É muito comum os médicos recomendarem aos seus pacientes que sofrem de enxaqueca que evitem a todo custo uma lista de estímulos como é o caso do estresse, locais muito iluminados e esforço físico intenso. Isso pode ter seu lado negativo, já que algumas pessoas podem chegar a evitar qualquer tipo de atividade física.

 

Pesquisadores da Universidade de Copenhagen acabam de publicar uma pesquisa no periódico oficial da Academia Americana de Neurologia mostrando que esses fatores parecem não fazer tanta diferença assim na vida de quem tem enxaqueca.

 

A pesquisa envolveu cerca de 30 pacientes com enxaqueca com aura, que é o tipo de enxaqueca que vem acompanhada de sintomas neurológicos como flashes luminosos, alteração da sensibilidade de um lado do corpo ou até mesmo dificuldade em falar. Todos os voluntários tinham a percepção de que o exercício vigoroso ou exposição a muita luz eram fatores desencadeantes de suas crises de enxaqueca. Eles foram então expostos a esses estímulos para ver o quanto realmente provocavam uma crise e isso foi feito com uma prova de bicicleta de uma hora que alcançava 80% da freqüência cárdica máxima e exposição a luz intensa e com piscamento por 30-40 minutos.

 

Apenas 11% dos participantes do estudo apresentaram uma crise de enxaqueca após os testes. Nenhum deles apresentou crise após o estímulo visual isolado. Esta foi  a primeira vez que um estudo experimental de provocação de crises  foi conduzido e os resultados apontam que as orientações ao paciente com enxaqueca podem ser menos radicais quando o assunto é exposição aos famosos estímulos ambientais que podem nem ser tão  malvados assim.

 

smallicone2

Anúncios