Na década de 1950,  dois pesquisadores americanos, Simons e Emmon, conduziram um experimento que deu um certo banho de água fria nas expectativas da capacidade do cérebro aprender dormindo.  Eles fizeram quase cem  perguntas a um grupo de voluntários e em seguida deram as respostas numa gravação enquanto dormiam. O resultado foi que ninguém aprendeu nenhuma das respostas e assim concluíram que o aprendizado durante o sono seria praticamente impossível.  Mas a ciência não parou por aí.

 

Nos últimos 20 anos, uma série de estudos tem contestado os resultados pioneiros de Simons e Emmon. Este ano, duas importantes pesquisas foram publicadas pelo prestigiado periódico Nature Neuroscience demonstrando que nosso cérebro, enquanto dorme, é capaz de aprender, reativar memórias e solidificar conteúdos recém-aprendidos. 

 

Na primeira pesquisa, voluntários, após aprenderem a tocar uma melodia num teclado eletrônico, tinham melhor desempenho na sua execução após dormirem ouvindo o que aprenderam.  

 

Em um segundo estudo, um grupo de pessoas era apresentado a certos padrões sonoros seguidos de odores enquanto dormia. No outro dia, elas não se lembravam nem dos sons nem dos cheiros, mas os mesmos estímulos sonoros eram capazes de provocar o reflexo de fungar, tanto no estado de sono como em vigília. Esse é um reflexo arcaico em que inspiramos profundamente quando sentimos um cheiro agradável.  

 

O aprendizado só era transferido do estado de sono para a vigília quando o estímulo acontecia no sono não-REM, fase do sono crucial para a consolidação da memória.  Já durante o sono REM, padrão de sono que é mais influenciado pelos estímulos do ambiente, quando o cérebro está dormindo “meio acordado”, a resposta era até mais pronunciada quando testada durante o sono, mas o aprendizado não era transferido para o estado de vigília. Isso pode acontecer devido a um estado de amnésia característico dessa fase do sono que faz com que os sonhos freqüentemente não sejam lembrados.

 

Já faz tempo sabemos que nosso cérebro não pára de trabalhar durante o sono, especialmente no processamento afetivo e na organização e consolidação daquilo que aprendemos quando acordados. Além disso, é no sono que o cérebro descarta memórias pouco relevantes para nossa vida e isso se dá não por falta de espaço no hardware. O cérebro precisa manter sua mesa de trabalho livre de penduricalhos supérfluos.  

 

Mesmo assim, com todo esse trabalho cerebral durante o sono, não há porque termos muita esperança em aprender  conteúdos novos e complexos durante o sono. Digo isso é porque ainda não estão  implantando chips no cérebro para uploads.

 

 

smallicone

Anúncios