A revista The Lancet (resumo em inglês) publicou neste mês de dezembro uma importante pesquisa que apontou que o uso diário de aspirina está associado a uma redução dos índices de mortalidade de vários tipos de câncer.

 

Os pesquisadores analisaram oito estudos para prevenção de eventos vasculares que envolveram mais de 25 mil pacientes que usaram aspirina por pelo menos quatro anos. Dos oito estudos, três foram conduzidos na Inglaterra, dois na Escócia, um na Suécia, um nos Estados Unidos e outro no Japão. Os resultados mostraram que o uso diário de aspirina reduziu em 20% o risco relativo de mortalidade por câncer e, após cinco anos do uso da medicação, essa redução de risco chegou a 34%. Diferentes doses de aspirina foram utilizadas, mas doses maiores que 75mg por dia não trouxeram maiores benefícios. Além disso, os achados foram consistentes nos oito estudos, sugerindo que os números não devem ser muito diferentes em populações não incluídas nesta pesquisa.   

 

Pesquisas anteriores já haviam demonstrado que o uso diário da aspirina tem o poder de reduzir o risco de câncer, especialmente o câncer do intestino grosso, onde os resultados são mais consistentes. As evidências do fator protetor da aspirina sobre outros tipos de câncer eram muito frágeis e o atual estudo dá um grande passo nesse sentido: após cinco anos de uso diário da medicação, já se consegue detectar menor mortalidade por câncer de esôfago, pâncreas, cérebro e pulmão. No caso dos cânceres de estômago, próstata e intestino grosso, os efeitos benéficos da medicação são ainda mais tardios. 

 

Esses resultados deverão ter grandes implicações na prática clínica, especialmente para aqueles pacientes que usam medicações antiplaquetárias para prevenção de eventos vasculares. Não é incomum encontrarmos pessoas com fatores de risco vascular como diabetes e hipertensão arterial usando aspirina para prevenir eventos cardiovasculares (infarto do coração e o derrame cerebral). A aspirina é muito bem indicada para quem já apresentou um desses eventos cardiovasculares, e é o que se chama de prevenção secundária. Quanto à prevenção primária, ou seja, prevenir um primeiro evento cardiovascular, os estudos têm demonstrado que a medicação não é eficaz mesmo em pacientes com maior risco de eventos, como é o caso dos diabéticos. Novas pesquisas deverão contemplar também o fator prevenção de câncer na equação de riscos e benefícios, o que pode mudar as atuais recomendações.  

 

Não podemos nos esquecer que muitas pessoas não toleram a aspirina e que ela é considerada uma das dez medicações que mais causam efeitos adversos, especialmente sintomas gastrintestinais e sangramentos. O desenvolvimento de novas fórmulas de seu princípio ativo com maior proteção gástrica pode minimizar parte dos efeitos colaterais.

 

Todo adulto já deveria começar então a usar uma pílula de aspirina por dia para prevenir o câncer? A resposta por enquanto é um inequívoco NÃO. A pesquisa publicada pelo The Lancet foi a primeira a evidenciar esse efeito da aspirina em diversos tipos de câncer e consolidou aquilo que já se conhecia melhor no caso do câncer do intestino grosso. Precisamos aguardar novas pesquisas que deverão definir qual a melhor dose de aspirina, qual a melhor idade para se começar a medicação e por quanto tempo ela deve ser usada, e em quais segmentos da população adulta os benefícios da medicação superam os potenciais efeitos colaterais. Para HOJE, podemos continuar fazendo o dever de casa do dia a dia para a prevenção de câncer:

 

1. ficar longe do cigarro;

2. respeitar o sol;

3. não exagerar no álcool – melhor ainda é nem beber;

4. seguir uma dieta saudável com muitas verduras, frutas e grãos integrais, pouca carne vermelha e do tipo processada (ex: salsichas);

5. manter o peso sob controle e atividade física diária por pelo menos 30 minutos;

6. conversar com o médico de confiança sobre os exames necessários para prevenção de câncer, em que época e com que freqüência fazê-los.

 

Anúncios