piano1

 

 

Temos uma série de evidências de que crianças que aprendem a tocar um instrumento musical na infância têm ganhos significativos em habilidades motoras e auditivas e que também são utilizadas em diversas outras situações do dia-a-dia. Além disso, pesquisas já demonstraram que o aprendizado musical na infância pode aumentar o desempenho em outras dimensões cognitivas como habilidades espaciais, matemáticas, de linguagem verbal, e até mesmo uma associação com maior QI e desempenho acadêmico na idade adulta.

 

Um novo estudo publicado esta semana no periódico PloS ONE confirma parte desses achados ao mostrar que crianças que tiveram aprendizado musical por pelo menos três anos apresentam melhor desempenho motor e auditivo como também  uma melhor habilidade verbal e de raciocínio não verbal. Uma das formas de explicar os resultados é o próprio efeito estimulante do estudo da música sobre o cérebro. Por outro lado, as crianças que recebem educação musical podem na verdade terem pais mais dedicados ao processo educacional dos filhos como um todo. Além disso, crianças que passam anos no processo de educação musical podem ser genuinamente mais persistentes e motivadas do que aquelas que começam e desistem logo em seguida. E se são mais persistentes para a música, têm chance de serem mais persistentes também nas tarefas da escola.

 

Essa nova pesquisa é a divulgação de resultados parciais de um grande estudo longitudinal conduzido por pesquisadores de Harvard e que devem num futuro próximo nos trazer respostas mais precisas de quais desses mecanismos são os mais relevantes para explicar a relação entre a música e o sucesso cerebral das crianças.

 

 

iconepostsmall1

Anúncios