A Síndrome de Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS) é caracterizada por recorrente obstrução parcial ou completa das vias aéreas superiores durante o sono associada a roncos, resultando em episódios de paradas respiratórias, redução da oxigenação do sangue, freqüentes despertares durante a noite e conseqüente sonolência diurna. É bom saber que todo mundo que tem SAOS ronca, mas nem todo mundo que ronca tem apnéia.

 

Já é bem conhecido que as formas moderada e grave da SAOS estão associadas ao aumento de risco cardiovascular, e o tratamento visa não só melhorar a qualidade de vida do indivíduo, mas também reduzir seu risco cardiovascular. Um novo estudo publicado na última edição da revista American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine nos mostra que mesmo portadores da forma leve de SAOS também apresentam maior risco cardiovascular. Medidas que refletem a saúde das artérias mostraram-se reduzidas entre pacientes com a forma leve de SAOS quando comparado ao grupo controle. Esses resultados fizeram com que os pesquisadores dessem início a um novo estudo que irá avaliar se o tradicional tratamento com o aparelho com máscara de ar sob pressão durante a noite, o CPAP, não seria indicado  também a pacientes com SAOS leve e com mínimos sintomas. Atualmente a indicação mais ortodoxa do CPAP é nos casos moderados e severos de SAOS.

 

 

 

Anúncios