Pesquisadores da Universidade Duke nos EUA e Singapura demonstraram, através de Ressonância Magnética Funcional e testes psicológicos, que uma noite sem dormir muda a forma como o cérebro processa a chance de ganhar ou perder. O estudo foi publicado neste mês pelo periódico especializado Journal of Neuroscience

 

Foram estudados 29 adultos com uma média de idade de 22 anos. Cada voluntário era solicitado a participar em dois dias diferentes de um jogo especialmente criado para esse tipo de estudo e que envolvia decisões financeiras. No primeiro dia, o jogo era aplicado às 8h da manhã, após uma noite de sono habitual. Na segunda vez, os testes eram realizados às 6h da manhã, após privação total de sono durante a noite.

 

Os resultados apontaram que uma noite sem dormir provocou aumento de atividade cerebral em regiões que processam expectativas otimistas (córtex prefrontal ventromedial) e reduz a atividade de outras que processam expectativas pessimistas (córtex da insula anterior). Além disso, testes psicológicos evidenciaram que a falta de sono fez com que os voluntários assumissem mais escolhas que enfatizavam a chance de ganho financeiro e menos escolhas que reduziam o risco de perdas. Os voluntários mostraram-se mais sensíveis a recompensas e com menor sensibilidade a conseqüências negativas.

 

Já é bem conhecida a redução do desempenho de atenção, memória e aprendizado quando se fica sem dormir, mesmo que por uma única noite. Essa é a primeira vez que se demonstra que a privação de sono muda a forma que o cérebro analisa valores de risco, tanto do ponto de vista comportamental como de imagem cerebral, e independente do nível de atenção.

  

As repercussões no dia a dia desse tipo de mudança de comportamento do cérebro não devem ser tão inocentes. Já sabemos que problemas de sono só perdem para o álcool como causa de desastres no trânsito, especialmente pela redução da atenção e dos reflexos. Imaginem só se ainda adicionamos a essa mistura uma pitada de comportamento valente e de risco.

 

Anúncios