentes com enxaqueca.

 

 

 

 

smallicone17

 

 

 

Anúncios