Adultos jovens com atitudes hostis ou que não cooperam em situações de estresse tem mais dificuldades cognitivas décadas depois. Essa é conclusão de um estudo publicado nesta quarta-feira pela revista Neurology da Academia Americana de Neurologia.

Não costumamos pensar em uma associação entre traços de personalidade e desempenho cognitivo, mas o atual estudo aponta que uma personalidade   hostil é comparável a uma década de envelhecimento no pensamento. A pesquisa envolveu mais de três mil americanos com uma média de 25 anos no início do estudo e foram seguidos por 25 anos. Para medir o perfil de hostilidade dos voluntários os pesquisadores aplicaram um questionário que investigava comportamento agressivo, desconfiança e sentimentos negativos no exercício social. Além disso, o questionário avaliava o “desperdício” de energia em situações de estresse que demandam contínua adaptação a desafios físicos e psicológicos. É mais ou menos o quanto a pessoa é teimosa e continua batendo a cabeça onde não há necessidade.

Aqueles com mais traços de hostilidade e os que tinham mais cabeça dura foram os que apresentavam pior desempenho cognitivo 25 anos depois. Os resultados foram independentes do estado de humor, eventos significativos na vida e discriminação. Outros estudos precisarão ser feitos para confirmar esses resultados. Se confirmados, será preciso entender a melhor estratégia para promover interações sociais positivas. Acho que a psicoterapia deve ser o melhor candidato.

Anúncios