O smartphone atrapalha seu exercício físico na esteira se você falar ao telefone ou digitar um texto. Entretanto, ele pode melhorar seu desempenho se você estiver o usando para ouvir música.  Essa é a conclusão de um estudo recém-publicado nesta última semana por pesquisadores americanos na prestigiada revista PLoS ONE.

Eles estudaram 44 voluntários (média de 22 anos de idade) na esteira que fizeram testes em quatro dias diferentes em cada uma das seguintes modalidades: sem celular, com celular falando ao telefone, com celular digitando uma mensagem, com celular ouvindo música de uma playlist própria.  Durante os testes foram monitorados a velocidade alcançada, freqüência cardíaca e o prazer durante o teste, Aqueles que ouviram música tiveram mais prazer no teste e também foram os que tiveram o melhor desempenho cardiorrespiratório e de velocidade. Aqueles que falaram ao celular também tiveram mais prazer, mas perderam em velocidade e mantiveram a freqüência cardíaca.  Já digitar uma mensagem piorou tanto a velocidade como o desempenho cardiorrespiratório, sem influenciar o prazer.

Atividade física e música: uma dupla poderosa

Até há pouco tempo, competições esportivas como maratonas liberavam o uso de aparelhinhos de música com fones de ouvido, mas hoje em dia isso não é permitido. São duas as justificativas: pela segurança do atleta e para não criar desvantagens para aquele que não compete com o aparelho.

Nos últimos dez anos muito se avançou no entendimento desse binômio música / atividade física. Já em 1911, o pesquisador Leonard Ayres observou que os ciclistas pedalavam mais rápido quando tinha uma banda de música na rua do que quando não tinha. Música diminui a percepção da dor, da fadiga e do esforço despendido, melhora o estado de humor e aumenta a resistência. A música melhora o desempenho em atividades como corrida e natação, sem que a pessoa nem tenha consciência disso.

 

Qual é a melhor música?

A maioria das pessoas tem um instinto para sincronizar os movimentos e expressões com o ritmo da música. As conexões diretas entre o sistema auditivo e motor são os pilares desse instinto.

. O ritmo de dois batimentos por segundo parece ser a preferência inata da maioria das pessoas. Um estudo avaliou mais de 70 mil músicas pop e mostrou que o pulso mais comum era o de dois por segundo – 120 por minuto. Quando as pessoas são solicitadas a batucar os dedos ou caminhar, esse é o ritmo mais comumente observado.

A sincronia com o ritmo musica promove o uso de energia de forma mais eficiente, com menos ajustes para a coordenação. A relação entre a música e o movimento no cérebro é íntima. Ao ouvirmos uma música agradável, há um aumento da atividade elétrica de várias regiões do cérebro responsáveis pelos movimentos. Uma pesquisa demonstrou que o consumo de oxigênio é 7% menor quando se pedala sincronizado com a música. Já existem até aplicativos que selecionam as músicas de acordo com a frequência cardíaca.

Ritmo acelerado não é tudo. As memórias e emoções evocadas pela música fazem muita diferença. Distração é outra forma de explicar o poder da música durante a atividade física. A música nos distrai dos alarmes do corpo de que já chegamos no limite. Essa distração também pode facilitar acidentes e por isso devemos ficar bem atentos e ter consciência de que em algumas situações a música é incompatível com segurança.

Anúncios