.

Por Dr. Ricardo Teixeira*

.

Testes de QI mostram que as pessoas têm apresentado melhor desempenho de geração em geração, fenômeno intrigante conhecido por efeito Flynn, pesquisador que inspirou o termo por ter sido o primeiro a demonstrá-lo na década de 1980. Nosso QI tem mais chance de ser maior que dos nossos pais, enquanto o dos nossos filhos será maior que os nossos. Discute-se que os fatores mais implicados nesse incremento são o educacional e o nutritivo.

 

Porém, essa curva ascendente do século 20 entrou em queda nas últimas décadas. Estamos ficando mais burrinhos?

 

Alguns estudos vêm demonstrando redução no QI nos últimos anos em alguns países ocidentais e as principais hipóteses levantadas pelos cientistas para explicar esse declínio são todas elas de fundo ambiental.

Qual a sua aposta?

– redução da qualidade de ensino?

– superexposição às mídias eletrônicas?

– piora nos padrões de saúde e nutrição?

-imigração?

-QI já não é um bom método para mensurar habilidades cognitivas, especialmente depois do advento da internet?

Anúncios