Printed Musical Note Page

 

 

Tenho pensado recentemente que uma das dietas mais nutritivas que podemos oferecer aos filhos é uma rica em vitamina T, T de tempo. E o efeito dessa vitamina não depende só de quantidade, mas também de qualidade. Nessa toada, a música pode ser uma ferramenta poderosa para incrementar essa qualidade.

 

Você deve concordar com o valor que um prato delicioso feito para todos tem na saúde das relações humanas. Foi-se o tempo que a cozinha era um palco exclusivo da mama. Hoje temos os masterchefs papas e kids também. Que espetáculo saborear uma sobremesa que o filho fez para toda a família.

 

A cena de uma família viajando, ou mesmo em casa, cada um com seu smartphone e seu fone de ouvido, não é nada incomum nos dias de hoje. Isso parece mais um almoço de domingo em que cada um discou para um ifood para entregar sua “ração” individual. Da mesma forma, um banquete de música compartilhada pode ser bem mais interessante que os fones individuais.

 

Pesquisadores da Universidade do Arizona nos EUA demostraram recentemente que as crianças e adolescentes que crescem vivenciando música junto aos pais chegam no início da idade adulta com um melhor relacionamento com eles.

 

E esse compartilhamento de vivências musicais deve acontecer nos dois sentidos. Não adianta você pensar que o importante é o filho aprender a ouvir Verdi, Beethoven, Miles Davis, Tom Jobim, etc. Pode até ser que seu filho goste de alguns desses personagens, mas você não deveria achar que é de segunda classe conhecer e ouvir junto aquele funk que está na playlist dele. E por que não fazer companhia em um show de música que só interessa ao público adolescente?

 

Que tal trocar os fones por sistemas bluetooth de compartilhamento da música no carro ou em casa? Deixe os filhos também serem os DJs. É claro que dá para combinar momentos de individualidade e silêncio, tão importantes para os pais como para os filhos. Ou quem sabe ainda aprender a tocar um instrumento musical junto com seu filho?

 

 

 

Anúncios