Uma pesquisa publicada esta semana pelo periódico oficial da Academia Americana de Neurologia aponta que o sonambulismo entre adultos é bem mais comum do que se imaginava.  

 

Os pesquisadores estudaram uma amostra bem representativa da população americana, incluindo mais de 15 mil voluntários de 15 diferentes estados. Uma história de sonambulismo foi relatada por 30% dos entrevistados, e 3.6% deles apresentaram pelo menos um episódio no último ano. O estudo ainda mostrou que a chance de sonambulismo é maior entre aqueles com história familiar dessa mesma condição e naqueles que têm quadros psiquiátricos como ansiedade, depressão e transtorno obsessivo-compulsivo.

 

Um episódio de sonambulismo geralmente dura menos de 15 minutos, mas pode chegar a mais de uma hora. Qualquer evento que influencie o estado de equilíbrio do cérebro pode desencadear o fenômeno naqueles que têm predisposição. Podemos listar privação de sono, álcool, medicações, estresse, febre, gravidez, entre outros.

 

O sonâmbulo mantém os olhos abertos, não responde aos estímulos do meio e, muitas vezes, realiza tarefas complexas como se vestir, arrumar a cozinha e até sair de carro. No outro dia, o paciente não se recorda do que fez e, quando acordado no meio do episódio, mostra-se confuso.

 

Há algum tempo ainda se acreditava que isso era um fenômeno de sonhar acordado, mas não é bem isso que acontece. O sonambulismo inicia-se na fase do sono não associada aos sonhos. É uma forma de estar acordado pela metade. A parte do cérebro responsável pelo movimento está acordada, mas aquela associada à consciência e processos cognitivos ainda dorme.

 

Adaptar a casa para evitar esses acidentes é muito importante e o tratamento é indicado especialmente para as pessoas que têm maior risco de acidentes.  

 

Anúncios