A poluição do ar tem sido crescentemente implicada no aumento do risco de doenças vasculares através da exacerbação da aterosclerose e conseqüente aumento do risco de infarto do coração e derrame cerebral. Os estudos que demonstraram essa associação documentaram o grau de poluição com partículas poluentes relativamente grandes (diâmetro < 10 mM). Reconhece-se atualmente que são as partículas menores (diâmetro < 0.18 mM) que representam maior risco às nossas artérias, e de longe, são as mais abundantes em um ambiente urbano, pois têm emissão fundamentalmente ligada à queima de combustível.

 

Uma pesquisa publicada há cerca de um mês na revista Circulation Research comprova em ratinhos que a exposição a essas pequenas partículas poluentes tem o poder de promover placas de aterosclerose nas artérias de forma muito mais potente que as partículas maiores.

 

Futuros estudos epidemiológicos deverão levar em conta a dosagem dessas partículas menores para reavaliação do impacto da poluição sobre as doenças vasculares e não será surpresa se for ainda maior do que foi demonstrado até o momento. Precisamos estar cada vez mais cientes da evolução desse problema e cobrar das autoridades do governo ações que evitem um novo tipo de “apagão aéreo”. Mas não é só cobrar. Devemos também assumir nossa parcela de responsabilidade e começar a ter atitudes em prol de um ar mais limpo. Se o seu trabalho fica próximo ao do seu vizinho, que tal um dar carona para o outro ?

  

 

Anúncios