O acidente vascular cerebral, ou AVC, é a perda súbita de função de uma parte do cérebro devido à obstrução do vaso sanguíneo que nutria esta região, ou por rompimento deste vaso, extravasando sangue para dentro do cérebro. Representa uma das três principais causas de morte em todo o mundo e no Brasil é a principal causa de morte. Com o crescente envelhecimento da população, deve passar a ser ainda mais freqüente, já que é mais comum entre os idosos.

 

O AVC deve ser visto como um “ataque cerebral” e quanto mais cedo o tratamento é iniciado, menor a chance do indivíduo vir a apresentar seqüelas ou morrer. No caso do AVC por obstrução de um vaso (AVC isquêmico), novos tratamentos que permitem a desobstrução do vaso na sua fase hiperaguda tornam imperativo que os serviços hospitalares estejam preparados para trabalhar com a mesma rapidez e eficácia que uma equipe de fórmula 1 na hora da troca de pneus. Tais medicações são eficazes se usadas nas primeiras três horas após o início dos sintomas, e por isso deve-se ter sempre em mente que TEMPO=CÉEBRO. Após três meses do AVC, pacientes submetidos ao tratamento trombolítico (medicação endovenosa para desobstrução do vaso) têm 25% de chance de apresentar seqüelas e 40% de chance naqueles que não usam tais medicações.

 

Mesmo em países desenvolvidos, nem 5% dos pacientes com AVC são submetidos ao tratamento trombolítico. Não adianta um hospital ter moderna tecnologia se não tiver equipe treinada para atender um AVC. Também não adianta o milionário que mora longe de um centro especializado no tratamento do AVC pegar o seu jatinho particular, pois o tempo gasto durante a viagem pode fazer com que se perca a chance de salvar o cérebro em processo de destruição. Outro fator que contribui para a limitada indicação do tratamento trombolítico é o reduzido conhecimento sobre os sinais e sintomas do AVC pela população, fazendo com que muitos procurem assistência médica tardiamente.

 

Os desafios para se conseguir reduzir a morbidade e mortalidade do AVC são gigantes. Além de campanhas de prevenção e conscientização da população, o estado precisa se equipar de centros especializados de AVC. Num país continental como o Brasil, isso pode parecer inalcançável, mas a telemedicina pode mudar essa história. A telemedicina permite que centros especializados se comuniquem em tempo real com outros centros através de telefonia digital ou videoconferência. A última edição da revista Lancet Neurology publicou importantes resultados sobre o uso da telemedicina no tratamento do AVC agudo. Um centro especializado em AVC nos EUA assistiu mais de 200 pacientes com AVC na fase hiperaguda em hospitais remotos através de videoconferência ou consulta telefônica. Uma análise posterior à decisão do tratamento por um painel de experts revelou que as decisões foram corretas em 98% dos pacientes assistidos por videoconferência e em 82% daqueles assistidos por consulta telefônica.  Além disso, foi alta a indicação do tratamento trombolítico (25%).

 

As evidências ainda não são definitivas, mas vão se tornando cada vez mais robustas para que hospitais localizados em regiões distantes de centros especializados no tratamento do AVC invistam na teletrombólise. Esse é um fértil caminho para que o AVC deixe de ser a principal causa de morte no nosso país.

 

 

Anúncios