Side view of Hispanic female sitting at table with textbooks while preparing for exams with phone while looking jealously at man texting on cellphone in daytime in park

Os smartphones tornaram a multitarefa mais fácil e muitas vezes compulsiva. Você senta para tomar um café com um amigo e sem perceber, no meio da conversa, você dá uma olhada no seu smartphone após um sinal que há alguma nova te esperando.

Phubbing é um termo que une as palavras phone e snubbing do inglês, e essa última significa “esnobando”. Dividir a atenção com o celular enquanto seu amigo lhe conta uma história em um encontro presencial, para muitos, é uma falta de gentileza. Um estudo recém-publicado na revista Behaviour & Information Technology por pesquisadores da Universidade da Georgia, nos EUA, mostram que certas características de personalidade e transtornos psíquicos fazem com que esse hábito seja mais comum. 

As pessoas com transtornos de ansiedade e depressão têm maior tendência a apresentar tal comportamento assim como aquelas com personalidades com forte componente de neuroticismo. É claro que essas mesmas pessoas são mais viciadas no uso de smartphones. Por outro lado, o phubbing é menor entre pessoas com traços de personalidade cooperativa e agradável, que mostram interesse pelo que o outro fala. Essas pessoas julgam o phubbing uma atitude rude, pouco educada e, ironicamente, mesmo assim o fazem. Independente da personalidade, o phubbing é mais frequente quando a conversa se dá com mais de duas pessoas.

Guardar o smartphone numa conversa face a face pode indicar uma manifestação de respeito pelo outro. Mas será que o phubbing veio para ficar? Breves interrupções já foram incorporadas como comportamento normal numa conversa? O tempo dirá.