A percepção e o interesse da população brasileira pela ciência melhoraram significativamente nos últimos quatro anos. É o que revela a pesquisa “Percepção Pública da Ciência e Tecnologia no Brasil”, realizada em 2010 com cerca de duas mil pessoas em várias regiões do País e divulgada nesta semana.

A Pesquisa Nacional foi promovida pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), com a colaboração da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), entre outras instituições, como a Fiocruz e a Unicamp.

O objetivo principal do trabalho foi fazer um levantamento do interesse, grau de informação, atitudes, visões e conhecimento que os brasileiros têm da Ciência e Tecnologia, tendo como público-alvo a população brasileira adulta, homens e mulheres e jovens com idade igual ou superior a 16 anos.

Em relação à pesquisa similar realizada em 2006, o percentual de pessoas interessadas ou muito interessadas em ciência passou de 41% para 65%, em 2010. 

Interesse ou muito interesse por temas específicos
Saúde 81%
Meio Ambiente 83%
Religião 74%
Economia 71%
Ciência e Tecnologia 65%
Esportes 62%
Arte e Cultura 59%
Moda 44%
Política 29%

 

Para aqueles interessados ou muito interessados em Ciência e Tecnologia, o assunto de maior interesse dos voluntários da pesquisa foi Ciência da Saúde (30.3%) seguido por Informática e Computação (22.6%). Astronomia foi considerado de interesse para 1.6% dos entrevistados.

Assuntos de interesse em Ciência e Tecnologia
Ciência da Saúde 30.3%
Informática e Computação 22.6%
Agricultura 11.2%
Engenharias 8.4%
Ciências Biológicas 6%
Ciências Físicas e Químicas 3.8%
Matemática 3.7%
Ciências da Terra 3.7%
Ciências Sociais 3.7%
História 3.3%
Astronomia e Espaço 1.6%

 

Para aqueles pouco interessados em Ciência e Tecnologia, 36.7% relataram que é porque não entendem, 19.5% porque nunca pensaram sobre o assunto, 17.8% por falta de tempo e 10.4% porque não gostam.

Razões para pouco interesse em Ciência e Tecnologia
Não entende 36.7%
Nunca pensou sobre isso 19.5%
Não tem tempo 17.8%
Não gosta 10.4%
Não liga 9.7%
Não precisa saber sobre isso 3.6%

 

Os voluntários responderam que as fontes de informação em Ciência e Tecnologia que eles julgam ter maior credibilidade foram os médicos (27.6%), jornalistas (19.9%) e cientistas de universidades (12.3%). Cerca de 40% dos entrevistados responderam que não estavam satisfeitos, ou estavam apenas parcialmente satisfeitos com a divulgação científica feita pelos meios de comunicação.  Mais de 70% justificam a insatisfação pelo pequeno número de matérias e cerca de 60% porque as matérias são de difícil compreensão.  

 

Os entrevistados reconheceram a melhoria da saúde e prevenção de doenças como o maior benefício da Ciência e Tecnologia (26.1%) seguido pela melhora da qualidade de vida (19.1%).

 

Confira um bate-papo sobre este assunto com o Dr. Ricardo Teixeira e Estevão Damasio na Rádio CBN Brasília no dia 14 de janeiro 2011.

 

 

 

Clique aqui e veja os resultado da pesquisa 2010 na íntegra,   

pesquisa similar realizada em 2006  e

 pesquisa CNPQ 1987 sobre percepção de Ciência e Tecnologia 

 

Anúncios