You are currently browsing the category archive for the ‘!! ConsCiência no Dia-a-Dia !!’ category.

Resultado de imagem para dogs doctors

Por Dr. Ricardo Teixeira

.

O reconhecimento de odores específicos exalados por pessoas que sofrem de uma determinada doença é descrito desde a época de Hipócrates na Grécia antiga. Eu mesmo tive a sorte e a honra de ter sido aluno na graduação em medicina na UNB do incrível Sir Philip Davis Marsden e, na beira do leito, ele me pedia para cheirar os pacientes e dar minha impressão. E o Sir aqui é Sir mesmo: Cavaleiro de sua Majestade, honraria concedida pela Rainha da Inglaterra pelo conjunto de sua obra.

Condições clínicas como diabetes descompensado, insuficiência renal ou hepática não eram difíceis de serem identificados pelo cheiro, mas muitos diagnósticos, especialmente os infecciosos, só mesmo o Sir Philip Marsden e, muito provavelmente, os cães. Cães?

Cães treinados para identificação de odores exalados por indivíduos nas fases precoces de doenças têm mostrado resultados positivos em alguns tipos de câncer. O exame de sangue oculto nas fezes é capaz de detectar câncer colorretal em 44% dos pacientes, mas os cães o detectam pelo cheiro da respiração do paciente em 91% dos casos. Componentes voláteis numa série de doenças têm sido isolados e, no futuro, “narizes eletrônicos” poderão fazer parte dos check-ups médicos. O interessante é que esses narizes eletrônicos não chegaram perto ainda da sensibilidade do olfato canino. Enquanto a tecnologia só funciona com uma concentração mínima de componentes voláteis da ordem de 100 a 400, os cães só precisam de 0.001.

E os cães não param de marcar golaços. Há poucos dias, a revista Scientific Reports publicou os resultados de uma pesquisa que mostrou que cães treinados a sentir o odor de pacientes portadores de epilepsia são capazes de identificar o “cheiro de crise” de outros portadores de epilepsia totalmente novos para os cães. E essa capacidade de identificação foi demostrada em nada mais, nada menos, que 100 % dos cães envolvidos no estudo. Dentre os estudos de identificação de doenças por cães, esse foi o que teve resultados mais espetaculares.

A pesquisa não foi feita para demonstrar antecipação de crises, mas estudos mais frágeis já demonstraram essa capacidade dos cães, não só em crises epilépticas, como também na enxaqueca. O fato é que os resultados deixam claro que existe sim um odor característico associado a crises epilépticas e novos estudos serão feitos para identificar que componente é esse e se os cães são capazes de percebê-los antes das crises se instalarem.

 

 

 

 

 

Anúncios

Image result for thinking about food

 

 

 

 

 

 

 

 

Por Dr. Ricardo Teixeira

.

Você está comendo um alimento saboroso, só na imaginação, 33 vezes seguidas. Após esse exercício, o alimento é oferecido ao vivo e em cores e você estará apenas com a metade do apetite de quem que fez outro exercício de imaginação, como manipular moedas. Isso foi testado com confeitos M&M e com pedacinhos de queijo, mas quando o experimento era com queijinhos, o apetite por chocolate não diminuía, e vice-versa. A saciedade não era transferível para outro tipo de alimento. Essas experiências foram publicadas pela revista Science e abriram discussões calorosas sobre o poder da mente no controle de peso.

 

Essa saciedade mental pode ser explicada pelo efeito de habituação. Estímulos repetitivos passam a não ter mais o mesmo impacto depois de um tempo. A primeira mordida costuma ser a mais gostosa. Entretanto, a última mordida também tem seu valor. Se sobrarem dois biscoitos em uma lata, eles serão considerados mais gostosos do que quando a lata está cheia.

 

O banquete mental teve seus efeitos colaterais. A vontade de comer outras comidas que combinavam com o alimento teste aumentou. Quem imaginou a degustação de queijinhos comeu menos queijo depois, mas comeu mais pão.

 

O poder da mente é realmente incrível. Este último mês, pesquisadores canadenses mostraram que só o fato de sermos confrontados com mensagens subliminares que nos lembram do café, já faz com que fiquemos mais alertas, mesmo sem chegarmos perto de uma xícara.

.

 

Resultado de imagem para hamilton de holanda show

.

Por Dr. Ricardo Teixeira

Quase ninguém deve discordar do quanto a música é capaz de nos atrair, nos cativar. Falo “quase ninguém” porque existe uma parcela pequena da população, inferior a 5%, que não sente prazer com a música e/ou não consegue identificar suas nuances. Isso pode ser congênito ou mesmo decorrente de uma lesão cerebral adquirida.

 

Essa atração pela música pode ser ainda maior quando a ouvimos coletivamente. Não é difícil pensar nesse efeito durante um show em que a multidão canta a música famosa do artista ou no estádio futebol ouvindo e cantando o hino do seu time. Claro que existe o fator emocional envolvido nessa liga e frequentemente usamos o termo “energia contagiante” para descrever a experiência.

 

Mas a música não para de nos surpreender. Nessa última semana, pesquisadores americanos publicaram os resultados de um estudo na prestigiada revista Scientific Reports mostrando que a música sincroniza nossas ondas cerebrais com as de quem a ouve ao nosso lado, especialmente quando a música é familiar e entre aqueles que têm treinamento musical formal. Que contágio, hein? Eles mostraram ainda que essa sincronização diminuía à medida que a música era repetida, mas o efeito só acontecia no caso de músicas que já eram familiares aos voluntários.

 

Da próxima vez que ouvir uma música contagiante, olhe ao redor e procure ondas cerebrais que podem estar no mesmo ritmo das suas. Talvez não demore muito para termos aparelhos simples para medir o quanto uma música gera sincronização de ritmos cerebrais na plateia e que meça também a energia gerada por esse fenômeno. Talvez isso corresponda ao que chamamos hoje de “good vibes”.

.

Por Dr. Ricardo Teixeira*

.

Testes de QI mostram que as pessoas têm apresentado melhor desempenho de geração em geração, fenômeno intrigante conhecido por efeito Flynn, pesquisador que inspirou o termo por ter sido o primeiro a demonstrá-lo na década de 1980. Nosso QI tem mais chance de ser maior que dos nossos pais, enquanto o dos nossos filhos será maior que os nossos. Discute-se que os fatores mais implicados nesse incremento são o educacional e o nutritivo.

 

Porém, essa curva ascendente do século 20 entrou em queda nas últimas décadas. Estamos ficando mais burrinhos?

 

Alguns estudos vêm demonstrando redução no QI nos últimos anos em alguns países ocidentais e as principais hipóteses levantadas pelos cientistas para explicar esse declínio são todas elas de fundo ambiental.

Qual a sua aposta?

– redução da qualidade de ensino?

– superexposição às mídias eletrônicas?

– piora nos padrões de saúde e nutrição?

-imigração?

-QI já não é um bom método para mensurar habilidades cognitivas, especialmente depois do advento da internet?

Por Dr. Ricardo Teixeira*

.

Este mês tivemos os resultados de uma pesquisa conduzida por pesquisadores do Instituto de Neurologia de Montreal no Canadá mostrando que os centros cerebrais de recompensa, aqueles ativados quando você come, por exemplo, um magnífico chocolate, são também estimulados quando você é apresentado a um acorde dissonante. Isso aconteceu quando as pessoas se confrontaram com o inesperado na música, quando elas achavam que iam ouvir algo, mas ouviam algo diferente. E quanto mais ativado o sistema de recompensa cerebral, maior foi o aprendizado do lado “consonante” da música.

Há pouco tempo, pesquisadores do MIT e da Universidade de Brandeis nos EUA conduziram um estudo que envolveu mais de 100 índios de uma tribo remota da Amazônia boliviana – Tsimane. Eles vivem bem isolados e não recebem influência da música que as pessoas da cidade são expostas mesmo inconscientemente. Os resultados sugeriram que nosso gosto musical tem origem cultural e não há porque pensar que é algo do cérebro desde que nascemos.

Acordes dissonantes e consonantes eram apresentados e eles tinham que dar uma nota para o quanto cada um deles os agradava. Um exemplo de acorde consonante, para muitos considerado “agradável ao cérebro”, é formado por dó maior e sol maior, um intervalo de quinta. Esse é um intervalo utilizado pela esmagadora maioria da música ocidental. Já os acordes dissonantes, como por exemplo o formado por dó maior e fá sustenido são muito pouco usados e até já foram considerados pela igreja católica como elementos musicais do capeta.

E não é que para os índios os acordes consonantes ou dissonantes não faziam diferença. Eram igualmente agradáveis a eles. Isso desconstrói a tese defendida por muitos que o cérebro nasceu batendo palmas aos acordes consonantes. É interessante o fato que os índios conseguiam categorizar dissonantes e consonantes como dois tipos de som.

Os mesmos testes foram aplicados a moradores de uma pequena cidade nas proximidades da tribo Tsimane, a moradores de La Paz e americanos músicos e não músicos. Os bolivianos da cidade deram uma discreta preferência aos acordes consonantes. Entre os americanos a preferência foi maior, especialmente entre os músicos.

.

*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista clínico e Diretor do Instituto do Cérebro de Brasília

 

Brain in a head

.

Por Dr. Ricardo Teixeira

.

Pesquisadores suíços demostraram que nosso cérebro pode adquirir vocabulário de uma nova língua durante o sono e que esse aprendizado pode ser resgatado no período de vigília. Mostraram ainda que essa nova informação durante o sono envolve as mesmas áreas cerebrais, incluindo os hipocampos, no processo de aprendizado durante a vigília. Os resultados foram publicados recentemente no prestigiado periódico Current Biology.

Na década de 1950, dois pesquisadores americanos, Simons e Emmon, conduziram um experimento que deu um banho de água fria nas expectativas da capacidade do cérebro aprender dormindo.  Eles fizeram quase cem perguntas a um grupo de voluntários e, em seguida, deram as respostas numa gravação enquanto dormiam. O resultado foi que ninguém aprendeu nenhuma das respostas e, assim, concluíram que o aprendizado durante o sono seria praticamente impossível.  Mas a ciência não parou por aí.

Nos últimos 20 anos, uma série de estudos tem contestado os resultados pioneiros de Simons e Emmon demonstrando que nosso cérebro, enquanto dorme, é capaz de aprender, reativar memórias e solidificar conteúdos recém-aprendidos.

Há tempos sabemos que nosso cérebro não para de trabalhar durante o sono, especialmente no processamento afetivo e na organização e consolidação daquilo que aprendemos quando acordados. Além disso, é no sono que o cérebro descarta memórias pouco relevantes para nossa vida e isso se dá não por falta de espaço no hardware. O cérebro precisa manter sua mesa de trabalho livre de penduricalhos supérfluos.

Mesmo com todo esse trabalho cerebral durante o sono, ainda temos muito o que evoluir no conhecimento dessa relação entre aprendizado e sono para achar que vamos aprender conteúdos complexos enquanto dormimos. Ou então, quem sabe um dia teremos implantes de chips no cérebro para uploads noturnos?

Close-up Photo of a Woman Listening to Music
Por Dr. Ricardo Teixeira*
.
Nossa escolhas musicais são influenciadas por diversos fatores, como onde vivemos, períodos do dia e do ano, idade e gênero. Essa é conclusão de um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Cornell nos EUA e publicado recentemente no periódico Nature Human Behaviour.
.
Uma das principais questões que a pesquisa ajuda a responder é se nosso estado emocional ajuda a definir a música que escutamos ou se a música também é capaz de modificar nossas emoções. Os pesquisadores de Cornell apontam que ambas as situações são verdadeiras. Indivíduos que têm tendência a dormir tarde ouvem músicas menos vigorosas, mas no decorrer do dia, as músicas vão ficando mais intensas, mesmo no meio da tarde, quando as pessoas estão mais “devagar”. Isso indica que a música pode ser uma ferramenta para que essas pessoas se mantenham alertas durante o dia. A música reflete como a pessoa está se sentindo, mas também como ela gostaria de estar se sentido.
.
A pesquisa foi feita através dos registros de streaming de 765 milhões de músicas da plataforma Spotfy entre 1 milhão de pessoas em 51 diferentes países. Nas diversas culturas estudadas, as pessoas ouvem músicas mais relaxantes à noite e mais intensas no horário comercial. Além disso, pessoas mais velhas dão preferência a músicas mais relaxantes.
.
Pessoas que vivem no ocidente ouvem músicas mais intensas quando comparadas às do oriente.  Mulheres ouvem música menos intensas, especialmente à noite, mas aquelas do hemisfério sul ouvem músicas mais vigorosas que os homens. A estação do ano fez diferença também. As músicas eram mais relaxantes em temperaturas mais frias. Em culturas próximas ao equador, onde a duração dos dias e noites é mais equilibrado, a música era mais intensa, e esse foi o melhor fator preditivo para a intensidade das músicas.
.
Os resultados do estudo são concordantes com outras pesquisas que apontaram que a música que se ouve varia de acordo com o estado emocional e mostram o retrato dos ritmos emocionais do comportamento humano.
.
* Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

2 Boy Sitting on Brown Floor While Using Their Smartphone Near Woman Siiting on Bench Using Smartphone during Daytime

Por Dr. Ricardo Teixeira

.

Em outubro de 2018, o governo da Inglaterra advertiu a população de que os risco das mídias sociais sobre a saúde mental dos adolescentes deve ser encarado de forma muito séria, dizendo que ele é tão robusto quanto o do açúcar para a saúde física dessa população.

De fato, as pesquisas mostram que os adolescentes têm uma tendência em passar uma grande parte do tempo em que estão acordados conectados. E também  têm dormido menos porque estão hiperconectados. Mas qual será o real efeito desse fenômeno sobre a saúde mental?

Um estudo publicado este mês pela Nature Human Behaviour aponta que não há motivo para um estado de pânico entre os pais ou governantes. Os pesquisadores usaram um método de análise estatística mais rigorosa e mais crítica de três estudos de larga escala voltados à saúde mental dos adolescentes e mostraram que o impacto existe, mas é muito pequeno. Chega a ser responsável por no máximo 0.4% da variação do bem-estar psíquico de um adolescente.

Os pesquisadores compararam os efeitos do mundo digital com outros fatores que os adolescentes são confrontados, como exposição ao álcool, tabagismo, bullying, privação de sono, dieta saudável e hábito de tomar café da manhã, uso de óculos ou hábito de ir ao cinema, etc. Quase todos esses fatores tiveram efeitos mais significativos no bem-estar dos adolescentes que o tempo que passavam na frente dos dispositivos digitais. Em comparação aos 0.4% de impacto descrito acima, bullying tinha um impacto de  2.7% e uso da maconha era de 4.3%. O tamanho do efeito negativo das mídias digitais foi comparável ao hábito de comer batatas regularmente e menor do que o de usar óculos.

A pesquisa sugere que coloquemos as barbas de molho quando estamos diante de notícias alarmantes sobre esse assunto. E mais. Uma visão de 360 graus para o fenômeno da adolescência faz muito mais sentido.

Person Holding Space Gray Iphone 5

 

Por Dr. Ricardo Teixeira*

 

Você certamente já desconfiou que as emoções são contagiantes. E isso é verdade. Pessoas alegres, ou mesmo textos, te deixam mais para cima, e o inverso também é verdadeiro. Isso também ocorre com vídeos. Pesquisadores holandeses da Universidade de Tilburg publicaram recentemente uma análise de mais de 2 mil vídeos do YouTube mostrando que o conteúdo emocional de cada vídeo é vivenciado pelas pessoas que os assistem.

 

Isso é muito relevante quando pensamos que as emoções dos outros estão entrando cada vez mais facilmente nas nossas vidas, especialmente pela exposição ao conteúdo que nos chega pelo companheiro smartphone. E ainda há uma tendência de busca por conteúdos próximos ao que você é, ou de como você está, fenômeno conhecido como homofilia.

 

O estudo analisou palavras e emoções transmitidas pelos vídeos e também o conteúdo emocional dos comentários. Os resultados mostraram uma forte relação entre o conteúdo emocional dos vídeos e dos comentários feitos pela audiência, de forma imediata e sustentada. O mesmo já havia sido demonstrado em mídias sociais como Twitter e Facebook. O recado é simples: moderação com o mundo online.

 

*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

 

Round White Sauce Plate

.

Por Dr. Ricardo Teixeira

Aqui vai uma boa dica para um almoço de negócios: na hora de escolher o que comer, evite os pratos individuais. Dê preferência aos pratos para mais de uma pessoa que você possa dividir com o outro. A dica é baseada num estudo recém-publicado por pesquisadores das Universidades de Chicago e Cornell nos EUA. Eles mostraram que, quando o almoço tem pratos compartilhados, as pessoas colaboram mais e a negociação é mais fácil. E isso provavelmente ocorra também fora do mundo dos negócios.

Um prato compartilhado faz com que as pessoas tenham que coordenar suas atitudes, e em tese, isso traria benefícios para a coordenação das negociações e maior cooperação. A pesquisa solicitou aos voluntários que consumissem um lanche individual ou o mesmo conteúdo concentrado em uma travessa para ser dividido por dois. Após uma negociação envolvendo milhões de dólares hipotéticos entre representantes com interesses opostos, aqueles que dividiram a refeição cooperaram mais na negociação e acordo demorou menos.

O efeito foi demonstrado entre pessoas estranhas, mas foi ainda mais robusto entre conhecidos. Um dos autores do estudo diz que o compartilhamento de uma refeição tem mais chances de promover a cooperação quando o conteúdo precisa realmente ser dividido. Quando a quantidade é muito grande, as pessoas não precisam se preocupar se já retiraram da travessa uma porção justa. E complementa:  “Dividir uma refeição é uma ótima oportunidade para se conectar com o outro e criar um vínculo social. ”

 

 

Person Running in the Hallway

 

.

 

Por Dr Ricardo Teixeira

Você já deve ter ouvido falar na tal higiene do sono. São cuidados que as pessoas devem ter para garantir uma boa noite sono. É dormir no silêncio e com temperatura adequada e as recomendações incluem uma série de hábitos nas horas próximas ao horário de ir para a cama. Devemos evitar ingesta de álcool e refeições pesadas, exposição à luz das telas digitais, inclusive dos smartphones, e até atividade física.

É claro que cada pessoa tem uma sensibilidade maior ou menor a esses diversos fatores, e no que diz respeito à atividade física, pesquisadores suíços acabam de publicar um estudo na revista Sports Medicine mostrando que atividade física à noite em graus moderados mais ajuda o sono do que atrapalha, mesmo quando realizados até 30 minutos antes de ir para a cama. Uma única pesquisa mostrou que atividades vigorosas, aquelas que você não consegue nem falar enquanto faz o exercício, podem atrapalhar sua noite de sono. Entretanto, esse estudo teve uma metodologia discutível, pois os voluntários não haviam realmente descansado antes de se deitarem, pois estavam com a frequência cardíaca 20% mais alta do que a encontrada em repouso.

A conclusão do presente estudo é que as pessoas podem fazer atividade física moderada à noite sem hesitação. Como falamos acima, cada um é cada um. Se a pessoa percebe que o exercício à noite atrapalha o sono, ela deve se organizar para fazê-lo mais cedo. O mesmo vale para as atividades vigorosas. O ideal seria treinar mais cedo, ou pelo menos dar o tempo suficiente para o corpo entrar no “modo repouso” antes de ir para a cama.

Man and Woman Holding Wine Glasses

.

Por Dr. Ricardo Teixeira

.

É isso mesmo. Um casal ao longo do tempo substitui as briguinhas, mais presentes nos primeiros anos de convívio, por bom humor e compreensão.  Essa foi a conclusão de um estudo recém-publicado pela Universidade da Califórnia nos EUA. Os pesquisadores estudaram, através de vídeos, as interações de 87 casais heterossexuais juntos há pelo menos 15 anos. Essa análise era feita por avaliação da expressão facial, conteúdo verbal e tom de voz. As emoções observadas eram então categorizadas em raiva, desprezo, comportamentos defensivos ou de dominação, medo, tensão, tristeza, manha, interesse, afeto, humor, entusiasmo e validação.

 

Os pesquisadores avaliaram por 13 anos o conteúdo emocional das interações desses casais e mostraram que aqueles que tinham mais tempo de estrada apresentavam menos comportamentos críticos e ficavam menos na defensiva. Foram também os que se comunicavam com mais ternura e humor. Os resultados são contrários à ideia de que com o tempo a relação de uma casal se desgasta e fica menos afetuosa. Pesquisas anteriores já haviam demonstrado que a relação estável de longo prazo reduz o risco de ansiedade e depressão.

 

No atual estudo, comportamentos negativos foram menos expressivos em casamentos mais duradouros de uma forma geral, independente do grau de satisfação com o casamento, mas as mulheres tinham uma maior tendência em assumir posturas dominadoras.

 

Outras pesquisas revelam que um projeto de vida a dois bem sucedido tem repercussões positivas em diversas dimensões do equilíbrio psíquico, mas também da saúde física. Por outro lado, um casamento estressante pode ter o efeito oposto, especialmente entre as mulheres.

 

Sleeping Woman in Front of Turned-on Table Lamp Beside Books

.

Por Dr. Ricardo Teixeira

 

São muitos os fatores que levam a garotada a dormir menos e o mais lembrado é o mundo digital. Uma pesquisa recém-publicada pelo periódico da Academia Americana de Medicina do Sono mostra que crianças e adolescentes que dormem pouco realmente são mais expostas às telas de smartphones, tablets, TVs, etc. Porém, o que chama mais atenção no estudo é que elas também têm maior tendência à obesidade e têm uma dieta pouco saudável: comem mais doces e fast-foods e mais frequentemente ficam sem o café da manhã.

 

De um total de quase 200 mil crianças americanas estudadas, cerca de 40% dormiam menos que o recomendado que são 9-12 horas entre as crianças de 6-12 anos de idade e 10 horas entre os adolescentes de 13 a 18 anos. Além disso, adolescentes com privação de sono também tinham menos capacidade aeróbica.

 

Pesquisas robustas já haviam demonstrado que crianças e adolescentes têm dormido cada vez menos ao longo das últimas décadas. Além da exposição à mídia eletrônica, há também, entre os adolescentes, o consumo excessivo de cafeína e isso acaba virando um círculo vicioso. Ao dormir menos, o adolescente usa mais cafeína para combater a sonolência diurna, substância que sabidamente pode provocar insônia.

 

Os adolescentes ainda são expostos a outros fatores de estresse que podem contribuir para que eles durmam menos, como a pressão por um brilhante desempenho acadêmico. Essa privação de sono aumenta o nível de cochilos na escola, e os efeitos vão muito além disso. Crianças e adolescentes que dormem pouco também têm maior risco de depressão, alergias e exacerbação de crises de asma

 

 

 

 

Woman Drinking Wine

.

As mesmas regiões do cérebro estão envolvidas no processamento da orientação espacial e do olfato. Isso lhe parece lógico? Até o mês passado isso não passava de uma construção teórica de que uma das principais funções do olfato é a navegação, já que a maioria dos animais usam esse sentido para buscar alimento e fugir dos predadores.

Pesquisadores da Universidade de McGill no Canadá publicaram recentemente na revista Nature Communications  um estudo demonstrando essa relação pela primeira vez entre humanos e que as regiões cerebrais  envolvidas são o hipocampo e o córtex orbitofrontal medial. A pesquisa envolveu adultos jovens que passavam por testes de orientação espacial numa cidade virtual  e também um teste para identificar 40 tipos diferentes de odores. Aqueles que se saíram melhor nos testes de orientação também foram os que melhor identificavam os diferentes cheiros. O achado inédito de que essas duas funções são desempenhadas pelas mesmas áreas cerebrais sugerem que os dois sistemas evoluíram ao mesmo tempo no nosso cérebro.

This picture shows an american astronaut in his space and extravehicular activity suite working outside of a spacecraft. In the background parts of a space shuttle are visible. In the far background of the picture planet earth with it's blue color and white clouds is shown as well as a patch of black space.

.

Por Ricardo Teixeira*

 

Você tinha um mundo paralelo quando era criança? Um amigo fictício? Pesquisadores americanos reconheceram recentemente que isso é mais comum dos que se imaginava. Esse outro mundo, também chamado de paracosmo, está presente em quase 20% das crianças com idades entre 8 e 12 anos. Essas crianças se mostraram mais criativas nos testes cognitivos e, curiosamente, não eram mais solitárias. Esse mundo paralelo frequentemente era vivenciado em grupo junto a outras crianças do círculo social.

 

Os brilhantes músicos americanos Herbie Hancock e Wayne Shorter escreveram recentemente uma carta às próximas gerações de artistas para acender as mentes criativas. Acho que isso deveria servir de inspiração a todos nós, independente de sermos ou não artistas. A vida pode ser uma obra de arte. Aliás, deve ser.  

 

Seleciono aqui um trecho da carta que acho um primor: “Finalmente, esperamos que você viva em um estado de constante deslumbramento. Com o acúmulo dos anos, partes da nossa imaginação podem se apagar. Ou por tristeza, dificuldades prolongadas, ou condicionamento social, em algum momento de suas vidas as pessoas se esquecem de como acessar esta mágica inerente que existe dentro de nossas mentes. Não deixe essa parte da sua imaginação desaparecer. Olhe para as estrelas e imagine como seria ser um astronauta ou um piloto. Imagine explorar as pirâmides ou o Machu Picchu. Imagine poder voar como um pássaro ou passar por uma parede como o Super-Homem. Imagine correr com os dinossauros ou nadar com criaturas do mar. Tudo o que existe é produto da imaginação de alguém; cuide bem e nutra sua imaginação e você sempre se encontrará à beira da descoberta.  Como cada um desses fatores levam à criação de uma sociedade pacífica? – você deve estar se perguntando. Tudo começa com uma causa. Suas causas criam os efeitos que moldam o seu futuro e o futuro de todos ao seu redor. Sejam os protagonistas no filme de suas vidas. Vocês são os diretores, os produtores e os atores. Sejam ousados e incansavelmente benevolentes enquanto dançam pela viagem que é esta vida”.

adult, arrival, beard

.

Em países ricos, com menor diferença de oportunidades entre os gêneros, poderíamos esperar que as mulheres fizessem escolhas mais parecidas com as que tradicionalmente são associadas aos homens. Um estudo recém-publicado pela revista Science mostrou que as coisas não são bem assim.

Pesquisadores das Universidades de Bonn na Alemanha e da Califórnia nos EUA estudaram essa questão entre mais de 80 mil voluntários em 76 países e apontaram que as similaridades de escolhas entre os gêneros são menores em países ricos e com maior igualdade de gênero. Com mais oportunidades, homens e mulheres têm maior tendência em fazer “o que estão a fim”, com maior liberdade de escolha. As mulheres nesse cenário não se sentem pressionadas a tomar decisões que não condizem com suas crenças. O estudo investigou como os voluntários responderiam a cenários envolvendo seis diferentes questões: 1) comportamento de risco; 2) paciência; 3) altruísmo; 4) confiança; 5) reciprocidade positiva; 6) reciprocidade negativa. Os resultados mostraram que foram maiores as diferenças das repostas entre os gêneros em países mais ricos e com maior igualde de gênero.

Esse estudo me fez lembrar de uma pesquisa publicada pela Nature Human Behavior que mostrou que o processamento de comportamentos altruístas e egoístas é diferente entre os gêneros.  Ações altruístas estimulam nas mulheres os sistemas de recompensa cerebral de forma mais robusta. Já os homens têm esses sistemas fortemente ativos quando as ações são egoístas.

Essa pesquisa foi além desses achados. Quando as mulheres recebiam uma droga que deixava esses centros meio adormecidos, por inibirem a ação da dopamina, elas passavam a se comportar de forma mais egoísta. E, surpreendentemente, o contrário aconteceu com os homens. Após o bloqueio da ação da dopamina, eles se tornaram mais generosos.

É importante frisar que esses resultados não nos dizem que essas diferenças são inatas. Isso pode muito bem ser decorrente do aprendizado durante a vida, expectativas diferentes para homens e mulheres. As mulheres desde a infância podem receber mais feedbacks positivos quando agem de forma altruísta. Isso também pode ocorrer com ações egoístas no caso dos homens. E esse mesmo raciocínio é válido para os resultados da publicação da revista Science. Não é razoável reduzir o entendimento das diferenças somente por componentes biológicos. É difícil pensar que a cultura não exerça sua influência.

.

Bebês de nove meses assimilam melhor conteúdos para aprimorar a linguagem passados por vídeo quando estão acompanhados por outro bebê. Essa foi a conclusão de um estudo publicado recentemente no respeitado periódico PNAS por pesquisadores das Universidades de Connecticut e Washington nos Estados Unidos.

Aprender de forma colaborativa faz com que os bebês fiquem mais alertas e essa é uma das explicações para os resultados. O curioso é que esse efeito positivo da parceria foi mais robusto quando os bebês não se conheciam previamente. É a novidade promovendo o aprendizado por aumentar a motivação. O vídeo no presente estudo era passado em uma tela sensível ao toque que permitia interação dos bebês. Além disso, a resposta neural dos bebês que foram estudados em pares, medida pelo comportamento e por potenciais elétricos do cérebro, indicou um padrão de maior maturidade no processamento dos sons.

Vários estudos demonstram a superioridade do aprendizado de linguagem por meio pessoas de carne e osso quando comparados às mídias. Entretanto, a atual pesquisa sugere que a falta de interatividade com um parceiro no momento do aprendizado pode fazer mais diferença do que os pixels das mídias. Essa interatividade pode ser chamada de estimulação social ou excitação social, tradução livre de social arousal.

 

 

Colorful Toothed Wheels

.

As pessoas que têm transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) carregam consigo o estigma de ineficiência que muitas vezes limita a expressão de suas potencialidades. Podemos pensar que eles podem ter mais dificuldades em alguns tipos de tarefa, mas podem até ser mais eficazes em outros tipos de trabalho. E essa foi a conclusão de um estudo recém-publicado por pesquisadores da Universidade de Michigan nos EUA.

Adolescentes com e sem diagnóstico de déficit de atenção passaram por testes que avaliavam a criatividade e aqueles que tinham déficit de atenção se saíram melhor. Eles se mostraram mais propensos a resistir à conformidade, a ignorar a informação já conhecida, o que permitia que a criatividade pudesse voar. Em um dos testes os voluntários tinham que desenhar uma fruta alienígena. O grupo com déficit de atenção desenhou frutas que guardavam menos semelhanças com as frutas do nosso planeta. Em outro teste eles tinham que criar rótulos sem copiar os exemplos apresentados.  Novamente os portadores de déficit de atenção foram mais criativos.

É claro que esses resultados nos mostram o enorme potencial que indivíduos com déficit de atenção têm em carreiras em que a demanda criativa é alta como o marketing, publicidade, artes, engenharia de computação entre outras. Pensando bem, em qualquer carreira!

O TDAH é uma condição geneticamente herdada que se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. O problema acomete entre 6 e 8% das crianças em todo o mundo e permanecem até a vida adulta em 30% dos casos. Entretanto, pesquisas recentes têm demonstrado que essas cifras andam bem maiores.

No Brasil, uma pesquisa revelou que quase 75% das crianças e adolescentes brasileiros que tomam remédios para déficit de atenção não cumprem os critérios diagnósticos para essa condição clínica.

Acredito que o TDAH esteja lado a lado com a depressão como exemplos típicos de um fenômeno de nossa sociedade contemporânea chamado de medicalização da experiência humana. Qualquer experiência de tristeza ou de perda de foco nos estudos ou no trabalho são frequentemente interpretadas de forma errônea por aqueles que têm os sintomas, e mesmo pelos médicos, como se fosse um diagnóstico de depressão ou TDAH. Não estou dizendo que esses diagnósticos não existam. Pelo contrário. São dois dos diagnósticos mais prevalentes na área de saúde mental, que precisam de tratamento, e quando se pensa em saúde pública, certamente existem mais indivíduos não diagnosticados do que superdiagnosticados.

Por Ricardo Teixeira*

Inline image

Estudos de fluxo sanguíneo cerebral apontam que as artérias do cérebro se contraem nas fases iniciais de uma crise de enxaqueca sugerindo que essa redução de fluxo, e menor oferta de oxigênio ao cérebro, possam ser fatores que colaboram para o desenvolvimento de uma crise. Estudos experimentais realmente mostram que essa redução de oxigênio é capaz de provocar dor de cabeça em quem costuma ter enxaqueca e até mesmo entre as pessoas que não sofrem dessa condição.

 

Pesquisas também demonstram ainda na década de 1950 que a inalação de gás carbônico, que provoca dilatação das artérias, é capaz de abortar crises de enxaqueca. Entretanto, os dispositivos de inalação utilizados nos experimentos não são nada amigáveis para o uso fora do laboratório.

 

Pesquisadores dinamarqueses acabam de publicar no periódico Cephalalgia da Sociedade Internacional de Cefaléia os resultados preliminares do uso de um novo dispositivo para inalação de gás carbônico que as pessoas com enxaqueca poderiam utilizar facilmente em casa. O dispositivo mostrou-se seguro e aumentou o fluxo sanguíneo em 70% em pacientes no início de uma crise de enxaqueca. Cerca de 80% dos pacientes estudados tiveram boa resposta no controle das crises, sem efeitos colaterais significativos e com início de ação já nos primeiros segundos da inalação.

 

O equipamento já está sendo produzida pela empresa dinamarquesa BalancAir, mas antes de passar para o dia a dia da prescrição médica, novos estudos deverão ser realizados com maior número de pacientes para confirmar esses resultados iniciais.

 

*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Six Boys Standing Near Trees and Houses Photo Taken

 

A pobreza é reconhecida como um dos principais fatores que contribuem para o número de pessoas com retardo mental ao redor o mundo. Em países desenvolvidos, a prevalência de retardo mental situa-se em torno de 3-5 / 1000 indivíduos, enquanto em países pobres encontramos uma prevalência que chega a ser cinco vezes maior. A pobreza está por trás de dois dos principais fatores de risco para o retardo mental: deficiência nutricional e de estímulo cerebral. O problema deve ser visto como uma epidemia neurológica escondida. Do ponto de vista de saúde pública, a pobreza tem um impacto sobre o estado neurológico muito maior que a grande maioria das doenças neurológicas com suas organizadas sociedades médicas e associações de pacientes, e com seus medicamentos que movem o business da saúde.

Uma pesquisa recém-publicada pela revista Neurology mostra que mesmo as crianças que não desenvolvem retardo mental chegam em idades avançadas com menor desempenho cognitivo quando crescem em situação de pobreza. Assim como qualquer outro sistema do nosso corpo, o cérebro envelhece e os resultados da presente pesquisa evidenciam um envelhecimento mais rápido entre os pobres.

O estudo incluiu cerca de vinte mil adultos de 16 diferentes países europeus. Para avaliar o perfil socioeconômico na infância, eles usaram um método que incluía questões como o número de quartos e pessoas que viviam na casa e o número aproximado de livros. A análise apontou que 4% dos participantes viveram adversidade socioeconômica na infância. Estes tinham menor grau de educação formal, eram menos empregados, apresentavam mais sintomas de depressão e menos hábitos saudáveis. Mesmo após correção para esses fatores negativos, esses 4% tiveram uma perda mais acelerada da capacidade cognitiva com o envelhecimento. Outras pesquisas já haviam demonstrado que pobreza na infância está associada a uma redução do volume da substancia branca e cinzenta do cérebro.

Atacar de frente a pobreza vai além da questão de humanismo e de direitos humanos. O Banco Mundial reconhece que dentre todas as intervenções em saúde, o controle da desnutrição pode ser considerado a que apresenta melhor custo-benefício. E os primeiros anos de vida de uma criança são os mais vulneráveis para o cérebro, começando a contar desde o primeiro dia da concepção, na barriga da mãe. A mãe precisa comer bem. Todo mundo tem que comer bem. E uma coisa puxa a outra. Crianças desnutridas têm menor chance de chegar à escola, e quando chegam, têm maior chance de evasão.

Pense nisso na hora de votar. Um país com cérebros que não atingem o pleno potencial não vai para frente.

Apoio

Acompanhe o quadro CUCA LEGAL com o Dr. Ricardo Teixeira na Rádio CBN Brasília às quartas-feiras no horário de 11:35h

Também às segundas no Correio Braziliense

ConsCiência no Dia a Dia – Vencedor Prêmio TopBlog 2009

VISITE O LABJOR

Siga no TWITTER

Twitter

TWITTER

    follow me on Twitter

    Blog Stats

    • 2.844.817 hits
    Anúncios