art2 

 

O jornalismo é freqüentemente criticado por divulgar conteúdo sensacionalista, e no caso do jornalismo em saúde, critica-se que muitas matérias supervalorizam os resultados de uma pesquisa e ainda deixam de reportar suas limitações. Um exemplo bem ilustrativo é uma recente publicação por uma das mais importantes agências de notícias do mundo: “Maconha pode preservar memória na velhice, sugere estudo”. Parece até que é bom fumar maconha quando jovem para prevenir a Doença de Alzheimer. Na verdade a matéria trata de estudos experimentais com ratinhos em busca de uma droga sintética que ao se ligar nos mesmos receptores que atua a maconha no cérebro, poderia então reduzir alterações inflamatórias que colaboram para o desenvolvimento da Doença de Alzheimer. Isso está bem longe da chamada “Maconha pode preservar memória na velhice”, e nesse caso específico, ao lado do título ainda tem um jovem fumando um cigarro de maconha.   

 

Mas será que está só nas mãos dos jornalistas a responsabilidade pela qualidade das matérias em ciências da saúde divulgadas pela mídia? Um estudo recém-publicado pelo periódico Annals of Internal of Medicine sugere que os institutos de pesquisa têm muito a colaborar para a melhoria da qualidade da informação que chega até o público leigo.

 

Com a suspeita de que parte daquilo que se aponta como sensacionalista tenha origem nos próprios comunicados de imprensa disponibilizados pelos institutos de pesquisa, pesquisadores americanos avaliaram sistematicamente os comunicados de imprensa de vinte diferentes institutos de pesquisa. A análise desses comunicados revelou que cada instituição disponibilizava uma média de 49 comunicados por ano. Dentre os comunicados analisados, quase metade (44%) era referente a estudos laboratoriais ou experimentos com animais, sendo que 74% desses frisavam de forma explícita a potencial relevância do estudo para a saúde humana. Ao se analisar os estudos realizados em humanos, 23% omitiu o tamanho da amostra estudada e 34% não quantificou os resultados. Apenas 17% dos comunicados de pesquisas com humanos eram referentes a pesquisas com metodologia robusta (ex: estudos randomizados, metanálises). Por outro lado, 40% dos estudos tinham metodologia frágil (ex: pequeno número de participantes, resultados ainda não publicados), sendo que desses, 58% não fizeram qualquer menção quanto a estas limitações.

 

Os resultados dessa pesquisa são consistentes com o que já havia sido demonstrado no caso de comunicados de imprensa disponibilizados pela indústria farmacêutica e até mesmo pelos periódicos científicos: os comunicados costumam promover pesquisas preliminares sem alertar o leitor, no caso os jornalistas, os cuidados necessários para o julgamento da relevância e validade dos resultados.  Os pesquisadores também têm sua participação nessa história, já que muitas vezes o entusiasmo de suas participações nos comunicados vão além daquilo que se pode considerar compatível com os resultados da pesquisa. A geração de um menor número de comunicados de imprensa por parte dos centros de pesquisa, mas com maior qualidade, pode melhorar sobremaneira a informação em saúde que chegará aos jornalistas, e consequentemente, à sociedade como um todo.

 

** Leia também os demais artigos da categoria JORNALISMO em SAÚDE

 

 

ICONEPOSTsmall

Anúncios