É bastante comum vermos pessoas colocando a culpa de suas queixas de memória no cérebro que não é mais jovem. Na verdade, o envelhecimento cerebral normal provoca apenas discretas mudanças no desempenho cognitivo após os 50-60 anos de idade, muitas vezes só detectáveis através de testes rigorosos. Na maioria das vezes, porém, as queixas de memória têm mais relação com quadros de ansiedade, depressão, transtornos do sono e o estresse do dia-a-dia do que com doenças cerebrais propriamente ditas.

 

Infelizmente, algumas pessoas à medida que envelhecem começam a ter queixas de memória de forma mais intensa, podendo evoluir para a demência. A definição de demência é o acometimento de diversas dimensões do pensamento que chega a comprometer a capacidade de um indivíduo em realizar suas atividades habituais. Entre o envelhecimento cerebral normal e a demência, podemos encontrar pessoas que estão no meio do caminho, e essa é uma condição chamada de transtorno cognitivo leve.

 

Idosos com transtorno cognitivo leve costumam apresentar dificuldades significativas de memória com outras funções cognitivas preservadas, sem que isso atrapalhe de forma expressiva suas atividades diárias. Outros apresentam uma variante em que a memória é preservada enquanto outras funções estão acometidas. Nem todas as pessoas que apresentam transtorno cognitivo leve apresentarão demência no futuro, mas a grande maioria apresentará sim. A cada ano, cerca de 15% de idosos com diagnóstico de transtorno cognitivo leve  receberá o diagnóstico de demência, comparado a menos de 1% para idosos sem o problema.

 

As causas mais comuns tanto do transtorno cognitivo leve como da demência são a Doença de Alzheimer e a Demência Vascular, esse último o resultado da destruição de partes do cérebro por doença dos vasos sanguíneos. Investir na saúde dos nossos vasos cerebrais é uma das melhores atitudes que podemos ter para reduzir nosso risco de demência (PREVIDÊNCIA VASCULAR, COMEÇE JÁ A SUA). E sabemos que um dos maiores inimigos dos nossos vasos é o diabetes, que ao longo dos anos vai silenciosamente comprometendo-os, aumentando a chance de lesões cerebrais.

 

Um estudo publicado na última edição da revista Archives of Neurology (Associação Médica Americana) traz mais uma confirmação que para termos um envelhecimento cerebral saudável, devemos a todo custo evitar o desenvolvimento do diabetes e a atividade física regular mantendo o peso em dia é o dever de casa básico. Para quem já apresenta a doença, o dever de casa é o mesmo, acrescido de um controle rigoroso da doença. Uma grande série de idosos americanos com o diagnóstico de transtorno cognitivo leve foi comparada a idosos sem problemas cognitivos. A freqüência do diagnóstico de diabetes não foi diferente entre os grupos, mas o grupo que apresentava transtorno cognitivo leve apresentou diabetes de forma mais complicada que o grupo controle: início do diabetes mais cedo na vida, mais anos de doença e maior necessidade do uso de insulina. E a influência do diabetes sobre o funcionamento cerebral vai além do comprometimento dos vasos sanguíneos, pois também há evidências de que a doença pode promover alterações cerebrais semelhantes às encontradas entre indivíduos com a Doença de Alzheimer.

 

 

 

  

Anúncios