´

O cogumelo do sol, Agaricus blazei Murrill, foi descoberto no interior de São Paulo ainda na década de 60 e então levado ao oriente onde seu uso é bastante popular, especialmente no Japão. No Brasil difunde-se a idéia de que seus efeitos medicinais podem ser úteis na prevenção e tratamento de diversas doenças: câncer, aterosclerose, diabetes, colesterol alto, doença cardíaca, etc. Uma série de estudos em tubos de ensaio e em animais já foi realizada na tentativa de testar se há realmente benefício em se usar os cogumelos. Entretanto, pouquíssimos estudos em humanos foram feitos até o momento, já tendo sido demonstrados efeitos de redução de peso, da pressão arterial e colesterol e até redução de reações adversas à quimioterapia e melhora de marcadores imunológicos em pacientes com câncer.

 

Não sabemos exatamente quais componentes do cogumelo do sol são responsáveis pelos poucos efeitos já demonstrados sobre nossa saúde e nem mesmo temos pesquisas que tenham avaliado seus efeitos a longo prazo. Além disso, sabemos que o cogumelo do sol apresenta em sua composição substâncias da família das hidrazinas aromáticas (ex: aritina), comprovadamente cancerígenas em estudos com animais. A conclusão é óbvia. Faltam estudos para que tenhamos segurança em usar o cogumelo do sol, qualquer que seja sua indicação. 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios