´

Há quase três décadas pesquisadores buscam o desenvolvimento de algum teste que possa prever com alta confiabilidade o desenvolvimento da Doença de Alzheimer numa determinada pessoa. A importância desse tipo de teste é que  poderia permitir ações preventivas e tratamento de forma precoce, aumentando a chance de um envelhecimento com sucesso. A Doença de Alzheimer é geneticamente definida, e não necessariamente hereditária. Indivíduos que têm parentes de primeiro grau com a doença têm uma chance só um pouquinho maior (pouquinho mesmo) de vir a apresentar a doença. Essa chance é um pouco maior quando a doença acontece na família de forma precoce, antes do 60 anos de idade.

 

Em fevereiro de 2008 foi publicado um estudo realizado pela Mayo Clinic nos EUA (Ertekin-Taner et al.) que dá mais fôlego ainda na busca de um marcador no sangue da Doença de Alzheimer. O fato é que diferentes marcadores genéticos no sangue e no líquido da espinha têm sido testados, com vários resultados positivos até o momento, mas ainda insuficientes para serem indicados na prática clínica. Além disso, mesmo quando esses testes preditivos forem indicados, eles só deveriam ser solicitados por serviços que ofereçam um protocolo estruturado e multiprofissional para aconselhamento, avaliação e acompanhamento pré e pós-teste, devido às complexas conseqüências psicossociais associadas a esse tipo de testagem.

 

 

 

 

 

 

Anúncios