Resfriados são menos comuns e menos fortes em quem faz atividade física regular. Essa é a conclusão de uma pesquisa divulgada nesta semana pelo British Journal of Sports Medicine.

 

Cerca de mil americanos adultos com até 85 anos foram estudados por 12 semanas durante o outono e inverno do ano de 2008. Quatro de cada dez voluntários tinham menos de 40 anos e um em cada quatro tinha mais de 60 anos. Sessenta por cento deles eram mulheres.

 

Todos os participantes do estudo foram avaliados quanto ao nível de atividade física aeróbica e foram submetidos a uma auto-avaliação de preparo físico por uma escala de dez pontos já bem validada.  Responderam também a questionários que avaliavam sintomas de resfriado, hábitos de vida e ocorrência de eventos recentes que tenham provocado estresse psicológico, já que esses podem afetar a resposta do sistema imunológico.  

 

Os resultados mostraram que o número de dias com sintomas de resfriado foi maior no inverno: uma média de 13 dias no inverno e 8 dias no outono. O número de dias com sintomas de resfriado foi cerca de DUAS VEZES MENOR entre aqueles que se sentiam em boa forma física e relatavam fazer atividade física pelo menos cinco vezes na semana quando comparados àqueles que se exercitavam apenas uma vez por semana ou até menos que isso.  A severidade dos sintomas era 41% menor entre aqueles que se sentiam em forma e 31% menor naqueles que se exercitavam mais.

Pesquisas anteriores já haviam demonstrado associação entre atividade física moderada e menor risco de resfriados. Porém, nenhuma delas usou uma ferramenta bem validada que tenha medido de forma objetiva os sintomas, como foi o caso do presente estudo.

 

O efeito protetor da atividade física contra infecções se dá pelo aumento temporário de anticorpos e células de defesa do corpo e, apesar do sistema imunológico retornar ao nível basal após poucas horas, cada um desses incrementos é capaz de melhorar a defesa contra microorganismos agressores. Por outro lado, sabe-se que a atividade física exagerada pode levar a uma disfunção do sistema imunológico, inflamação e estresse oxidativo, aumentando o risco de infecções. Pesquisas também apontam que atletas profissionais podem ter o sistema imunológico menos vulnerável a essas atividades extenuantes.  

 

Diferente da gripe que é causada por um único tipo de vírus, o Influenza, os resfriados são causados por mais de 200 diferente vírus, o que faz com que uma vacina anti-resfriado seja uma realidade muito distante. Entretanto, as pesquisas têm demonstrado que o exercício físico regular tem muito a ajudar na prevenção do problema. Pouco estresse no dia a dia, sono regular e dieta equilibrada também têm o seu papel.

 

* E a vitamina C? As evidências científicas apontam que seu uso como profilaxia de resfriados é justicável em situações de atividade física ou clima frio severos.  Como tratamento, ou seja, depois dos sintomas instalados, a vitamina C não ajuda.

 

 

** CLIQUE AQUI e confira um bate-papo sobre o assunto com o Dr. Ricardo Teixeira e o jornalista Estevão Damasio no dia 05 de novembro 2010 na Rádio CBN Brasília.

 

Anúncios